Nuvem molecular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Uma nuvem molecular de gás e poeira

Uma nuvem molecular é um tipo de nuvem interestelar cuja densidade e tamanho permitem a formação de moléculas, mais habitualmente hidrogênio molecular (H2). Isto entra em contraste com outras áreas do meio interestelar, que contêm predominantemente gás ionizado.

A molécula de Hidrogênio é de difícil detecção por observações no infravermelho e em frequências de rádio. Portanto, a molécula frequentemente utilizada para rastrear H2 é o monóxido de carbono (CO). Acredita-se que a razão entre a luminosidade de CO e a massa de H2 é constante, apesar de haver razões para duvidar desta afirmação devido a observações feitas em outras galáxias.[1] Acredita-se que a nuvem molecular formou os planetas na órbita do Sol.

Dentro de nuvens moleculares existem regiões de maior densidade. Tais regiões são os precursores da formação estelar, contanto que a gravidade possa superar a alta densidade e forçar a poeira e o gás a colapsar.[2]

As estrelas são, portanto, formadas a partir da condensação de nuvens moleculares. Uma vez formada uma estrutura central mais densa, esta atinge o equilíbrio hidrostático, enquanto as camadas mais externas continuam a cair. Parte da energia cinética deste gás é emitida na forma de radiação. Esta estrutura formada é uma protoestrela, visto que a temperatura em seu centro ainda não é alta o suficiente para a iniciar a fusão nuclear do Hidrogênio.[3]

Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Craig Kulesa. «Overview: Molecular Astrophysics and Star Formation». Research Projects. Consultado em 1 de novembro 2018 
  2. Astronomy (PDF). [S.l.]: Rice University. 2016. 761 páginas. ISBN 978-1938168284 – via Open Stax 
  3. Maciel, Walter J. (setembro de 2012). «A MEDIDA DO UNIVERSO» (PDF). IAG/USP. Consultado em 1 de outubro de 2018