Protestos em Papua em 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 18 de setembro de 2019)
Protestos em Papua em 2019
Parte da(o) Conflito de Papua
Período 19 de agosto de 2019 – atualmente
(3 meses e 21 dias)
Local Várias cidades nas províncias de Papua e Papua Ocidental; manifestações menores em outras cidades da Indonésia
Situação • A internet em Papua foi fechada por autoridades indonésias.
• O governo indonésio rejeitou o apelo a referendo sobre independência.
• Protestos continuam apesar da proibição do governo.
Causas Movimento de independência de Papua
Incidente racista em Surabaia
Objetivos Independência de Papua
Participantes do conflito
Movimento Papua Livre
Estudantes de Papua
Indonésia
• Polícia da Indonésia
• Exército indonésio
Frente dos Defensores Islâmicos
Pancasila Youth
Papuas pró-Indonésia
Baixas
5[1]—7[2] mortos 1 morto[2]

Os protestos em Papua em 2019 se referem à uma série de protestos da população papua que começaram em 19 de agosto de 2019, principalmente na Papua Indonésia. Os protestos eclodiram em resposta a um incidente em Surabaia, onde um grupo de estudantes de Papua foi preso por suposto desrespeito à bandeira indonésia. Em vários locais, notadamente em Jayapura, Sorong, Fakfak, Timika e Manokwari, os protestos se tornaram violentos, com vários prédios particulares e instalações públicas sendo danificados ou queimados. Os protestos e a agitação foram descritos pelos meios de comunicação como os maiores em anos.[3]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conflito de Papua

Papua, anteriormente uma colônia dos Países Baixos como a Nova Guiné Holandesa, foi anexada pela Indonésia em 1969 após um referendo controverso. Nos anos que se seguiram, uma insurgência de baixa intensidade ocorreu em toda a região. Mais recentemente, dezenas de milhares de civis ao redor da regência de Nduga foram deslocados após o aumento da presença militar e os conflitos com combatentes separatistas devido a um massacre de trabalhadores que construíram a Rodovia Trans-Papua. Em uma tentativa de reduzir as tensões na região, o governo indonésio concedeu maior autonomia às províncias que a compõem, com o presidente em exercício Joko Widodo (Jokowi) visitando a região seis vezes, desde que assumiu o cargo em 2014.[4]

Referências

  1. «Unjuk Rasa Deiyai Papua Berakhir Ricuh, 2 Warga Sipil Tewas Ditembak & Kena Anak Panah di Perut» (em indonésio). 29 de agosto de 2019. Consultado em 30 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2019 
  2. a b Savitri, Nurina (29 de agosto de 2019). «Enam Sipil Dan Satu Aparat Tewas Akibat Demo Ricuh di Deiyai Papua». ABC (em indonésio). Consultado em 30 de agosto de 2019 
  3. «'We are not monkeys': Racist taunts open deep wounds». BBC. 23 de agosto de 2019. Consultado em 30 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2019 
  4. «'We are not monkeys': Racist taunts open deep wounds». BBC. 23 de agosto de 2019. Consultado em 30 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.