Papa-amoras-comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPapa-amoras-comum
Flickr - Rainbirder - Common Whitethroat (Sylvia communis).jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Sylviidae
Género: Curruca
Espécie: C. communis
Nome binomial
Curruca communis
Latham, 1787

O papa-amoras-comum[1] [2](Curruca communis), também chamado regionalmente papuxa, é uma ave da família Sylviidae. É parecida com a toutinegra-tomilheira, distinguindo-se desta espécie pelo seu maior tamanho.[3]

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Dá ainda pelos seguintes nomes comuns: papa-amoras[1], amoreira[4], charrasca[5][6], pica-amoras[7], tarréu[8], toutinegra-comum[9].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Os substantivos papa-amoras, pica-amoras e amoreira são alusivos à alimentação desta ave que, especialmente no Verão, se alimenta de bagas e frutos silvestres, por antonomásia a amora.[4][2]

O nome toutinegra[9], aglutinação das palavras touta (cabeça)[10] e negra, poderão ser uma alusão à cabeça acinzentada dos machos.

Nomes científicos[editar | editar código-fonte]

Além do nome científico Currucacomunis também dá pelos nomes cientificos Sylvia cinerea[11] e Curruca communis[12]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O pica-amoras é uma ave de pequeno porte (passeriforme), o espécime adulto médio apresenta cerca de 14 centímetros de comprimento e 22 centímetros de envergadura. É uma ave dentirrostra (de bico dentado).[13]

Embora haja alguns sinais de dimorfismo sexual a plumagem em ambos os sexos assume, em geral, uma coloração castanha discreta. Aquilo que mais caracteriza os machos é a tonalidade acinzentada na cabeça, até aos olhos, a garganta branca, bem como o peito e as penas que dão para as penas, que assumem uma coloração esbranquiçada.[14] As penas do dorso, nos machos, também podem assumir uma coloração castanha-parda, incluindo as das asas. [15]

Por seu turno as fêmeas costumam ter uma cabeça mais uniformemente castanha, por vezes castanha-parda e a plumagem do peito pode exibir tons mais avermelhados ou pardos do que a dos machos.[16][13]

Distribução[editar | editar código-fonte]

O papa-amoras frequenta uma área de nidificação ampla, que se estende a quase a toda a Europa, exceptuando-se o Norte e as montanhas escandinavas.[15] Distribui-se também pela Ásia Ocidental até ao rio Ienissei, com alguns povoamentos na Barbária, Israel, montanhas do Irão e Turquistão. Inverna na África tropical, onde se localiza durante o grosso dos mês de Setembro e a primeira quinzena de Outubro.[17][14]

Em Portugal distribui-se pelas terras altas do norte e do centro do território.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Papa-amoras fêmea com os pitos no ninho
Cuculus canorus canorus em um ninho de Sylvia communis - MHNT

Frequenta zonas de matos sem árvores ou com árvores dispersas, com arbustos rasteiros. Gosta de se movimentar entre pequenos matorrais de escalheiros, silvas, sarças, giestas, zimbros, urzes ou mesmo em sebes-vivas, entre outros espaços quejandos, que lhe permitam ocultar-se entre a folhagem, tranquilamente. [18][14]

Pode encontrar-se tanto nas cercanias de arbustos e matagais, como em courelas, pradarias ou matas. Evitando, por conseguinte, os espaços ocupados pela habitação humana, receando a actividade urbana, sendo certo que, ocasionalmente, pode ser possivel encontrá-los transitoriamente, em áreas suburbanas.[15]

Dieta[editar | editar código-fonte]

São aves principalmente insectívoras, alimentando-se de pulgões, lagartas, borboletas, formigas, abelhas, mosquitos, moscas, entre outros. Não obstante, também se podem nutrir de cereais, amoras (daí alguns dos seus nomes populares), ou mesmo dos frutos dos escalheiros e das abrunheiras, o que acontece mais no Verão.[14]

Referências

  1. a b S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de papa-amoras no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  2. a b Infopédia. «papa-amoras | Definição ou significado de papa-amoras no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  3. Shirihai, Hadoram; Gargallo, Gabriel; Helbig, Andreas J. (2001). Sylvia Warblers: Identification, Taxonomy and Phylogeny of the Genus Sylvia. London: Christopher Helm. ISBN 978-071363984-1 
  4. a b Infopédia. «amoreira | Definição ou significado de amoreira no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  5. S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de charrasca no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  6. Infopédia. «charrasca | Definição ou significado de charrasca no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  7. Infopédia. «pica-amoras | Definição ou significado de pica-amoras no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  8. Infopédia. «tarréu | Definição ou significado de tarréu no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  9. a b Infopédia. «toutinegra | Definição ou significado de toutinegra no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  10. S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de touta no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  11. Keulemans, J.G.}} (1869) - Onze vogels in huis en tuin (Dutch: our birds in home and garden), vol. 1. De Grasmusch (on Dutch Wikisource).
  12. Jobling, James A (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. pp. 115, 376. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  13. a b Dietzen, Christian, Eduardo Garcia-del-Ray, Guillermo D. Castro, and Michael Wink. "Phylogenetic Differentiation of Sylvia Species (Aves: Passeriformes) of the Atlantic Islands (Macaronesia) Based on Mitochondrial DNA Sequence Data and Morphometrics." Biological Journal of the Linnean Society 95 (2008): 161–62. Birding Macronesia. Macaronesian Institute of Field Ornithology, 2011. Web. 19 July 2014. <http://birdingmacaronesia.com/mifo/pdfs/CO%20Garcia-del-Rey%20et%20al%20(2008)%20(BJLS)%20SYLVIA.pdf Arquivado em 2014-07-28 no Wayback Machine.>
  14. a b c d Herremans, M. «Sylvidae: warblers, apalises, crombecs, eremomelas, cisticolas and prinias» (PDF). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  15. a b c «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 18 de julho de 2015. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  16. Helbig, A. J. (2001): Phylogeny and biogeography of the genus Sylvia. In: Shirihai, Hadoram: Sylvia warblers: 24–25 Princeton University Press, Princeton, N.J. ISBN 0-691-08833-0
  17. Jønsson, Knud A. & Fjeldså, Jon (2006): A phylogenetic supertree of oscine passerine birds (Aves: Passeri). Zool. Scripta 35(2): 149–186. doi:10.1111/j.1463-6409.2006.00221.x (HTML abstract)
  18. Remisiewicz, M.; Bernitz, Z.; Bernitz, H.; Burman, M.S.; Raijmakers, J.M.H.; Raijmakers, H.F.A.; Underhill, L.G.; Rostkowska, A.; Barshep, Y.; Soloviev, S.; Siwek, I. (2019). «Contrasting strategies for wing‐moult and pre‐migratory fuelling in western and eastern populations of Common Whitethroat Sylvia communis». Ibis - international journal of avian science. 161 (4): 824–838. doi:10.1111/ibi.12686 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]