Radula schaefer-verwimpii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRadula schaefer-verwimpii
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Embryophyta
Divisão: Marchantiophyta
Filo: Marchantiophyta
Classe: Jungermanniopsida
Subclasse: Jungermanniidae
Ordem: Porellales
Família: Radulaceae
Género: Radula
Espécie: Radula schaefer-verwimpii

Radula schaefer-verwimpii é uma espécie de planta do gênero Radula e da família Radulaceae.[1]

Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie rupícola e folhosa.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Gametófito estéril, pequeno, frágil, verde oliva, caulídio de 5 a 8 milímetros de de comprimento, 0,12 milímetros de de diâmetro, ramo irregularmente pinado, filídio 0,7 a 0,8 milímetros de de largura, imbricado e frequentemente caduco, as células corticais tão grandes quanto as células medulares, ambas as células com paredes densas sem, ou raramente com, trigônio amarelo claro. Lobo dorsal não auriculado porém amplamente arqueado e cobrindo de ¾ a metade do caulídio ou eventualmente se estendendo por todo o caulídio, a parede celular geralmente fina, sem trigônios, camada fina de cutícula. Lóbulo com metade do tamanho do lobo, distantes, propagando-se obliquamente, ovados, cobrem 1/5 da de largura do caulídio e com a quilha fortemente arqueada, rizoide dificilmente visto, marrom claro. Quilha intensamente arqueada, não decurrente.[1]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil. A lista foi publicada em 13 de junho de 2005 por intermédio do decreto estadual nº 1.499-R.[2]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é encontrada nos estados brasileiros de Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.[3][4][1] Em termos ecológicos, é encontrada no domínio fitogeográfico de Mata Atlântica, em regiões com vegetação de floresta ombrófila pluvial.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

Contém texto em CC-BY-SA 4.0 de Mello, Z.R.; Prudêncio, R.X.A.; Rizzo, B.D.; Vita, M.D.; Leite, Á.C.F.; Muniz, L.N.; Lopes, L.O. Radulaceae in Flora e Funga do Brasil.[1]

Referências

  1. a b c d e f «Radula schaefer-verwimpii K.Yamada». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. «IEMA - Espécies Ameaçadas». iema.es.gov.br. Consultado em 12 de abril de 2022 
  3. Amélio, Leandro de Almeida; Peralta, Denilson Fernandes; Carmo, Dimas Marchi do (19 de agosto de 2019). «Briófitas do Parque Estadual de Campos do Jordão, Estado de São Paulo, Brasil». Hoehnea. ISSN 0073-2877. doi:10.1590/2236-8906-96/2018. Consultado em 22 de setembro de 2022 
  4. Carmo, Dimas Marchi do; Lima, Jéssica Soares de; Amélio, Leandro de Almeida; Peralta, Denilson Fernandes (abril–junho de 2016). «Briófitas do Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo de Santa Virgínia, Estado de São Paulo, Brasil». Hoehnea: 265–287. ISSN 0073-2877. doi:10.1590/2236-8906-91/2015. Consultado em 22 de setembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.