Partícula virtual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Movimento de partículas virtuais no "diagrama disperso de Feynman"

Na física, uma partícula virtual é uma partícula que existe em um limitado tempo e espaço, sendo que os valores da sua energia e de movimento não podem ser definidos com precisão. (isso por que a energia e movimento na mecânica quântica são operações derivadas do espaço e do tempo, o que faz com que suas transformações com o distanciamento são inversamente proporcionais à duração de tempo e seu distanciamento relativo).[1][2][3]Robert Gilmore Michel Paty Oleg Boyarkin

As partículas virtuais apresentam alguns fenômenos das partículas reais, como a obediência à lei da conservação de massa. Quando uma única partícula é detectada, as consequências para a sua existência são prolongadas até um ponto em que elas não se tornem mais virtuais, transformando-se em reais. As partículas virtuais são vistas como quantas, que criam campos de força de básicas interações, que não podem ser descritas ao nível de partículas reais. Um exemplo disso é o campo de forças estáticas, como simples campos eletromagnéticos, ou qualquer campo existente sem a extração, que resulta no carregamento de informações de local para local.Ted Jaeckel Yorikiyo Nagashima Gian Francesco Giudice

Como sempre, ainda não se possui um completo vocabulário para descrever as partículas virtuais; porque as partículas virtuais não existem sem uma "percepção", mas sim, como teoria. A comunidade científica não dispõem de provas concretas da sua existência, no entanto é só com a sua hipotética existência que se consegue descrever certos acontecimentos na física. Brigitte Falkenburg Peter Watkins

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Robert Gilmore, O Mágico dos Quarks; Zahar, 2002, ISBN 8-571-10631-2
  2. Michel Paty, Matéria Roubada Vol. 08; EdUSP, ISBN 8-531-40131-3
  3. Oleg Boyarkin, Advanced Particle Physics: Particles, Fields, and Quantum Electrodynamics, Volume 1; CRC Press, 2011, ISBN 1-439-80414-1 (em inglês)
  4. Ted Jaeckel, The God Particle: The Discovery and Modeling of the Ultimate Prime Particle; Universal-Publishers, 2007, ISBN 1-581-12959-9 (em inglês)
  5. Yorikiyo Nagashima, Elementary Particle Physics: Quantum Field Theory and Particles, Volume 1; John Wiley & Sons, 2011, ISBN 3-527-64396-6 (em inglês)
  6. Gian Francesco Giudice, A Zeptospace Odyssey: A Journey into the Physics of the LHC; Oxford University Press, 2009, ISBN 0-191-58044-9 (em inglês)
  7. Brigitte Falkenburg, Particle Metaphysics: A Critical Account of Subatomic Reality; Springer Science & Business Media, 2007, ISBN 3-540-33732-6 (em inglês)
  8. Peter Watkins, Story of the W and Z; CUP Archive, 1986, ISBN 0-521-31875-0 (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Partícula virtual
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Partícula virtual
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Física.


Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.