Obergefell v. Hodges

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa Branca iluminada com as cores da bandeira arco-íris no dia da decisão da Suprema Corte

Obergefell v. Hodges foi um caso marcante na Suprema Corte dos Estados Unidos no qual o tribunal declarou que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não pode ser proibido por um estado, e, portanto, ordenou que casamentos deste tipo sejam reconhecidos como válidos e obrigados a se fazer acontecer em todos os estados e áreas sujeitas à jurisdição da Constituição dos Estados Unidos.

Decidido em 26 de junho de 2015, o caso foi a consolidação de outros três casos de casamento do mesmo sexo, Tanco v. Haslam (Tennessee), DeBoer v. Snyder (Michigan), Bourke v. Beshear (Kentucky), desafiando as leis estaduais que proibiam o casamento do mesmo sexo. O tribunal identifica os casos consolidados Obergefell v. Hodges, e ouviu os argumentos orais em 28 de abril de 2015. A ação foi previamente intitulada Obergefell v. Wymyslo, depois Obergefell v. Himes.[1][2]

Referências

  1. Liptak, Adam. «Same-Sex Marriage Is a Right, Supreme Court Rules, 5-4». New York Times. Consultado em 26 de junho de 2015 
  2. «Obergefell et al. v. Hodges, Director, Ohio, Department of Health, et al.» (PDF). supremecourt.gov. Consultado em 26 de junho 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre direito é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.