Pikillaqta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pikillaqta
Localização atual
Pikillaqta está localizado em: Peru
Pikillaqta
Coordenadas 13° 37' S 71° 42' 53" O
País  Peru
Região Cusco
Dados históricos
Culura Wari (Huari)
Fundação 500
Abandono 1030
Vista de uma das ruas de Piquillacta.
Vista de Piquillacta.

O complexo arqueológico de Piquillacta (em quíchua: Pikillaqta, "cidade das pulgas") é um sítio arqueológico do Peru, da era pré-hispânica. Está localizado no distrito de Lucre, província de Quispicanchi, departamento de Cusco, a cerca de 30 km a sudeste da cidade de Cusco e 3.250 metros acima do nível do mar, na bacia do rio Lucre e em um ambiente mesotérmico ao longo do rio Urubamba (Vilcanota). Abrange uma área de aproximadamente 50 hectares. [1]

Foi um dos mais importantes centros cultista-administrativos da cultura Wari (ou Huari), entre os séculos VI e IX da nossa época, e representa o planejamento urbano wari. Alguns especialistas sustentam que ele permaneceu ativo até a época dos incas, embora não tenham sido encontrados provas para corroborar essa presença.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Piquillacta é uma antiga palavra quíchua composta: piki, nigua (espécie de pulga) e llaqta, cidade. Ou seja, "cidade das pulgas", mas, como no discurso quíchua piki, metaforicamente, se refere a algo minúsculo, poderia significar "cidade das pulgas" ou "cidade pequena". [2] [3]

Estudos arqueológicos[editar | editar código-fonte]

O primeiro a fazer um plano detalhado de Piquillacta foi Luis A. Pardo em 1937. [4] Em 1959, Emilio Harth-Terré fez um levantamento de superfície do local, que considerou de origem inca; sua função teria sido a de um imenso celeiro, como parte da engrenagem administrativa do império inca. [5] John Rowe foi o primeiro a apontar a origem wari da construção, com base em sua arquitetura semelhante à cidade wari de Ayacucho. [6] Estudos subsequentes, como os de William Sanders (1960) e Gordon F. McEwan (1980), não deixam dúvidas sobre isso, com evidências de ocupação humana densa nas instalações durante o período do Horizonte Médio. [7] A descoberta de figuras feitas em turquesa de 25 a 45 mm no inconfundível estilo Tiahuanaco-Wari, além de cerâmicas da mesma cultura, corroboram ainda mais a origem Wari de Piquillacta. [8]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Piquillacta foi construída nas décadas finais do século VI e parou de funcionar por volta do século IX, isto é, durante o início do colapso do Império Wari. Sua ocupação foi intensa e ininterrupta por cerca de 150 anos.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Piquillacta nos da a impressão de que a cidade foi muito bem planejada urbanisticamente, de acordo com o conceito wari clássico, com um plano geométrico muito harmonioso e quase perfeito. As formas retangulares e quadradas dos edifícios, quadras e praças são básicas. As construções são de pedras brutas unidas com barro e cobertas com argamassa, dispostas em conjuntos separados por ruas retas e cercados por muros de até 12 m de altura, o que dava um aspecto de fortificação. No total, contém 700 edifícios, 200 praças e 508 armazéns ou colcas (outros consideram habitação), entre outros edifícios.

Principalmente, as paredes das casas são cobertas com gesso e algumas pintadas com motivos antropomórficos bem definidos; há também evidências de que muitos edifícios eram de dois e até três andares. Tudo isso dá a impressão de que seus habitantes estavam muito bem desenvolvidos em muitos aspectos. Estima-se que abrigasse uma população de dez mil pessoas.

Destaca um setor murado no lado noroeste, com 508 recintos circulares quase idênticos, cada uma com cerca de 4 m² e com apenas um acesso, que deveriam ser colcas (celeiros), embora outra hipótese (de MacEwan) sugira que fossem casas para guarnições militares ou trabalhadores temporários. [8]

Centro administrativo Wari[editar | editar código-fonte]

Parece que a época de ouro de Piquillacta foi entre os anos 700 e 800, época em que ela teve uma atividade intensa, abrigando muitos artesãos e trabalhadores que mantiveram a cidade viva. A cidade era abastecida por um sistema de canais de água subterrâneos. [8]

Da mesma forma que o restante dos centros administrativos Wari espalhados em pontos-chave de seu império, a função de Piquillacta era dupla, ou seja, como centro cerimonial e ao mesmo tempo governamental, onde viviam governantes e sacerdotes, além de trabalhadores de várias especialidades que os serviam.

Piquillacta era provavelmente a fronteira sul da Cultura Wari nos Andes centrais do Peru, junto com Choquepuquio, localizado na mesma região. A sudeste e a menos de 2 km do centro de Piquillacta, encontra-se o aqueduto suspenso de Rumicolca, que também parece ser de origem Wari, mas que mais tarde, foi utilizada pelos Incas e revestido com pedras polidas. [8]

Piquillacta ergueu-se em um lugar muito estratégico pois poderia controlar três vales: ao sul, o vale médio alto do Vilcanota, a nordeste, o vale médio baixo do Vilcanota e a noroeste, o vale do Quispicanchis, os últimos dois territórios produtores de milho. [9]

Em Piquillacta, os produtos agrícolas eram armazenados para redistribuição, de acordo com um modelo possivelmente semelhante ao que mais tarde foi implementado no império inca. De fato, não é errado dizer que os incas adotaram modelos e estruturas do Wari, se levarmos em conta que a civilização andina era basicamente uma unidade, com pequenas mudanças ao longo de seus três milênios contínuos de desenvolvimento. [8]

Abandono[editar | editar código-fonte]

Não há relatos ou nenhuma pista que indique quando, como e por que Piquillacta foi abandonada. Aparentemente não foi colonizada pelos Império Inca pois dentro de sua estrutura não há vestígios que indiquem influência inca nela, e se ocorreu, isso deve ter ocorrido durante o período inicial do império. Existem evidências de que alguns lugares da cidade foram incendiados logo após terem sido abandonadas entre 780 e 1030, fato que ocorreu em outras localidades Wari na região de Cusco, o que poderia indicar que houve nesta época uma retirada dos Wari da região. [10]

Referências

  1. Vargas, Víctor Anglés (2001). Písac y el valle sagrado de los incas (em espanhol). [S.l.]: Víctor Angles Vargas, p. 28 
  2. Perú: observaciones y estudios del país y sus habitantes durante una permanencia de 25 años (em espanhol). [S.l.]: Universidad Nacional Mayor de San Marcos, Dirección Universitaria de Biblioteca y Publicaciones, p. 353. 1974 
  3. S, A. Antonio Jara (1941). Quispicanchis (em espanhol). [S.l.]: H.G. Rozas, p. 75 
  4. Actas y memorias del XXXIX Congreso Internacional de Americanistas:. Lima, 2-9 de agosto 1970" (em inglês). [S.l.]: Maisonneuve, p. 317. 1970 
  5. McEwan, Gordon F. (2009). Pikillacta:. The Wari Empire in Cuzco (em inglês). [S.l.]: University of Iowa Press, p. 20. ISBN 9781587295966 
  6. Gordon F. McEwan (1996) Archaeological Investigations at Pikillacta, a Wari Site in Peru, Journal of Field Archaeology, 23:2, 169-186, doi:10.1179/009346996791973945
  7. McEwan (2009). Pikillacta:. [S.l.]: p. 1 
  8. a b c d e Isbell, William Harris; McEwan, Gordon Francis; Oaks, Dumbarton (1991). Huari Administrative Structure:. Prehistoric Monumental Architecture and State Government (em inglês). [S.l.]: Dumbarton Oaks, p. 95. ISBN 9780884021865 
  9. Ochoa, Carlos M. (2004). The Potatoes of South America: Peru. The wild species (em inglês). [S.l.]: International Potato Center, p. 361. ISBN 9789290601982 
  10. Bauer, Brian S. (2010). Ancient Cuzco:. Heartland of the Inca (em inglês). [S.l.]: University of Texas Press, pp. 61-62. ISBN 9780292792029