Ogue

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A cama de Ogue (gravura de cerca de 1770, por Johann Balthasar Probst)

De acordo com vários livros do Antigo Testamento, Ogue ("gigantesco", em hebraico: עוג, cog ˈʕoːɡ; em árabe: عوج, cogh [ʕoːɣ]) foi um antigo rei amorita de Basã, que, juntamente com seu exército, foi morto por Moisés e seus homens na batalha de Edrei (provavelmente moderna Daraa, Síria). A cronologia interna da história deuteronomista e a Torá sugerem que a ruina de Ogue e a conquista de Canaã por Israel ocorreu em torno de c. 1500-1200 aC.

Ogue, o gigante dos amoritas, também é considerado uma lenda popular, em torno do qual se reuniram muitas lendas judaicas: de acordo com algumas tradições, ele viveu até os 3.000 anos de idade e agarrou-se a arca de Noé durante o Dilúvio. Na ciência islâmica ele é referido como 'Uj ibn Anaq (‘Ûj ibn ‘Anâq عوج بن عنق), evidentemente, um dos gigantes mencionados no Alcorão (jababirat ou jabbirun).

Ogue é mencionado no judaísmo como sendo um vivente do tempo de Noé até o momento da sua morte na batalha com os judeus. Também está escrito no Midrash que ele tinha um compartimento especial na Arca de Noé só para ele. Aggadah sugere uma outra alternativa, a de que ele se sentou em cima do topo da arca, superando a enchente durante a duração da tempestade a partir desta localização.