Narrativa digital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

A narrativa digital, também conhecida por digital storytelling, define-se como sendo uma ferramenta digital que apoia os alunos na criação de trabalhos escolares (estórias). Esta ferramenta é bastante poderosa, interativa e muitas vezes presente em formato atraente e emocionalmente envolvente. Pode-se também definir como sendo um processo pelo qual diversas pessoas partilham a sua história de vida elaborada com criatividade.

Como diz Carvalho (2008): “A construção e produção de narrativas digitais constituem-se num processo de produção textual que assume o carácter contemporâneo dos recursos audiovisuais e tecnológicos capazes de modernizar 'o contar histórias', tornando-se uma ferramenta pedagógica eficiente e motivadora ao aluno, ao mesmo tempo em que agrega à prática docente o viés da inserção da realidade tão cobrada em práticas educativas.”

Segundo Paiva(2007): “com o advento das tecnologias computadorizadas novos formatos de produção de texto emergem nas práticas sociais da linguagem, dentre elas a narrativa multimodal e multimédia.”

Na conceção de Vasconcelos e Magalhães (2010):“as tecnologias permitiram que a narrativa incorporasse outros meios no entanto elas mantêm o mesmo propósito, ou seja, na sua fundamentação os elementos básicos não se alteraram (enredo, narrador, personagem, tempo e espaço) mesmo com algumas mudanças consoantes a média utilizada.”

Pontos chave[editar | editar código-fonte]

De acordo com Bernard R. Robin (2008), uma narrativa digital é constituída por sete elementos básicos:

  1. Ponto de vista – é o tópico principal e a opinião do autor em relação à narrativa;
  2. A questão dramática – é o problema inicial que cativa o público até que no fim seja resolvido;
  3. Conteúdo emocional – é a parte da estória que relaciona o autor ao público;
  4. O poder da voz – é a voz do narrador. Dá vida á história e ajuda o público a compreender a mesma;
  5. Fundo musical – é o elemento que embeleza e dá suporte à narrativa digital;
  6. Economia – é a utilização de pouca informação por cada slide para não cansar o público;
  7. Pacing (ritmo, entoação) – é o ritmo da história e a forma como esta contínua (rapidamente ou lentamente).

Elementos constituintes[editar | editar código-fonte]

Uma narrativa digital é constituída por duas ordens de elementos que se articulam de maneira harmoniosa e complementar:

  1. um conjunto de imagens fixas (fotos, grafismos) – banda visual
  2. um conjunto de sons (palavras, música, ruídos, silêncio) – banda sonora.

Tipo de documento[editar | editar código-fonte]

  • Documental, quando se pretende apresentar testemunhos do que foi visto, ouvido e sentido. É o caso das estórias de vida.
  • Sensibilização, quando se pretende despertar a sensibilidade do receptor, provocando participação e envolvimento.
  • Evocativo, quando se procura criar um clima de encanto à volta de um determinado tema.
  • Didático, quando se pretende veicular, com exactidão e clareza, um conjunto de conceitos e informações. É muito usado no ensino e na formação profissional.

Organização dos elementos sonoros[editar | editar código-fonte]

  • A música
  • O comentário (palavra dita)
  • Efeitos (ruídos e silêncios)

Organização dos elementos sonoros[editar | editar código-fonte]

Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Esta seção não ser de natureza enciclopédica.
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Favor adicionar a data dessa marcação, o que pode ser feito automaticamente substituindo essa predefinição por {{subst:não-enc}}.

O comentário[editar | editar código-fonte]

  • Suscitar a interrogação, deixando ao espectador uma margem de interpretação;
  • Completar a informação das imagens;
  • Sugerir a interpretação de uma imagem, propondo-lhe uma nova significação;

Observações[editar | editar código-fonte]

  • Só deve ser utilizado na medida em que for necessário, ou seja, num documento didático que desempenha um papel fundamental num documento de sensibilização ou evocativo deve ser breve e discreto.
  • Deve dar-se atenção à acentuação, clareza e ritmo.
  • Do comentário fazem parte a notícia, a entrevista, a reportagem e o testemunho.

Deve evitar-se[editar | editar código-fonte]

  • As frases feitas e os lugares comuns;
  • A repetição de palavras e o pleonasmo;
  • As frases complicadas e longas;
  • O tom sentencioso e magistral;
  • As segundas intenções e os subentendidos;
  • A descrição servil da imagem;
  • As palavras de difícil dicção e compreensão.

Música[editar | editar código-fonte]

  • Quando limitada a um simples elemento de fundo, insípido e linear esquece a sua função estética e emocional;
  • A música pode ser entendida como um segundo comentário, paralelo às imagens, que permite completar e aprofundar o seu conteúdo e reforçar e ampliar a sua significação;
  • Quando mal selecionada pode imprimir um tom de mediocridade ao documento.

Deve evitar-se[editar | editar código-fonte]

  • Uma grande variedade de temas musicais, tipo manta de retalhos;
  • O uso de temas de filmes ou genéricos de programas de televisão ou rádio;
  • Música clássica muito conhecida e vulgarizada, pois pode provocar dispersão;
  • Transições bruscas, salvo se essa for a intenção;
  • O corte brusco do elemento musical na introdução e conclusão do documento.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Berger, A. A. (1997). Narratives in popular culture, media and everyday life., California: Sage Publications.
  • Mendes, T. et al (2007). Narrativas Digitais: textos e contextos para a sua utilização em educação. In P. Dias & C. V. Freitas (orgs.). Actas da Conferência Challenges 2005, pp. 771-776.
  • Ferreira, Paulo T. (1979). Diaporama – Desafio à criatividade. Lisboa: Platáno Editora.
  • Paiva, V. (2007). Narrativas Multimídia de Aprendizagem de Língua Inglesa: Um Gênero Emergente. Anais do 4º Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais,Tubarão: UNISUL.
  • Robin, Bernard R. (2008). Digital Storytelling: A Powerful Technology Tool for the 21st Century Classroom. Theory Into Practice, 47(3), pp. 220-228
  • Vasconcelos, D. C. e Magalhães, H.(2010). As Narrativas Multimediáticas das Charges Animadas. Cultura Mediática: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. Ano III, n°1.