Síndrome de morte súbita infantil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Síndrome de morte súbita infantil
Classificação e recursos externos
CID-10 R95
CID-9 798
OMIM 272120
DiseasesDB 12633
eMedicine emerg/407
MeSH D013398

A síndrome da morte súbita do lactente (SMSL) ou síndrome da morte súbita infantil (SMSI), conhecida internacionalmente pela sigla SIDS (sudden infant death syndrom) é o óbito inesperado de bebês aparentemente saudáveis, entre a faixa etária "infantil", ou seja, do nascimento ao primeiro ano de vida.[1]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Tipicamente, o bebê é encontrado falecido em seu berço, sem aparentar nenhum sinal de sofrimento ou agonização.[2] Ainda não é possível precisar qual é exato momento do óbito e se ele ocorre na fase do sono ou no período de transição entre sono e a vigília.[3]

A SMSL é um diagnóstico de exclusão, aplicado a bebês que tenham morrido subitamente e inesperadamente, quando o motivo permanece inexplicável, mesmo após as adequadas investigações postmortem, que incluem:

  1. autópsia;
  2. investigação da cena e das circunstâncias da morte;
  3. investigação do histórico de doenças do bebê e da família;

Causa[editar | editar código-fonte]

O óbito ocorre após a súbita interrupção na respiração do bebê, normalmente enquanto dorme. Presume-se que a causa desta interrupção seja uma espécie de "hibernação profunda" do bebê, provocada por sua ainda não concluída formação neurológica, cardiorrespiratória e até seu não desenvolvido controle térmico corporal;

Maior incidência[editar | editar código-fonte]

Estatisticamente, há maior incidência quando:

  • Sexo: masculino;
  • Idade: de dois a quatro meses de vida;

Agravantes[editar | editar código-fonte]

  • qualquer compressão das vias aéreas;
  • inalação excessiva do gás carbônico, maior incidente ao deitar de barriga para baixo;
  • compressão da face contra o travesseiro (hipertermia);
  • nascimento prematuro (imaturidade dos mecanismos cardiorrespiratórios e controle térmico);
  • bebês excessivamente agasalhados em ambientes muito aquecidos;
  • exposição do bebê à fumaça de cigarro, mesmo durante a gravidez;

Porem, a síndrome pode surgir em bebês que não apresentam nenhuma destas características.

Cuidados[editar | editar código-fonte]

Algumas medidas simples reduzem a ocorrência da 'síndrome da morte súbita do lactente (SMSL)', como:

  • colocar o bebê para dormir de barriga para cima;
  • não agasalhar excessivamente o bebê;
  • manter a temperatura ambiente em 22 graus Celsius;
  • não utilizar colchões e travesseiros excessivamente macios;
  • não compartilhar o mesmo leito do bebê;
  • monitorar a respiração do bebê com sensores vestíveis, próprios para a SMSL / SIDS;

Dados[editar | editar código-fonte]

  • apenas nos Estados Unidos, estima-se que a 'sudden infant death syndrom (SMSI)' seja responsável por cerca de uma morte a cada 2.000 nascimentos (0,05%);
  • 85% dos casos ocorrem com crianças que dormem de barriga para baixo ou que compartilham o leito;
  • a simples ação de colocar o bebê para dormir de barriga para cima reduz o número de óbitos em mais de 50%;
  • deitar em pronação, ou seja de barriga para baixo, em colchões e travesseiros macios aumenta em 20 vezes o risco da síndrome da morte súbita infantil;

Referências

  1. Morte súbita. Visitado em 16 de julho de 2013.
  2. (em inglês) Página sobre SMSI no Canadá
  3. Síndrome da morte súbita infantil (em pt-BR) Site Drauzio Varella. Visitado em 2016-01-19.
Ícone de esboço Este artigo sobre Saúde é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.