Região do Polo Têxtil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2009). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Região do Pólo Têxtil (RPT) é o maior pólo da indústria têxtil e de confecção do Brasil, responsável por 85% da produção nacional de tecidos planos de fibras artificiais e sintéticas e, por essa razão, considerada o "Maior Polo Têxtil de Tecidos Planos de Fibras Artificiais e Sintéticas da América Latina".[1]

Está localizada do leste do estado de São Paulo, mais especificamente na Região Metropolitana de Campinas e compreende os municípios de Americana, Santa Bárbara d'Oeste, Nova Odessa, Sumaré e Hortolândia, tendo Americana como sua sede. Com uma população de 890.559 habitantes, tem Sumaré como a maior cidade em parâmetros populacionais, com 246.247 habitantes e Americana na 2ª posição, com 214.873 habitantes.

Economia[editar | editar código-fonte]

A região é bastante desenvolvida economicamente, com muitas empresas nacionais, como a Nardini, Santista e Topack, instaladas em Americana, a EMS, em Hortolândia, e Romi em Santa Bárbara d'Oeste, e algumas internacionais, como a Honda, instalada em Sumaré, a IBM, Dell, Magneti Marelli e CAF em Hortolândia, a Goodyear e a Polyenka, instaladas em Americana, o que a coloca como uma das regiões mais ricas do país, tendo um PIB superior a R$ 18 bilhões, sendo que Sumaré com R$ 6,79 bilhões, Americana com R$ 6,13 bilhões. Hortolândia vem logo em seguida com R$ 4,85 bilhões, depois aparece Santa Bárbara d'Oeste com R$ 3,11 bilhões e por fim, Nova Odessa com R$ 1,10 bilhão.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

A região possui um clima tropical de altitude Cwa, segundo Köeppen, com temperaturas oscilando entre 18 e 29 °C no verão, podendo atingir os 34 °C e entre 9 e 23 °C no inverno, podendo atingir os 3 °C e até 0 °C, como aconteceu em 2000 e 2016. As chuvas são concentradas no período de do final de setembro ao final de março e o tempo de seca mais intensa vai de junho a agosto, tendo os períodos de chuva menos volumosas, mas mesmo assim regulares nos meses de abril, maio e o início de setembro.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O principal rio da região é o Rio Piracicaba, que nasce em Americana, com a junção dos rios Atibaia e Jaguari. Há ainda o Ribeirão Quilombo, que nasce na cidade de Campinas e deságua no Rio Piracicaba. Existe um projeto de despoluição deste rio logo após a instalação de novas ETEs (Estações de Tratamento de Esgoto) nessas cidades.

Referências

  1. sinditec.com.br: «Resumo do setor». www.sinditec.com.br. Consultado em 3 de setembro de 2009. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2008  (dados de 2004), acessado em 3 de setembro de 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]