RavenDB

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
RavenDB
Autor Oren Eini (Ayende Rahien)
Desenvolvedor Hibernating Rhinos
Lançamento 2010 (11–12 anos)
Versão estável 4.2 (maio de 2019; há 3 anos)
Idioma(s) Inglês
Escrito em C#
Sistema operacional Windows, Linux, MacOS, Docker e Raspberry Pi
Gênero(s) NoSQL orientado à documentos
Licença AGPLv3
Página oficial www.ravendb.net

RavenDB é um banco de dados NoSQL orientado à documentos, open-source, escrito em C# e com suporte total a operações ACID. Desenvolvido pela Hibernating Rhinos Ltd ele é multi-plataforma, funcionando em Windows, Linux e MacOS.[1][2][3][4][5][6] RavenDB armazena dados como documentos JSON e pode operar em clusters distribuídos com replicação master-master.

História[editar | editar código-fonte]

Originalmente com o nome de “Rhino DivanDB”, RavenDB começou como um projeto em 2008 sob a liderança de Oren Eini (também conhecido como Ayende Rahien) e é desenvolvido pela Hibernating Rhinos Lta. Segundo a companhia, trata-se do primeiro banco de dados baseado em documentos que funciona nativamente em .NET. Trata-se também de um dos primeiros bancos, desse tipo, a suportar ACID.

Em 2019, Hibernating Rhinos passou a ofertar o RavenDB como um serviço em nuvem cloud service chamado RavenDB Cloud.[7][8][9]

Histórico de Versões[editar | editar código-fonte]

Versão Data Principais Caracteristicas Adicionadas
1.0 Maio de 2010[10]
2.0 Janeiro de 2013[11] Suporte a replicação[12][13]
2.5 Junho de 2013[14] Projeções e consultas baseadas em Facets[12]
3.0 Novembro de 2014[15] Java API; Mecanismo de armazenamento Voron[16][17]
3.5 Outubro de 2016[18] Suporte a execução em Clusters[18]
4.0 Fevereiro de 2018[19] Tornou-se multi-plataforma; disponível em licença livre[20]
4.1 Agosto de 2018[21] Suporte completo a transações em Cluster[7][21]
4.2 Maio de 2019[22] Suporte a grafos[7]
  • Verde: Suporta
  • Vermelho: No suporta

Arquitetura do Sistema[editar | editar código-fonte]

Os dados são armazenados em documentos com esquema livre (schema-less) em formato JSON.[1][23][2][12][13][6] Em nível mais baixo, no mecanismo de armazenamento, os documentos são mantidos em formato binário chamado Blittable.[24] Documentos são agrupados em coleções e cada documento pertence a apenas uma coleção.[12][13]

Os bancos de dados podem ser distribuídos em clusters de servidores (também chamados de nós) usando replicação multi-master.[1][3] Algumas operações, entretanto, requerem consenso da maioria dos nós. Esse consenso é obtido usando uma implementação do protocolo Raft, chamada Rachis.[1]Todas as tarefas são distribuídas, de maneira balanceada, entre os diferentes nós.[1][25]

Da versão 1 at é a versão 3.5 havia suporte nativo para sharding. A partir da versão 4.x não há mais.[1][2][3][12][13]

RavenDB usava, originalmente, Esent como mecanismo de armazenamento.[23][26][13] Entretanto, a partir da versão 3, passou a utilizar também um mecanismo de armazenamento, otimizado para RavenDB, chamado Voron.[16][17]

Atualmente, há suporte para clients escritos em C#, C++, Java, Node.js, Python, Ruby e Go.[3]

Características Principais[editar | editar código-fonte]

  • Suporte completo a transações ACID no Cluster - Transações ACID podem ser executadas no escopo do Cluster (além de transações em um único nó). A transação somente será persistida se for confirmada por consenso em todos os nós. Caso isso não seja possível, a operação será desfeita.[1][7]
  • Contadores distribuídos[27][28]

Indexação e consultas[editar | editar código-fonte]

Consultas podem ser escritas em LINQ (para .NET) ou com uma linguagem customizada chamada RQL (Raven Query Language), com sintaxe similar a SQL.[1][2][3]

  • Indexação dinâmica, no RavenDB todas as consultas utilizam índices. Caso não existir um índice que satisfaça uma consulta, ele é criado automaticamente pelo RavenDB.[1][29][30][12][13][6]
  • Consultas de Grafos – documentos podem ser tratados como vértices em um grafo (graph), e o campo ID do documento tratado como as arestas. Isso possibilita a criação de consultas recursivas.[27][28][31]
  • Projeções – índices podem ser configurados para realizar cálculos, agregações e outras operações complexas, incluindo execução de código Javascript no lado do servidor.[1][3][32]
  • Pesquisas com Full-text – em nível mais baixo, os dados são indexados usando Apache Lucene. Isso significa que os índices podem suportar buscas em full-text[1][33][12][13][34][35]

RavenDB Cloud[editar | editar código-fonte]

RavenDB Cloud é um banco de dados gerenciado como serviço em nuvem (database-as-a-service) lançado em 2019, suportando AWS, Azure and GCP. O serviço executa toda a administração, como a manutenção do hardware e segurança para o usuário. Além disso, há compartilhamento de recursos de CPU entre diferentes nós para impedir throttling.[7][8][9]

Aplicações[editar | editar código-fonte]

RavenDB e utilizado:

  • Na indústria da saúde
  • Ponto de venda

Licenciamento[editar | editar código-fonte]

RavenDB é open-source sob a licença AGPLv3.[1] Está disponível em licença livre, com restrições e também uma licença comercial.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l «RavenDB». Databases of Databases. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  2. a b c d «Raven, a Document Database for .NET». www.infoq.com. 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  3. a b c d e f «RavenDB System Properties». db-engines.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  4. «Other Vendors to Consider for Operational DBMSs». www.gartner.com. 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  5. «Hibernating Rhino». hibernatingrhinos.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  6. a b c Kaur, Harpreet, and Kamal Jeet Kaur. "A Review: Study of Document oriented databases and their Security." International Journal of Advanced Research in Computer Science 4.8 (2013).
  7. a b c d e «RavenDB Launches Managed Cloud Service». www.datanami.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  8. a b «SD Times news digest: Google robots.text parser open sourced, Bonitasoft's cloud and low-code capabilities, and OWASP ZAP 2.8». sdtimes.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  9. a b «New capabilities in database infrastructure service ensure high availability in Cloud-only scenarios». it.toolbox.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  10. «RavenDB goes live!». ayende.com. 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  11. «RavenDB 2.0 RTM». ayende.com. 2013. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  12. a b c d e f g «RavenDB». learning.oreilly.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  13. a b c d e f g «A document database for the .NET platform». learning.oreilly.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  14. «RavenDB 2.5 Release Candidate is out». ayende.com. 2013. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  15. «RavenDB 3.0 RTM». ayende.com. 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  16. a b «NoSQL for .NET: RavenDB 3.0 Takes Flight». visualstudiomagazine.com. 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  17. a b «NoSQL: RavenDB 3.0 erhält weitere Storage Engine». www.heise.de. 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  18. a b «RavenDB 3.5 RTM released». ayende.com. 2016. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  19. «RavenDB 4.0 is out». ayende.com. 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  20. «NoSQL: RavenDB 4.0 jetzt für Windows, Linux, macOS und Docker verfügbar». www.heise.de. 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  21. a b «RavenDB 4.1 Release Candidate is out». ayende.com. 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  22. «RavenDB 4.2 has been released». ayende.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  23. a b «Ayende's DivanDB (also, is esent the most widely used database engine?)». blogs.msdn.microsoft.com. 2008. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  24. «The Design of RavenDB 4.0: The Implications of the Blittable Format». dzone.com. 2016. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  25. «Review: NoSQL database RavenDB». techgenix.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  26. «Hidden Windows Gems: Extensible Storage Engine». ayende.com. 2008. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  27. a b «RavenDB Adds Graph Queries». www.datanami.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  28. a b «SD Times news digest: New Relic One, WhiteSource for Developers, RavenDB4.2, and VMware's acquisition of Bitnami». sdtimes.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  29. «NoSQL Document Database - Embedding RavenDB into an ASP.NET MVC 3 Application». docs.microsoft.com. 2011. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  30. «RavenDB: Driving DX through DB infrastructure management». ciostory.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  31. «Graph API». ravendb.net. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  32. «Data Modeling with Indexes in RavenDB». www.codeproject.com. 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  33. «RavenDB vs SQL Server». www.integrace.nl. 2012. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  34. Stevic, Milorad P. "Managing documents with NoSQL in service oriented architecture." Online Journal of Applied Knowledge Management (OJAKM) 1.2 (2013): 105-115.
  35. «Data Points - What the Heck Are Document Databases?». docs.microsoft.com. 2011. Consultado em 2 de fevereiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]