O Inverno do Nosso Descontentamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Winter of Our Discontent
O Inverno do Nosso Descontentamento (PT)
O inverno da nossa desesperança (BR)
Autor(es) John Steinbeck
Idioma Inglês
País Estados Unidos Estados Unidos da América
Gênero Romance
Linha temporal Segunda metade do século XX
Localização espacial Califórnia, EUA
Editora The Viking Press
Formato Capa dura e Paperback
Lançamento 1961
Páginas 311
Edição portuguesa
Tradução João Belchior Viegas
Editora Círculo de Leitores
Lançamento 1962
ISBN ISBN 972-42-0638-6
Edição brasileira
Tradução Brenno Silveira
Editora Record
Lançamento 1985
Cronologia
Once there was a war
Travels With Charley: In Search of America

The Winter of Our Discontent (O inverno da nossa desesperança BRA ou O Inverno do Nosso Descontentamento PRT) é o último romance de John Steinbeck, tendo sido publicado em 1961. O título é uma referência às duas primeiras estrofes de Richard III de William Shakespeare: "agora é o inverno do nosso descontentamento / tornado em glorioso verão por este sol [ou filho] de York".

Resumo do Enredo[editar | editar código-fonte]

A história diz respeito principalmente a Ethan A. Hawley, um antigo membro da classe aristocrática de Long Island. O pai de Ethan já falecido havia perdido a fortuna da família e, em consequência, Ethan trabalha agora como empregado de balcão numa loja. A sua esposa Mary e os filhos ressentem-se do seu estatuto social e económico medíocre e não valorizam a honestidade e integridade que Ethan se esforça por manter numa sociedade corrupta. Estes fatores pressionantes externos, bem como a sua própria turbulência psicológica, levam a que Ethan negligencie os seus padrões normais de integridade a fim de recuperar o estatuto social e a riqueza de que usufruiu em tempos.

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  • Ethan Allen Hawley – um empregado de balcão numa loja (protagonista da história)
  • Mary Hawley – a esposa de Ethan
  • Allen and Ellen Hawley – os seus filhos adolescentes
  • Danny Taylor – amigo de infância de Ethan e o bêbado da cidade
  • Joey Morphy – tesoureiro de banco e playboy da cidade
  • Margie Young-Hunt – sedutora de meia-idade e amiga de Mary
  • Mr. Baker – gerente bancário
  • Alfio Marullo – imigrante italiano proprietário da mercearia

Significado literário e crítica[editar | editar código-fonte]

No Atlantic Monthly, Edward Weeks analisou imediatamente O Inverno do Nosso Descontentamento que considerou como um clássico de Steinbeck: "O seu diálogo está cheio de vida, o enredo sobre Ethan é engenhoso e a moralidade neste romance marca o regresso de Mr. Steinbeck à disposição e preocupação com que escreveu As Vinhas da Ira[1] A Academia Sueca concordou e em 1962 concedeu a Steinbeck o Prémio Nobel da Literatura. O discurso de apresentação pelo Secretário Anders Österling assinalou concretamente cinco livros publicados de 1935 a 1939 e continuou assim:[2]

Nesta breve apresentação, não é possível tratar, seja em que medida for, trabalhos individuais que Steinbeck produziu mais tarde. Se às vezes os críticos pareciam notar certos sinais de quebra de poder, de repetições que podiam apontar para uma diminuição da vitalidade, Steinbeck desmentiu os seus medos muito enfaticamente com o Inverno do Nosso Descontentamento (1961), um romance publicado no ano passado. Nele atingiu o mesmo padrão que estabeleceu em As Vinhas da Ira. Novamente mantém a sua posição como mostruário independente da verdade com um instinto imparcial pelo que é genuinamente americano, seja isso bom ou mau.

Alguns comentadores contudo ficaram desapontados. Alguns anos mais tarde Peter Lisca considerou Inverno "a prova inegável do falhanço estético e filosófico da ficção tardia do escritor".[3]

Em várias cartas para amigos antes e após a sua publicação, Steinbeck declarou que escreveu o romance para abordar a degeneração moral da cultura americana nas décadas de 1950 e 1960. A crítica americana do seu moralismo começou a mudar na década de 1970, após o escândalo Watergate; eis como Reloy Garcia descreve a sua reavaliação da obra quando solicitado a actualizar o seu Guia de Estudo original sobre Inverno: "O livro que tão impetuosamente critiquei então como de certo modo limitado, agora parece-me um estudo profundamente penetrante da situação na América. Eu não sabia, na época, que vivíamos nesse contexto,"e atribui essa mudança de espírito à "nossa própria experiência enriquecida".[4]

Em 1983, Carol Ann Kasparek criticou o personagem Ethan pela sua inverosimilhança e ainda o tratamento por Steinbeck da decadência moral americana como superficial, embora aprovasse os elementos míticos da história.[5]

Numa conferência a celebrar o centenário do nascimento de Steinbeck, Stephen K. George declarou: "Com estes autores [Bellow, Weeks e Gannett] considero que, dada a sua complexidade a vários níveis, o enredo artístico e a clara finalidade moral, O Inverno do Nosso Descontentamento encontra-se no escalão superior da ficção de Steinbeck, ao lado de Ratos e Homens, Cannery Row, A Leste do Paraíso, e, claro, As Vinhas da Ira.[6]

Este romance foi o último que Steinbeck concluiu antes da sua morte em 1968; The Acts of King Arthur and His Noble Knights e o guião de Zapata foram ambos publicados postumamente ainda inacabados.

Adaptação a filme[editar | editar código-fonte]

Com base no romance foi produzido um filme para televisão pela Hallmark Hall of Fame em 1983 tendo nos principais papeis Donald Sutherland, Teri Garr, e Tuesday Weld.[7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Weeks, Edward (Julho de 1961). «Review: The Winter of Our Discontent, by John Steinbeck». Atlantic Monthly 
  2. «The Nobel Prize in Literature 1962: Presentation Speech by Anders Österling, Permanent Secretary of the Swedish Academy». NobelPrize.org 
  3. Lisca, Peter (1965). Steinbeck’s Image of Man and His Decline as a Writer. [S.l.]: Modern Fiction Studies 11. p. 10 
  4. Garcia, Reloy (1979). A Study Guide to Steinbeck (Part II). [S.l.]: Metuchen: Scarecrow. p. 4 
  5. Kasparek, Carol Ann (1983). Ethan’s Quest Within: A Mythic Interpretation of John Steinbeck’s The Winter of Our Discontent. [S.l.]: Ball State University. p. 31 
  6. George, Stephen K (Março de 2002). «The Contemporary Nature of Steinbeck's Winter» (PDF). BYU Idaho 
  7. http://www.imdb.com/title/tt0086592/?ref_=fn_tt_tt_2

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]