Porta Colina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Porta Colina
Porta Colina em gravura de 1820
Diagrama da Muralha Serviana com a Porta Colina (nº 1).
Tipo Portão
Construção século IV a.C.
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade Região VI - Alta Semita
Coordenadas 41° 54' 26" N 12° 29' 55" E
Porta Colina está localizado em: Roma
Porta Colina
Porta Colina

Porta Colina (em latim: Porta Collina) foi uma porta da Muralha Serviana, supostamente construída por Sérvio Túlio (r. 578–535 a.C.), o rei semi-lendário de Roma.

Localização[editar | editar código-fonte]

A Porta Colina localizava-se no Quirinal, no áger chamado Colina, no extremo norte da Muralha Serviana. Para além dela, as Vias Salária e Nomentana separaram-se.[1] Dentro desta área a Alta Semita ligava o Quirinal à Porta Carmental.[2] Vários templos estavam localizados próximos a porta, incluindo os templos de Vênus Ericina[3] e Fortuna Euelpis. No século III, à esquerda estava os Jardins de Salústio e à direita as Termas de Diocleciano.[4] Plutarco diz que, quando uma Vestal era punida por violar seu voto de castidade, a câmara subterrânea onde ela seria enterrava viva estava próximo à Porta Colina.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A origem do nome "Porta Colina" é desconhecido. Filippo Coarelli associa-o a Colina Quirinal, enquanto Lawrence Richardson Jr. à "Região Colina", uma das quatro divisões da Roma republicana. Por tratar-se da zona mais meridional das defesas muradas, tornou-a propensa a ataques.[6] Foi o local de duas batalhas, a primeira ocorrida em 477 a.C., num confronto entre romanos e etruscos, e a segunda em 82 a.C., durante a Segunda Guerra Civil de Sula (83–82 a.C.) entre as forças de Sula, lideradas por Pompeu Estrabão, e Cina.[7] Na Idade Média passou a chamar-se Castelo de Adriano (Castellum Adriani) e tornar-se-ia porta da Cidade Leonina.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Vestígios desta porta foram desenterrados em 1872 e 1996,[8] na esquina das atuais Via XX Settembre e a via Goito, no canto nordeste do edifício que abriga o Ministério das Finanças.[1] Os dois longos muros da Porta Colina flanquearam as ruas e convergiram rumo a cidade. Eles foram reforçados por dois bastiões citados por Juvenal e Sidônio Apolinário.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Platner 1929, p. 406.
  2. Takács 2007, p. 88.
  3. Fantham 1998, p. 255.
  4. Hartswick 2004, p. 143.
  5. Takács 2007, p. 87-89.
  6. a b «Porta Collina» (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2015. 
  7. Lovano 2002, p. 129ff.
  8. Cifani 1996, p. 278.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cifani, G. (1996). «Porta Collina». In: Steinby, Eva Margareta. Lexicon Topographicum Urbis Romae. III. Roma: Edizioni Quasar 
  • Fantham, Elaine (1998). commentary on Ovid Fasti Book IV. [S.l.]: Cambridge University Press 
  • Hartswick, Kim J. (2004). The Gardens of Sallust: A Changing Landscape. [S.l.]: University of Texas Press 
  • Lovano, Michael (2002). Franz Steiner Verlag, ed. The Age of Cinna: Crucible of Late Republican Rome. [S.l.: s.n.] 
  • Platner, Samuel Ball (1929). A Topographical Dictionary of Ancient Rome. Londres: Oxford University Press 
  • Takács, Sarolta A. (2007). Vestal Virgins, Sibyls, and Matrons: Women in Roman Religion. [S.l.]: University of Texas Press