Os fins justificam os meios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O fim justifica os meios ou os fins justificam os meios é uma frase falsamente atribuída a Maquiavel. Significa que os governantes devem estar acima da ética dominante para manter ou aumentar seu poder. Popularmente, a frase é também usada como justificativa do emprego de expedientes desonestos ou violentos para a obtenção de determinado fim, supostamente legítimo.

Em sua principal obra, "O Príncipe", Nicolau Maquiavel cria um verdadeiro "Manual de Política", sendo interpretado de várias formas, principalmente de maneira injusta e pejorativa. O autor e sua obra passaram a ser vistos como perniciosos, sendo então forjada a expressão "os fins justificam os meios", que não é encontrada em sua obra. Esta expressão significa que não importa qual foi o caminho tomado, desde que o resultado seja bom. Embora a expressão não seja encontrada no texto original, tornou-se uma interpretação popular do pensamento maquiavélico. De fato, Maquiavel nunca disse que os fins justificam os meios. O que ele afirma, em O príncipe, é que devemos agir segundo a moral sempre que possível, infringindo-a somente quando for isso necessário. A regra, portanto, é o bem. [1]

A afirmação seria também oposta à doutrina cristã, que diz exatamente o contrário: "Não se pode justificar uma ação má com boa intenção. O fim não justifica os meios.[2]


Referências

  1. Os fins justificam os meios. Por Renato Janine Ribeiro (adaptação de Caroline Svitras). Filosofia, Ciência & Vida, 15 de março de 2017.
  2. Catecismo da Igreja Católica, §1759