Beilhique de Ramadã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ramadanidas)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



Ramazanoğulları Beyliği
Beilhique de Ramadã
Blank.png
1352 – 1608 Fictitious Ottoman flag 2.svg
Localização de Ramadânidas
Mapa da Anatólia em 1300 mostrando os diversos beilhiques originados a partir do declínio do Sultanato Seljúcida de Rum
Continente Ásia
Região Médio Oriente
País  Turquia
Capital Adana
35° N 35° 19' E
Língua oficial turco
Religião Islão sunita
Governo Beilhique, Monarquia
Período histórico Idade Média
Idade Moderna
 • 1352 Fundação
 • 1608 Dissolução

O Emirado de Ramadã, também conhecido como Beilhique de Adana, Beilhique Ramadânida ou Principado Ramadânida (em turco: Ramazanoğulları Beyliği), foi um dos beilhiques anatólios sob o controle da dinastia dos ramadânidas (em turco: Ramazanoğulları) abássidas em Çukurova, região historicamente conhecida como Cilícia. Sua capital era Adana e formou um dos principados fronteiriços fundados pelos turcos oguzes após o declínio do Sultanato de Rum. O Salão Ramazanoğlu, que é atualmente um centro cultural, era a residência do emir e o salão de onde ele governava não mais existe.

Em 1375, os ramadânidas destruíram o Reino Armênio da Cilícia em nome do sultão mameluco do Egito e se estabeleceram na região. Eles também tiveram um papel preponderante no século XV nas relações entre o Império Otomano e o Sultanato Mameluco, se interpondo como um estado-tampão localizado na zona de fronteira mameluca-turca. Em 1517, Selim I incorporou o beilhique ao Império Otomano após a sua conquista do estado mameluco. Os beis dos ramadânidas asseguraram para si o controle da administração do sanjaco otomano de Adana de forma hereditária até 1608. A família permanece como uma das mais proeminentes na sociedade turca até hoje.