Rufino (comandante de cavalaria)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Rufino.
Rufino
Nascimento ?
Morte 534
Nacionalidade Império Bizantino
Religião Cristianismo

Rufino (em latim: Rufinus) foi um oficial militar bizantino da Trácia ativo durante o reinado do imperador Justiniano (r. 527–565). Fez parte dos subordinados do general Belisário, talvez como um de seus guarda-costas, e devido a sua coragem a ele foi concedido o direito de portar o estandarte do general em batalha como um bandífero.[1]

Em 533, esteve entre os quatro cavaleiros enviados por Belisário em uma expedição contra os vândalos; ; os outros foram Papo, Egano e Barbato. Dado a omissão de seu nome da lista dos oficiais que participaram na batalha de Tricamaro, os autores da Prosopografia do Império Romano Tardio sugerem que ele tenha feito parte dos efetivos que permaneceram com Belisário. No verão de 534, quando Belisário retornou para Constantinopla, Rufino permaneceu na África, junto de Egano, sob o oficial Salomão. No final do mesmo ano, provavelmente como comandante da cavalaria de Bizacena, Rufino e Egano emboscaram tropas mouras, matando-as e libertando seus prisioneiros. Em retaliação, as forças mouras se reagruparam e lançaram um ataque contra os oficias. Rufino foi capturado e decapitado pelo líder mouro Medisiníssas para que ele não causasse mais problemas para os mouros.[2]

Referências

  1. Martindale 1992, p. 1097-1098.
  2. Martindale 1992, p. 1098.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8