Passivismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Em filosofia da mente, passivismo é a teoria segundo a qual a cognição é fruto de processos mentais involuntários, espontâneos ou inconscientes. De acordo com o passivismo, o pensamento é um tipo de "atividade" mental apenas no sentido em que falamos de atividade vulcânica, sem admitir que pensamentos pressuponham ações do sujeito. Pensamentos são acontecimentos espontâneos, para o passivismo. Eles acontecem sem a interferência do sujeito, tal como os instintos.

Racionalidade[editar | editar código-fonte]

De acordo com o passivismo, nos nossos raciocínios e inferências somos completamente passivos. Tudo se passa segundo a causalidade natural da razão, sem que o sujeito aja em momento algum. A racionalidade não é um tipo de atividade, e nossas crenças e opiniões não são formadas por nossas ações. Um ser racional não precisa ser um agente.

Intelectualismo e voluntarismo[editar | editar código-fonte]

O passivismo é antivoluntarista, pois defende que não formamos crenças de acordo com nossa vontade. Mas não é facilmente enquadrado como intelectualista, visto que defende a tese da formação espontânea, isto é, involuntária e inconsciente das nossas crenças.

Liberdade[editar | editar código-fonte]

O passivismo é compatível com uma concepção de liberdade ao estilo de Spinoza e Kant, segundo a qual ser livre é ser necessitado racionalmente.

Defensores[editar | editar código-fonte]

O filósofo Galen Strawson se encontra entre os defensores do passivismo.

Bibliografia passivista[editar | editar código-fonte]

  1. Benjamin Libet, Anthony Freeman e Keith Sutherland (editores). The Volitional Brain: Towards a Neuroscience of Free Will. Imprint Academic, 2000.
  2. Tor Norretranders. The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size. Penguin, 1999.
  3. Galen Strawson. "Mental ballistics or the involuntariness of spontaneity." Proceedings of the Aristotelian Society, volume 103, número 3, páginas 227-256, abril de 2003.
  4. Daniel M. Wegner. The Illusion of Conscious Will. The MIT Press, 2003.