Osso de Lebombo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Osso de Lebombo

O osso de Lebombo, descoberto nos Montes Libombos, na Suazilândia,[1] e datado de aproximadamente 35000 anos A.C. Tal osso consiste em 29 entalhes feitos em uma fíbula (ou perônio) de um babuíno. Este artefato recorda os bastões-calendário ainda usados por alguns clãs de bosquímanos da Namíbia[carece de fontes?]. É o mais antigo artefato matemático.[2][3]

O arqueólogo Peter Beaumont, responsável pelo extenso trabalho na área, observou que os 7,7 centímetros de osso longo assemelham-se a varas do calendário ainda em uso hoje por clãs bosquímanos na Namíbia. Os antigos Bosquímanos usavam para calcular números e medir a passagem do tempo. Acredita-se que haja uma íntima ligação entre o osso e a medição do ciclo menstruação das mulheres, já que este media os ciclos lunares.

Outros artefatos[editar | editar código-fonte]

Registraram-se outras descobertas de ferramentas de contagem (paus ou ossos com vários cortes), encontrados ao longo de todo o mundo. O osso de Ishango, um fíbula de babuíno de 18.000 anos, foi encontrado no até então conhecido Congo Belga. Uma tíbia de lobo de 32 000 anos que conta com 57 traços, agrupados em 5 grupos, foi encontrada na Checoslováquia em 1937.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Matemática na África». Universidade de Coimbra. Consultado em 8 de Junho de 2016 
  2. «Lebombo Bone» (em inglês). Wolfram MathWorld. Consultado em 8 de Junho de 2016 
  3. «Ancient African Mathematics» (em inglês). TaNeter Foundation. Consultado em 8 de Junho de 2016