Pascoal Segreto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Paschoal Segreto)
Ir para: navegação, pesquisa
Paschoal Segreto

Pascoal Segreto[nota 1] (San Martin di Cileno - Salerno, 22 de março de 1868 - Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 1920) foi um empresário ítalo-brasileiro e pioneiro do cinema no Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na província italiana de Salerno, Paschoal aos 15 anos decidiu imigrar para o Brasil, junto ao irmão Gaetano, embarcando no vapor Savoie para o Rio de Janeiro, onde encontrou uma cidade em que o setor de diversões era fraco.[1]

Começou como vendedor de jornais e, tanto ele como o irmão chegaram a ser presos várias vezes: 13 o Paschoal e 9 o Gaetano, acusados de pequenos delitos mas,[1] em 1907, quando sofre acusações pela imprensa, exibe uma ficha limpa na justiça.[2] Mais tarde torna-se dono do jornal Il Bersaglieri e de teatros.[1]

Unindo-se ao bicheiro José Roberto Cunha Sales, registravam invenções de outros países como deles, e exploravam várias diversões que eram novidades na Europa. Foi assim que apenas sete meses após os irmãos Lumière estrearem o cinema em Paris os dois trouxeram a novidade ao país, com uma exibição ocorrida em 8 de julho de 1896.[1]

Em 1897 inaugura a primeira sala cinematográfica do Brasil, o Salão Novidades de Paris[1] e em 1898 lança a revista Animatographo, considerada a primeira revista especializada em cinema do Brasil[3][4].

Em 1919, no centenário de Niterói, a Fon-Fon publica a foto de um carrossel da Empreza Paschoal Segreto, então uma novidade.

Paschoal investiu no Teatro de Revista, sendo chamado por Procópio Ferreira de "papa do teatro brasileiro". Do início envolvendo-se com a contravenção, logo torna-se figura influente, frequentando figuras como Hermes da Fonseca e aparecendo com frequência na revista Fon-Fon[1]

Além do Salão de Novidades, tinha no Rio o Parque Fluminense, a Maison Moderne e o Moulin Rouge, que reformara em 1904; era ainda arrendatário dos teatros Carlos Gomes, São José e São Pedro. Noutras cidades controlou também várias casas de espetáculos e jogos, como o Politeama e Eldorado, em São Paulo; o Varietés, em Santos; o também chamado Salão das Novidades, em Campos ou um salão para jogo de pelota basca, em Niterói, entre outros.[2]

Morador do bairro de Santa Teresa, vivia maritalmente com Carmela, com quem não teve filhos, criando os sobrinhos, filhos de Gaetano e órfãos do pai desde 1908. Em seu apartamento veio a falecer, com agravamento da gangrena em decorrência do diabetes. Encontra-se sepultado no Cemitério São João Batista.[1]

Notas

  1. Trata-se, na verdade, de aportuguesamento de Pasquale; a grafia antiga, ao invés da atualizada forma Pascoal, é ainda usada em trabalhos, como o citado mais adiante de William Martins

Referências

  1. a b c d e f g William Martins (2004). «O ministro das Diversões». São Paulo: ed. Vera Cruz. revista Nossa História. Ano 2 (13): 80-83. ISSN 1679-7221 
  2. a b José Inácio de Melo Souza (2003). Imagens do passado: São Paulo e Rio de Janeiro nos primórdios do cinema. [S.l.]: Editora Senac. pp. 119–122. ISBN 8573593733, 9788573593730 
  3. Filme e Cultura.org:Pequena história dos periódicos de cinema no Brasil
  4. Werneck, Alexandra; et al. (2011). «A imigração italiana no Brasil: fontes textuais no Arquivo Nacional». Recine: revista do Festival Internacional de Cinema de Arquivo. 8 (8): 36-49 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.