Rizaeddin bin Fakhreddin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Retrato de Bin Fakhreddin

Rizaeddin bin Fakhreddin (Kichuchat, Samara; 12 de janeiro de 1858 - 1936) foi um basquir e tártaro estudioso e publicista que viveu no Império Russo e na União Soviética. Seus numerosos trabalhos sobre assuntos religiosos, políticos e pedagógicos faziam parte do movimento jadidista, e o jornal Shura, que ele criou e publicou, era uma maneira importante de discussão política para os muçulmanos no final do Império.

Vida[editar | editar código-fonte]

Rizaeddin bin Fakhreddin nasceu como filho de um mulá na aldeia de Kichuchat, no governo Samara. Ele estudou no Maktab em sua aldeia, liderada por seu pai, e depois no Madrasa, na aldeia próxima de Chelsheli. Aos 30 anos, tornou-se mulá e líder dos Madrasa na vila de Ilbek. Em 1891, ele foi eleito Qadi, o que significa que se tornou membro da Administração Religiosa Russa para Muçulmanos (Sobranie); ele então se mudou para sua sede em Ufá, onde administrou o extenso arquivo da agência.[1]

O edifício da Administração Religiosa Muçulmana em Ufá

Durante a Revolução Russa de 1905, ele submeteu um extenso programa de reformas aos Muftis do Sobranie. Este programa, entre outras coisas, incluiu a extensão da responsabilidade da agência sobre os muçulmanos cazaques. O governo russo recusou o programa devido ao ganho esperado de poder que essa centralização traria para os muçulmanos.[2]

Em 1906, Fakhreddin se aposentou de seu cargo religioso e tornou-se editor do Orenburg Newspaper Vaqt. Durante esse período, ele também se tornou amigo íntimo de Musa Bigiev.[3] Dois anos depois, ele começou a publicar seu jornal Shura, que se tornou o mais duradouro dos jornais tártaros no Império Russo. Após a Revolução de 1917, em 1921, ele novamente assumiu um cargo religioso e foi Mufti das regiões européias da Rússia até sua morte em 1936. Evitou cooperar com os soviéticos o máximo possível.[4]

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Fakhreddin era um autor extremamente produtivo, que escreveu mais de sessenta livros durante sua vida.[5] Seu trabalho mais importante é uma edição em dois volumes de biografias de estudiosos da Ásia Central (Asar e Meshhur Irler), que ele escreveu enquanto estava no arquivo da administração religiosa muçulmana. Em alguns dos indivíduos retratados (que incluem Ibn Rushd (Averroes), Ibn Arabi, Al-Ghazali e Ibn Taymiyyah), seu trabalho continua sendo a melhor fonte. Ele também publicou textos jornalísticos, livros e ensaios sobre a situação geral dos muçulmanos na Rússia, obras pedagógicas ou debates sociais (por exemplo, na educação das mulheres e nas políticas da família).[4] Seu ensaio Rusya Muslimanlarining ihtiyachlari ve anlar haqinda intiqad, publicado em 1906, é uma crítica contra as demandas de reforma dos Ulemá contra os governantes russos, que Fakhreddin considerou muito vago.[2]

Referências

  1. Mahmud Tahir: Rizaeddin Fahreddin, em: Central Asian Survey (1989, Volume 8), pp. 111-115.
  2. a b Azade-Ayşe Rorlich: The Volga Tatars, Stanford 1986; pp. 53-58.
  3. Ahmet Kanlidere: Reform within Islam. The Tajdid and Jadid Movement among the Kazan Tatars (1809–1917), Istambul 1997; pp. 50-52.
  4. a b Charles Kurzman: Modernist Islam, 1840–1940. A Sourcebook, Nova Iorque, 2002, p. 33.
  5. Artigo no Dicionário Oxford do Islamismo