Romanceiro da Inconfidência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Romanceiro da Inconfidência
Autor(es) Cecília Meireles
Idioma Língua portuguesa
País  Brasil
Género Coletânea de poemas
Editora Livros d Portugal
Formato 25 cm
Lançamento 1953
Páginas 300

Romanceiro da Inconfidência é uma coletânea de poemas da escritora brasileira Cecília Meireles, publicada em 1953, que conta a História de Minas dos inícios da colonização no século XVII até a Inconfidência Mineira, revolta ocorrida em fins do século XVIII na então Capitania de Minas Gerais.

Em 85 "romances", mais quatro "cenários" e outros de prólogo e êxodo, Cecília evoca primeiro a escravidão dos africanos na região central do planalto em episódios da exploração do ouro e dos diamantes no século 18; logo o centro da coletânea é dedicado ao destino dos heróis da chamada "Inconfidência Mineira" – Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, Tomás Antônio Gonzaga, sua noiva e amada Marília de Dirceu bem como de outras figuras históricas implicadas no acontecimento, como D. Maria I a louca, na altura Rainha de Portugal.

Mais lírica do que narrativa, a obra assume o lado dos derrotados (transformados depois em heróis da Independência do Brasil) denunciando o sistema colonial que favorece a exploração dos desvalidos:

A terra tão rica
e – ó almas inertes! –
o povo tão pobre...
Ninguém que proteste! (...) (in: Do animoso Alferes, Romance XXVII)
Estes branquinhos do Reino
nos querem tomar a terra:
porém, mais tarde ou mais cedo,
os deitamos fora dela. (in: 'Do sapateiro Romance XLII)

A nova interpretação da história serve no entanto de ponto de partida para uma reflexão filosófica e metafísica sobre a condição humana. Surgindo Tiradentes como um avatar de Cristo e sofrendo o sacrifício do bode expiatório, ele se torna num redentor do Brasil, que abriria a nova era da liberdade. "Construindo com o Romanceiro da inconfidência um mosaico em que cristalizariam vibrações captadas na terceira margem da memória coletiva, Cecília consolidava uma teia de mitos suscetíveis de fortalecer o sentimento da identidade brasileira"[1].

Edições[editar | editar código-fonte]

A obra foi reeditada em 2005 pela Editora Nova Fronteira e, na bela apresentação desta edição, a escritora Ana Maria Machado retoma a origem oral da poesia para justificar as rimas, paralelismos e refrões da poesia, embora termine por lembrar que "em Romanceiro da Inconfidência há variedade de formas, métricas distintas, liberdade nas rimas e muita inventividade nos quase cem poemas".

Publicada em 2008 na Coleção Folha Grandes Escritores Brasileiros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MEIRELES, Cecília (2005), Romanceiro da Inconfidência, Nova Fronteira .
  • UTEZA, Francis (2006), «A tradição Hermética do Ocidente em Romanceiro da Inconfidência», Oriente e Ocidente na poesia de Cecília Meireles, Porto Alegre: Libretos, pp. 152-310 .

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Uteza 2006, p. 294.