Movimento polar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diagrama mostrando a deslocação polar. O eixo vertical corresponde ao tempo (unidades em dias) e os eixos horizontais à deslocação sobre a superfície (a cada segmento equivale a uns 3 metros sobre a superfície). Dados fornecidos pelo IERS.

Denomina-se movimento polar à deslocação que experimentam os pólos celestes da Terra com respeito aos pólos geográficos, como consequência de minúsculas desvios no eixo de rotação terrestre.[1] Estes desvios são devidas a pequenas flutuações na geometria do planeta ou em sua distribuição de massas, bem seja pelas deslocações diárias de massas de água devidos às marés, a mudanças na acumulação estacional de neve, ou a outros efeitos de origem incerta.[2]

Ainda que a oscilação dos pólos geográficos é de reduzidas dimensões, os satélites de posicionamento e comunicação, bem como outras instalações tais como os observatórios Astronômico, devem ter em conta este efeito e realizar as oportunas correções. O Serviço Internacional de Rotação da Terra e Sistemas de Referência (IERS) é o organismo encarregado do rastreamento e cálculo deste movimento, que se considera previsível em longo prazo.[1]

Componentes do movimento polar[editar | editar código-fonte]

Considera-se que o movimento polar é a combinação de três factores diferentes: dois movimentos cuasi-jornais, e uma deriva gradual.[3]

  • O Banboleio de Chandler é o componente dominante do movimento polar.[1] Descreve uma trajetória quase circular dentre 3 e 15 m de diâmetro num período de uns 14 meses.
  • A oscilação anual, que descreve um círculo menor, coincidindo com a acumulação estacional de massas de água.[3]
  • A Deriva, em direção para o meridiano 80º oeste, e cuja causa se crê é devida a movimentos no manto terrestre e à paulatina perda de gelo de Gronelândia. Esta deriva é imprevisível, e se desloca a uma velocidade ligeiramente superior a um metro por década.
  • [4]

Além destes três componentes, a localização dos pólos experimenta variações diárias devidas às marés, mas seus efeitos são muito pequenos.[3] Também fenómenos tectónicos como os terramotos podem alterar a posição do pólo.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Earth Rotation and Equatorial Coordinates» (em inglés) 
  2. «El planeta Tierra» (PDF) 
  3. a b c «Polar motion» (em inglés) 
  4. «Polar motion, 2001-2006» (em inglés) 
  5. «Efectos del Terremoto sobre la Tierra»