Pedro de Apameia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pedro
Nascimento Antes de 510
Síria Secunda
Morte Após 536
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Bispo
Religião Cristianismo monofisista

Pedro (em latim: Petrus) foi um bispo de Apameia, na Síria Secunda, ca. 510 sob o imperador Anastácio I Dicoro (r. 491–527).

Vida[editar | editar código-fonte]

Semisse de Anastácio I (r. 491–518)
Soldo de Justino I (r. 518–527)

Pedro era monofisista e partidário do patriarca Severo e se encarregou de participar nas tentativas de forçar o credo monofisista à relutante Igreja Síria. Foi acusado de ter tomar sua sé à força, em violação da ordem eclesiástica, e de não receber a ordenação canônica como monge ou presbítero. A primeira reclamação contra ele foi feita diante do governador Eutiquiano pelo clero apameu e foi substanciada por declarações juradas. Nelas, foi acusado de se declarar inimigo dos decretos da Calcedônia, apagando dos dípticos os nomes dos bispos ortodoxos e pais, e substituindo-os pelo de Dióscoro, Timóteo Éluro e outros heresiarcas. Evidências foram dadas para o uso de linguajar insultante e conduta arrogante, atos de violência e grosseria e relações sexuais com mulheres de caráter perdido. Pedro foi acusado com Severo de ter contratado um bando de bandidos judeus que matou, numa emboscada, 350 peregrinos ortodoxos e deixou seus corpos na estrada. O clero foi removido com violência do altar por seus emissários e foi morto com crueldade se se recusava a anatematizar a fé calcedônia.

Após a ascensão de Justino I (r. 518–527), os bispos da Síria Secunda levaram suas reclamações contra Pedro e Severo diante do concílio reunido em Constantinopla em julho e pediram-lhe que os salvasse da tirania intolerável. Seus pedidos foram atendidos e Pedro foi deposto e sentenciado ao exílio como maniqueísta — a forma como os monofisistas eram vulgarmente chamados. Nada se sabe sobre Pedro entre seu banimento e seu reaparecimento na capital com Severo anos depois, na renovação temporária da fortuna dos monofisistas, através da influência da imperatriz Teodora (r. 527–543). Em 536, Menas foi nomeado à sé patriarcal e não perdeu tempo para convocar um concílio, que condenou o monofisismo e seus líderes. Pedro e Severo foram excomungados como homens que tinham "voluntariamente escolhido o pecado até a morte" e "mostraram nenhum sinal de arrependimento e uma mente melhor".

Justiniano (r. 527–565) confirmou a sentença e Pedro foi proibido de residir em ou próximo de Constantinopla ou qualquer outra cidade importante. Recebeu ordens para viver em completo retiro e abster-se de se envolver com outros para não envenená-los com sua heresia. Nada mais se sabe sobre ele. Há cartas de Severo destinadas a ele na coletânea siríaca do Museu Britânico.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Wikisource-logo.svg Este artigo incorpora texto do verbete Petrus, bp. of Apamea no "Dicionário de Biografias Cristãs e Literatura do final do século VI, com o relato das principais seitas e heresias" (em inglês) por Henry Wace (1911), uma publicação agora en domínio público.