Moela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde outubro de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A moela faz parte do sistema digestório das aves (principalmente das aves granívoras) e realiza a digestão mecânica dos alimentos. Na boca das aves não há dentes, mas um bico que é adaptado ao tipo de alimentação mais comum de cada espécie. À boca, segue-se a faringe e no esófago é encontrada uma bolsa chamada papo. Nele o alimento vai sendo amolecido para depois avançar até o estômago químico, que solta enzimas digestivas para que se inicie o processo de digestão, que terminará na moela. A moela é um compartimento muito musculado do tubo digestivo onde, com a ajuda de pequenas pedras e areia, os alimentos são esmagados. Este tubo digestivo termina então na cloaca, que é o local de desemboque dos sistemas excretor, reprodutor e digestório.

Gastrolitos[editar | editar código-fonte]

Alguns animais que não possuem dentes engolem pedras ou gravilha para ajudar a digestão. Todas as aves possuem moelas, mas nem todos engolem pedras ou gravilha. As aves que o fazem, empregam o método de 'mastigação':

"Uma ave engole pequenos pedaços de gravilha que actuam como 'dentes' na moela, desfazendo a comida mais dura como sementes e consequentemente auxiliando a digestão." [1]

Essas pedras são chamadas pedras da moela ou gastrolitos e são normalmente redondos e suaves devido à acção de polimento que sofre no estômago do animal. Quando estão demasiado suaves para fazerem o trabalho requerido, podem ser expulsas ou regurgitadas.

Animais com moelas[editar | editar código-fonte]

Aves[editar | editar código-fonte]

Todas as aves têm moelas. As moelas dos emus, perus, galinhas e patos são muito utilizadas em culinária (ler abaixo).

Peixes[editar | editar código-fonte]

A tainha (Mugilidae) encontrada em estuários marinhos um pouco por todo o Mundo, e algumas espécies do gênero Dorosoma, encontrado em lagos de água doce e ribeiros de Nova Iorque ao México, possuem moelas. O Salmo stomachius), um espécie ricamente colorida de truta encontrada no lago irlandês, Lough Melvin em County Fermangh, tem uma moela que é utilizada na digestão de caracóis marinhos, o componente principal da sua dieta.

Répteis[editar | editar código-fonte]

Os jacarés e os crocodilos também possuem moelas.

Invertebrados[editar | editar código-fonte]

A maioria dos invertebrados também têm moelas. A moela é utilizada para moer comida, e faz parte do sistema digestivo.

Dinossauros[editar | editar código-fonte]

Dinossauros que se crêem ter moelas baseado na descoberta de pedras de moela recuperadas próximas de fósseis incluem:

Supôs-se que o Claosaurus possuía moelas, mas descobriu-se tratar de um A) Edmontosaurus annectens e B) provavelmente baseado em seixos rolados pela água; [2]

Culinária[editar | editar código-fonte]

As moelas de aves são uma comida popular por todo o Mundo.[3] As moelas de frango grelhadas são vendidas por vendedor ambulantes no Haiti e em todo o Sudeste Asiático.

As Vísceras ou "miudezas" consiste no coração, fígado e moela de um pássaro, e são regularmente consumidas só por si ou como base de uma sopa ou caldo.

Referências

  1. Solomon et al., 2002
  2. Creisler, Benjamin S. 2007. Deciphering duckbills. Page 199 in Carpenter, Kenneth (ed.). "Horns and Beaks: Ceratopsian and Ornithopod Dinosaurs". Indiana University Press: Bloomington and Indianapolis
  3. List of cookbooks containing gizzard recipes Amazon.com [S.l.] Consultado em 2009-02-05. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Solomon, E.P., Berg L.P., and Martin D.W., 2002. Biology Sixth Edition. Thomson Learning Inc., Australia, Canada, Mexico, Singapore, Spain, United Kingdom, United States pp. 664
  • Dyce, Sack, Wensing, 2002. Textbook of Veterinary Anatomy Third Edition, Saunders. ISBN 0-7216-8966-3