Protestos no Irã em 2017–2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Protests in Tehran by Fars News 03.jpg Protests in Tehran by Fars News 04.jpg
Tehran Bazaar protests 2018-06-25 03.jpg Tehran Bazaar protests 2018-06-25 05.jpg
Police during 2018 Iranian protests 02.jpg Police during 2018 Iranian protests 05.jpg
Colagem de fotos mostrando as manifestações contra o governo Iraniano

Os Protestos no Irã (português brasileiro) ou Irão (português europeu) em 2017–2018 referem-se a uma série de protestos públicos ocorridos em várias cidades em todo o Irã começando em 28 de dezembro de 2017 e continuando em 2018. O primeiro protesto ocorreu em Mexed, a segunda maior cidade do Irã em população, inicialmente focado nas políticas econômicas do governo do país; no entanto, à medida que os protestos se espalharam pelo país, seu escopo expandiu-se para incluir a oposição política ao regime teocrático do Irã e seu antigo Líder Supremo, Ali Khamenei.[1] De acordo com o The Washington Post,[2] cantos de manifestantes e ataques a prédios do governo derrubaram um sistema que tinha pouca tolerância a divergências, com alguns manifestantes gritando "Morte ao ditador!" - referindo-se ao Líder Supremo, o Aiatolá Ali Khamenei - e pedindo às forças de segurança para se juntarem a eles.

Os protestos marcam o mais intenso desafio interno ao governo Iraniano desde os protestos das eleições presidenciais de 2009.[3] No entanto, esses protestos diferem do Movimento Verde Iraniano nos participantes, causas, objetivos e cantos.[4][5] Ao contrário de 2009, os protestos de 2017 a 2018 continuam sem liderança e desorganizados.[6] Enquanto alguns analistas sugerem que os protestos são o resultado de políticas econômicas desfavoráveis ​​adotadas pela administração do Presidente Iraniano Hassan Rouhani, outros dizem que a insatisfação com o regime teocrático e com o Líder Supremo são as causas reais da agitação.[7][8][9] Rouhani reconheceu em 8 de janeiro de 2018 que "as pessoas tinham demandas econômicas, políticas e sociais".[10][11][12]

Segundo as autoridades Iranianas, os protestos tornaram-se violentos em algumas partes do país, e a televisão estatal Iraniana informou que os manifestantes atacaram as delegacias de polícia e o pessoal e as instalações militares, e iniciaram incêndios.[13][14] Em 2 de janeiro de 2018, pelo menos vinte e um manifestantes e dois membros da força de segurança haviam sido mortos. Além disso, 3.700 manifestantes foram presos de acordo com Mahmoud Sadeghi, um legislador reformista de Teerã, embora os números oficiais fossem muito mais baixos.[15][16][17][18] Em 5 de janeiro de 2018, quatro relatores especiais do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos instaram o governo Iraniano a reconhecer e respeitar os direitos dos manifestantes e acabar com o bloqueio da Internet.[19]

Em uma reação contra os protestos, milhares de partidários do governo organizaram comícios pró-governo em mais de uma dezena de cidades em todo o Irã.[20]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Protestos no Irã em 2017–2018

Referências

  1. «Five things you need to know about protests in Iran». www.aljazeera.com. Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2018 
  2. Eltagouri, Marwa (3 de janeiro 2018). «Tens of thousands of people have protested in Iran. Here's why.» – via www.washingtonpost.com 
  3. Dehghan, Saeed Kamali; Graham-Harrison, Emma (30 de dezembro de 2017). «Iranians chant 'death to dictator' in biggest unrest since crushing of protests in 2009». Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2017 – via www.theguardian.com 
  4. «Supreme leader blames 'enemies of Iran' as protests death toll hits 20». Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2018 
  5. Parsi, Trita (1 de janeiro de 2018). «بالاخره "بیداری ایرانیان"There's something different about these Iran protests». CNN (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2018 
  6. «وزیر کشور ایران: اعتراضات دی ۹۶ سازمان‌یافته نبود». BBC News فارسی (em inglês). 27 de dezembro de 2018. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  7. Gast, Phil; Andone, Dakin. «Here's why the Iran protests are significant». CNN. Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2018 
  8. «Five things you need to know about protests in Iran». aljazeera. 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2018 – via aljazeera.com 
  9. جهان|TABNAK, سایت خبری تحلیلی تابناك|اخبار ایران و. «توکلی: اعتراضات خیابانی قابل پیش‌بینی بود». سایت خبری تحلیلی تابناك|اخبار ایران و جهان|TABNAK (em persa). Consultado em 31 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2017 
  10. «In jab at rivals, Rouhani says Iran protests about more than economy». 8 de janeiro de 2018 – via Reuters 
  11. THOMAS ERDBRINK (8 de janeiro de 2018). «Iran Can't Keep Dictating Lifestyle, Its President Warns - The New York Times». Nytimes.com. Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  12. Maza, Cristina (28 de dezembro de 2017). «Iran Protests: President Rouhani Sides With Young Protesters Over Aging Hard-Liners». Newsweek.com. Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  13. «Iran plays down violent protests despite mounting death toll». euronews (em inglês). 1 de janeiro de 2018. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  14. ERDBRINK, THOMAS; agencies (2 de janeiro de 2018). «Deadly Iran Protests Prompt Warning of Harsher Response». The Guardian (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2018 
  15. Iran lawmaker says some 3,700 arrested amid protests, unrest Arquivado em 2018-01-09 no Wayback Machine., ABC News (reedição da AP), 9 de janeiro de 2018
  16. 3,700 people were arrested during Iran protests, lawmaker says, Sheena McKenzie, CNN, 9 de janeiro de 2018
  17. «Ex-Iranian president, seen by some as moderate, condemns violence and US». 2 de janeiro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2018 
  18. correspondente, Saeed Kamali Dehghan Iran; agências (2 de janeiro de 2018). «Nine more reported dead in Iran as protests enter sixth day». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2018 
  19. Laura Smith-Spark (5 de janeiro de 2018). «UN experts urge Iran to respect rights, end Internet crackdown». CNN. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2018 
  20. «Iran stages pro-government rallies, derides Trump 'blunder' at U.N.». Reuters. 5 de janeiro de 2018. Consultado em 7 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Irã é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.