Riccia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a cidade homónima de Itália, veja Riccia (Itália).


Como ler uma infocaixa de taxonomiaRiccia
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Marchantiophyta
Classe: Marchantiopsida
Ordem: Marchantiales
Família: Ricciaceae
Género: Riccia
L., 1753
Espécies
Ver texto.

Riccia é um género de hepáticas (Marchantiophyta) talosas pertencente à ordem Marchantiales.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

As espécies que integram o género Riccia são pequenas hepáticas talosas, sem diferenciação morfológica de cauloides, rizoides ou filoides. Dependendo da espécie, o talo pode ser em forma de fita, com cerca de 0,5 a 4 mm de largura, formando tiras com ramificação dicotómica, ou rosetas ou hemi-rosetas de até 3 cm de diâmetro. As plantas podem ser gregárias e formar-se intrincados tapetes flutuantes.[1][2]

Os talos são apresentam diferenciação dorsiventral. A face superior (dorsal), com coloração verde brilhante e grande riqueza em clorofila, é percorrida por um sulco longitudinal ao longo da sua região central e apresenta poros preenchidos por ar que protrudem à superfície do talo, conferindo-lhe um aspecto franzido.[3] A face inferir (ventral) apresenta uma nervura central recoberta por escamas multicelulares que inicialmente forma uma fila única, mas que normalmente se separam em duas filas quando o talo engrossa. As escamas são multicelulares e de aspecto hialino (vítreo), apresentando por vezes coloração violeta devido à presença do pigmento antocianina.[1]

Nas formas aquáticas flutuantes os rizoides estão quase ausentes, mas existem geralmente numerosos rizoides unicelulares de dois tipos na superfície ventral das formas fixas ao substrato.[1] Um dos tipos de rizoide é liso, com superfícies interna e externa suave e sem projecções, enquanto o outro tipo é rugoso (tuberculado), com estruturas tuberculares à superfície formadas por projecções da parede celular das células que forma a sua parede externa.

Estas plantas são geralmente monoicas, com a reprodução sexual a ocorrer em anterídios e arquegónios. A reprodução assexual é muito comum por formação de gemas ou pela via da reprodução vegetativa por fragmentação dos talos ou divisão das rosetas. Nalguns casos as gemas assumem a forma de túberos apicais. Os esporo s são grandes (45 a 200 µ) e formam-se em grupos de quatro.[1]

Uma das mais de 100 espécies que integram o género é Riccia fluitans, que cresce sobre solo encharcado ou, mais raramente, flutuando em águas paradas,[3] que é usada em aquariofilia.

Sistemática[editar | editar código-fonte]

O género Riccia inclui 100-150 espécies, entre as quais:

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e Schuster, Rudolf M. (1992). The Hepaticae and Anthocerotae of North America. VI. Chicago: Field Museum of Natural History. pp. 421–440. ISBN 0-914868-21-7 
  2. Atherton, Ian; Bosanquet, Sam; Lawley, Mark, eds. (2010). Mosses and liverworts of Britain and Ireland: a field guide. UK: British Bryological Society. p. 261-270. ISBN 978-0956131010 
  3. a b MacVicar, Symers M. 1971. The student's handbook of British hepatics, p. 12-13. Hitchen Whelden & Wesley, Ltd.; Authorized reprint of the 1926 edition published by Sumfield & Day, Ltd.