Nahavand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Irã Nahavand 
  Cidade  
Localização
Nahavand está localizado em: Irã
Nahavand
Localização de Nahavand no Irã
Coordenadas 34° 11' N 48° 22' E
Província Hamadã
Condado Nahavand
Distrito Central
Características geográficas
População total (2016) 76 162 hab.

Nahavand (em persa: نهاوند; romaniz.:Nihavend), Niavande[carece de fontes?] (Nihavand), Neavande[carece de fontes?] (Nehavand), Neavende[carece de fontes?] (Neavend), Naavande[carece de fontes?] (Nahavand) e Naavende[carece de fontes?] (Nahavend) é uma cidade na província de Hamadã, no Irã. É a capital do condado de Nahavand. Segundo o censo de 2016, havia 76 162 habitantes.[1] Muito importante ao longo da história, foi sítio da afamada Batalha de Nahavand de 642, que ajudou os árabes em sua conquista do Império Sassânida. Nos tempos gregos, chamar-se-ia Laodiceia.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Nahāvand é provavelmente derivado do persa antigo Niθāvanta-, relacionado ao nome persa antigo Nisāya, derivado do prefixo ni-, que significa "para baixo" e um segundo elemento relacionado ao avéstica si ou say, que significa "para deite-se".[2]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Nahavand está situado no oeste do Irã, na parte norte da região de Zagros. Encontra-se a cerca de 90 quilômetros ao sul de Hamadã, da qual está separada pelo maciço da subfaixa Alvande. Este maciço garante a Nahavand e seu interior um suprimento abundante de água. Historicamente, estava localizada em uma rota que levava do centro do Iraque através de Quermanxá ao norte do Irã e, portanto, era frequentemente atravessada por exércitos. Outra estrada histórica, vindo de Quermanxá, leva a Ispaã no centro do Irã e evita o maciço de Alvande. Nahavand também fica no braço do rio Gamasabe, que vem do sudeste da vizinhança de Borujerde; de Nahavand o Gamasabe flui para o oeste até o Monte Beistum. Dada a localização de Nahavand, foi o local de várias batalhas e foi considerado importante na história iraniana durante as guerras do Irã com seus vizinhos ocidentais.[3][4]

História[editar | editar código-fonte]

Fecho de ouro combinando com águia no Museu Metropolitano de Arte encontrado em Nahavand, que Ernst Herzfeld] acredita pertencer originalmente à Casa de Carano.[5]
Castelo de Nahavand por Eugène Flandin (desenho do século XIX)

As escavações realizadas em 1931/2 em Tepe Guiã por Georges Contenau e Roman Ghirshman levaram à conclusão de que Nahavand e seus arredores foram habitados desde os tempos pré-históricos. Mostrou que o sítio de Tepe Guiã, que fica a cerca 10 quilômetros a sudeste de Nahavand, foi ocupada de pelo menos 5 000 a 1 000 a.C..[6] Durante o Império Aquemênida (550–330 a.C.), Nahavand estava localizado na parte mais ao sul da Média, na fértil planície de Niseu. O antigo geógrafo e historiador Estrabão escreveu que foi "(re)fundada" pelo xá Xerxes I (r. 486–465 a.C.). Ficava a cerca de 96 quilômetros de Ecbátana (atual Hamadã), na estrada principal da Babilônia através da Média para Báctria. Sob o Império Selêucida, foi transformado em uma pólis grega com magistrados e um governador. No século XX, uma estela de pedra foi encontrada perto de Nahavand. A estela continha uma cópia da inscrição do culto dinástico do basileu Antíoco III (r. 222–187 a.C.), que havia criado para sua esposa, a rainha Laódice III.[3] A estela, datada de 193 a.C., revelou o terminus ante quem da fundação da pólis Laodiceia.[7][8] De acordo com o polímata Abu Hanifa Dinavari, que floresceu no século IX, sob o Império Arsácida, Nahavand foi a sede do príncipe parta Artabano, que mais tarde reinou como Artabano I (r. 127–124/3 a.C.). Durante o Império Sassânida, o distrito foi concedido à Casa de Carano. Havia também um templo de fogo.[3]

Em 642, durante a conquista muçulmana da Pérsia, uma famosa batalha foi travada em Nahavand. Com pesadas perdas de ambos os lados, acabou resultando em uma derrota sassânida e, como tal, abriu as portas do planalto iraniano para os invasores.[9] No início do período islâmico, Nahavand floresceu como parte da província de Jibal. Primeiro funcionou como centro administrativo do distrito de Mal Baçorá ("Mídia dos Baçoranos"). Suas receitas teriam sido usadas para o pagamento das tropas de Baçorá que estavam estacionadas ali. Geógrafos medievais mencionam Nahavand como um centro comercial afluente com duas mesquitas congregacionais. Quando o viajante árabe do século X, Abu Dulafe, viajou por Nahavand, notou "ótimos restos dos [antigos] persas". Também escreveu que durante o reinado do califa Almamune (r. 813–833), uma câmara do tesouro foi encontrada, contendo dois caixões de ouro. No decorrer dos séculos subsequentes, apenas alguns eventos em Nahavand foram registrados. O vizir persa do Império Seljúcida, Nizã Almulque, foi assassinado em 1092 perto de Nahavand. Segundo o historiador e geógrafo Handalá Mustaufi, que floresceu nos séculos XIII e XIV, Nahavand era uma cidade de tamanho médio cercada por campos férteis onde se cultivavam milho, algodão e frutas. Mustaufi acrescentou que seus habitantes eram principalmente curdos do xiismo duodecimano.[3]

Em 1589, durante a Guerra Otomano-Safávida de 1578-1590, o general otomano Cigalazade Iúçufe Sinã Paxá construiu uma fortaleza em Nahavand para futuras campanhas contra o Irã safávida. Pelo Tratado de Constantinopla (1590), os safávidas foram forçados a ceder a cidade aos turcos.[10] Em 1602/3, os cidadãos de Nahavand revoltaram-se contra os ocupantes otomanos. Coincidindo com as revoltas celalis na Anatólia, os safávidas recapturaram Nahavand e expulsaram os otomanos da cidade, restaurando assim o controle iraniano.[11] O governador safávida de Hamadã, Haçane Cã Ustajelu, posteriormente destruiu o forte otomano.[12] Na esteira do colapso dos safávidas em 1722, os turcos capturaram Nahavand mais uma vez. Em 1730, foram expulsos por Nader-Coli Begue (mais tarde conhecido como Nader Xá; r. 1736–1747). A morte de Nader em 1747 levou à instabilidade. Ao longo dos próximos anos, Nahavand foi explorada por chefes locais bactiaris. Em cerca de 1752, Carim Cã Zande derrotou o chefe bactiari Ali Mardã Cã Bactiari em Nahavand.[3]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ahadian, M. Mahdi (2010). «Morphological Survey of Hamedan's Toponyms». Linguistics Society of Iran. 6 (12): 129–148 
  • Blow, David (2009). Shah Abbas: The Ruthless King Who became an Iranian Legend. Londres: I. B. Tauris. ISBN 978-1845119898 
  • Bosworth, C. Edmund (2000). «Nehāvand». Enciclopédia Irânica. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia 
  • Floor, Willem (2008). Titles and Emoluments in Safavid Iran: A Third Manual of Safavid Administration, by Mirza Naqi Nasiri. Washington: Mage Publishers. ISBN 978-1933823232 
  • Herzfeld, Ernst (1928). «The Hoard of the Kâren Pahlavs The Burlington Magazine for Connoisseurs». Journal of Near Eastern Studies. 52 (298): 21–27. JSTOR 863510 
  • Minorsky, Vladimir (1995). «Nihāwand». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P. & Lecomte, G. The Encyclopaedia of Islam, New Edition, Volume VIII: Ned–Sam. Leida: E. J. Brill. ISBN 978-90-04-09834-3 
  • Negahban, Ezat O. (2001). «Giyan Tepe». Enciclopédia Irânica, Vol. XI, Fasc. 6-7. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia 
  • Sherwin-White, Susan Mary; Wiesehöfer, Josef (2012). «Laodicea-Nihavend». In: Hornblower, Simon; Spawforth, Antony; Eidinow, Esther. The Oxford Classical Dictionary 4.ª ed. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia. ISBN 978-0-19-954556-8 
  • Webb, Peter (2018). «Nihawand, Battle of». In: Nicholson, Oliver. The Oxford Dictionary of Late Antiquity. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxõnia. ISBN 978-0-19-866277-8 
  • Wiesehöfer, Josef (2006). «Nihāwand». In: Salazar, Christine F.; Landfester, Manfred; Gentry, Francis G. Brill's New Pauly. Leida: Brill