Orquestra Típica Scalabitana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

É uma orquestra constituída por cerca de 50 elementos, com reportório inspirado no folclore e música Portugueses e apresenta-se com os trajes característicos do Ribatejo. Os instrumentos que compõem os seus naipes são: Bandolins; Flautas transversais; Clarinetes; Flautim; Violas; Violas Baixo; Acordeão e Baterias. O Coro da Orquestra, constituído em 1979, apresenta vozes masculinas ( Tenores e Baixos ) e femininas ( Sopranos e Contraltos ).

História[editar | editar código-fonte]

A Orquestra Típica Scalabitana nasceu em Março de 1946, constituída por cerca de vinte músicos amadores.

António Gavino foi o seu primeiro director musical, e transmitiu à orquestra toda a sua personalidade, até ao ano de 1952, e ajudou-a a alcançar grandes sucessos no mundo da música.

Durante as suas seis décadas de actividade a Orquestra Típica Scalabitana foi dirigida pelos seguintes maestros:

  • António Gavino (de 1946 a 1952)
  • Casimiro Silva (de 1953 a 1957 / de 1967 a 1974)
  • Joaquim Luís Gomes (de 1958 a 1965)
  • David Costa e Silva (1966)
  • Victor Bonjour (1975)
  • António Gavino (de 1976 a 1997)
  • Jorge Costa Pinto (desde 1998 a 2009)
  • João Manuel Pinote (desde 2009 até à actualidade)

A Orquestra Típica participou ainda em diversos filmes e documentários, com especial relevo para "Sinfonia Ribatejana" e "Usos e Costumes dos Povos" (1952) e alcança o 1º Prémio dos "Ídolos do Espectáculo" (1957), no espectáculo do Coliseu dos Recreios, ao vivo e em directo para a R.T.P.

Realizou espectáculos em quase todo o território nacional (Continente e Madeira) e em Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Luxemburgo e Macau, em diversos festivais.

Começou a gravar discos em 1964, com o álbum "Ribatejo", em que a Orquestra foi dirigida por Joaquim Luís Gomes, e que foi um grande êxito em vendas e nas rádios, nomeadamente na Emissora Nacional e na Rádio Renascença.

O mesmo aconteceu em 1973, com o álbum "Vara Larga", editado pela "Orfeu" da Arnaldo Trindade e Companhia, recentemente editado em CD pela Companhia Nacional de Música, em 15 de Maio de 2005.

Seguiram-se os discos "Do Lado de Cá do Tejo" de 1982, para a "Decca", etiqueta "Valentim de Carvalho", "Borda d'Água" de 1988, e outros mais, onde a Orquestra Típica Scalabitana deixou registada grande parte do seu reportório para a posterioridade.

Em Março de 1996, a Câmara Municipal de Santarém atribuiu a Medalha de Ouro da Cidade, por ocasião do 50º Aniversário da Orquestra.

Ainda hoje, esta Orquestra mantém-se em constante actividade, com o auxílio e o patrocínio totais da Câmara de Santarém. Recentemente, foi anunciado a edição de um novo CD, que reúne em compilação algumas das gravações mais importantes da Orquestra, numa espécie de antologia histórica da Orquestra Típica Scalabitana.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • "Ribatejo" - Joaquim Luís Gomes (1964) (Alvorada)

1 - Víndimas 2 - Zé dos Figos 3 - Pampilho ao Alto 4 - Trovas da nossa Terra 5 - Círio da Atalaia 6 - Lezíria 7 - Ronda Ribatejana 8 - Manel da Eira 9 - Fandango 10 - Montanheira 11 - Desgarrada do Vale de Santarém

  • "Vara Larga" - Casimiro Silva (1973) (Orfeu)

1 - Ribatejo 2 - Salgueiros do Tejo 3 - Faisão 4 - Não Saltes o Muro 5 - Talvez 6 - Quem Canta Seu Mal Espanta 7 - Vara Larga 8 - Chula 9 - Menina Cata-vento 10 - Não me Lembres Esta Moda 11 - Romarias

  • "Do lado de cá do Tejo" - António Gavino (1982) (Decca)

1 - Do Lado de Cá do Tejo 2 - Será Não Será, Sabes Lá 3 - Olha o Velho; Que bem que lhe vai; Marcha Ribatejana; Canção das Ceifeiras; Rio Abaixo; Amor às avessas; Sabes Amigo; O Combóio da Beira Baixa; Eu fico sempre no cais; Fandango da Golegã

  • "Borda D'Água" - António Gavino (1988)

Borda d'Água; Meia noite o sol é posto; Carreirinhas; Declaro-me livre; Vira dos Malmequeres; Parabéns Cidade; Moda a dois passos; Dia de S. Martinho; Vira da Rapioca; Espalho o meu coração por essas ruas; Abegão de folga; Ribatejano

  • "Quando havia milho rei" - António Gavino (1991)

Quando havia Milho Rei; Galopa Galopa; Barcaça Perdida; Canto Ribatejano; Vira Picado; Amor Tresmalhado; Lezíria Verde; Meditei; Santarém do Ribatejo; Canto da Lezíria e do Bairro; Vira da Tapada; Eu te canto Ribatejo

  • "45 anos depois..." - António Gavino (1991)

Baile da Adiafa; Seca-Adegas; Vira de seis; O Ribatejo é Solteiro; Conversa Fiada; Forcados de Santarém; Derriço de Campino; Pisa com jeito; Éh Nazaré; Eu pedi-te um beijo; Melancolia; Os três Santos Populares

  • "Marcha Ribatejana" - António Gavino (1994)

Marcha Ribatejana; Beijei Olais em Flor; Nascer aqui; Concertinas no Adro; Dizem p'raí; Padeirinha; Dança na Eira; Casamento na Aldeia; Arriba Tejo; Dias das Bateiras; Meu sal, Meu sol; Os Olhos da Marianita

  • "Fandangando" - Jorge Costa Pinto (2001)

Esboço de Faena; Fadangando; Senhora do Livramento; Vira Ribatejano; Roseira Brava; Alecrim; Levei o Fado à Feira; Chaminés Algarvias; Recordações; Vira do Minho; Seca-Adegas; Pampilho ao Alto; O Trevo; Toño; Marcha Ribatejana;

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

http://www.circuloculturalscalabitano.pt/ots.html http://www.facebook.com/pages/OTS-Orquestra-Tipica-Scalabitana/152574368090995