Muça ibne Noçáir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Musa ibn Nusair)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Muça ibne Noçáir
Nascimento c. 640
Iémen
Morte 716 (76 anos)
Damasco, na Síria
Ocupação líder militar

Muça ibne Noçáir[1] [2] (Musa ibn Nusair - "lit. Muça, filho de Noçáir"; 640716) foi um muçulmano do Iémen, governador de Ceuta e general ao serviço dos Omíadas. Foi um dos líderes da invasão muçulmana da Península Ibérica em 711.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 698, foi condecorado como vice-rei do Norte de África e foi o responsável de uma grande rebelião berbere. Muça suportou os constantes conflitos com a marinha bizantina e construiu a frota que foi utilizada na conquista das ilhas de Ibiza, Maiorca e Menorca.

Na península Ibérica, desenrolavam-se lutas internas entre os Visigodos. Entre as facções, estaria o filho de um falecido rei, obstinado pelo seu afastamento do poder. Esta facção apelou a Muça que intercedesse na guerra civil, e Muça acedeu. Enviou o seu general Tárique à península. Os exércitos de Tárique desembarcaram em Gibraltar a 30 de Abril de 711, de onde deram início a um série de lutas conhecidas como a invasão muçulmana. A sua maior vitória deu-se em Setembro do mesmo ano, quando os muçulmanos derrotaram o rei visigodo Rodrigo, que faleceu, na batalha de Guadalete.

Muça juntou-se a Tárique em 712 para conduzir os exércitos em direcção ao sul da França, conseguindo anexar algumas terras. Muça planeava invadir a restante Europa, mas foi chamado pelo califado de Damasco por Ualide I para se justificar, já que o segundo não tinha conhecimento da conquista. Ualide morreria pouco depois, e Muça seria aprisionado pelo seu sucessor, Solimão, que o mandaria executar a 716. O motivo desta execução, embora incerto, parece prender-se com o facto de Muça constituir uma ameaça para Sulimão.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Coelho 1989, p. 34; 57; 61
  2. Almeida 1922, p. 84

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Almeida, Fortunato de (1922). História de Portugal 1 F. de Almeida [S.l.] 
  • Coelho, António Borges (1989). Portugal na Espanha Arabe: História Editorial Caminho [S.l.] ISBN 9722104209. 
Ícone de esboço Este artigo sobre História da península Ibérica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.