Nabot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Morte de Nabote.

Nabot ou Nabote é um personagem bíblico, protagonista da narrativa da Vinha de Nabote.

A Bíblia relata que o rei Acabe admirava a vinha de Nabote, muito próspera e bonita, até que se decide por tê-la. Primeiramente, pede que lha dê. Em seguida, que troque com ele, até finalmente tentar comprá-la, em meio a argumentos infundados, sempre recusados por Nabote,[1] que a tinha por herança de seus pais, e, segundo a lei mosaica, não poderia abrir mão dela. [2]

Mediante a recusa, o rei entra em depressão, não comendo pão durante alguns dias. Sua esposa Jezabel, indignada, questiona o motivo de sua tristeza e decide, para aliviá-la, matar Nabote em um julgamento arranjado, permitindo que Acabe tomasse a terra como herdeiro legal. Como punição, o profeta Elias o visita e avisa sua perdição, fazendo com que se humilhe e poupando-o. No Segundo Livro dos Reis, no entanto, a morte de seu filho Jorão é apresentada como um castigo pelo ocorrido.[3]

Interpretações[editar | editar código-fonte]

Santo Ambrósio, em suas homilias sobre a história, usa-a para exortar os ricos contra sua ganância e cobiça, recomendando humildade e arrependimento.[4]

Roger Williams, teólogo batista, expõe o trecho em The Bloudy Tenent of Persecution for Cause of Conscience como um exemplo de que Deus não aprovaria que cristãos usassem a força governamental em questões religiosas, o que se conforma com sua teoria de que o uso de força bruta em nome da religião resultaria em perseguições contrárias à Bíblia.[5]

José De Cristo Candonguissa: no entendimento da revelação da palavra Deus queria mostrar qui não devemos vender aquilo qui Deus colocou em nôs como herança hoje muitos cristão venderam aquilo qui DEUS les deu com coisas imundas venderam os minísterios por algu bom e perderam algu melhor amém amados não vende a tua fé a

  1. 1 Reis 21
  2. Levítico 25:23
  3. 2 Reis 9
  4. Santo Ambrósio, De Nabuthae historia. Tradução para o inglês em: [1]
  5. James P. Byrd, The challenges of Roger Williams: religious liberty, violent persecution, and the Bible (Mercer University Press, 2002)[2] (accessed on Google Book on July 20, 2009)