Raymond Williams

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Raymond Williams
Nascimento 31 de agosto de 1921
Pandy, Monmouthshire
Morte 26 de janeiro de 1988 (66 anos)
Saffron Walden
Cidadania Reino Unido, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Alma mater
Ocupação filósofo, romancista, escritor, professor, sociólogo, crítico literário, historiador literário, especialista em literatura
Empregador Universidade de Cambridge
Causa da morte enfarte agudo do miocárdio

Raymond Williams (31 de agosto de 1921 – 26 de janeiro de 1988) foi um acadêmico, sociólogo e teórico da comunicação e da cultura, crítico de arte, contista e novelista Galês. Raymond Williams nasceu em Llanfihangel Crucorney, vilarejo do País de Gales. Filho de família ferroviária assentada em áreas rurais, travou contato desde cedo com o movimento operário e os partidos do campo progressista. Manteve vínculos políticos tanto com o Partido Comunista da Grã-Bretanha quanto com o Partido Trabalhista britânico (o Labour). Pensador de formação política e cultural híbrida, a qual revela as marcas indeléveis de suas múltiplas influências, Williams iniciou sua trajetória intelectual nos ambientes do movimento operário inglês. Estudou em Cambridge através de bolsas de estudo, e ingressou no mundo acadêmico. Seus escritos em política, cultura, literatura e cultura de massas refletiram seu pensamento marxista. Foi uma figura influente dentro da Nova Esquerda e na teoria cultural em geral.[1]

Uma de suas obras mais importantes é o livro "Palavras-chave, no qual ele destrincha a origem etimológica de palavras diretamente relacionadas à luta de classes e da formação da sociedade moderna. Como exemplo podemos verificar o traçado sobre o termo 'trabalho' que tem sua origem no latim tripallium, instrumento de tortura composto por 3 paus (daí a origem do termo em latim) usado desde a antiguidade para punir devedores de impostos ou serventias².

Referências

  1. Tavares 2008, p. 2.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]