Santa Rosa (galeão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Santa Rosa
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção Ribeira das Naus - Lisboa
Lançamento 1715
Patrono Santa Rosa de Lima
Período de serviço 1715 - 1726
Estado Naufragado
Características gerais
Tipo de navio Galeão
Deslocamento 1 100 t
Comprimento 56 m
Propulsão Três mastros de velas
Tripulação c. 700

A Santa Rosa foi um galeão de guerra da Marinha Portuguesa do século XVIII.

História[editar | editar código-fonte]

Lançada ao mar na Ribeira das Naus em 1715, tinha 3 mastros, 56 metros de comprimento, pesava 1.100 toneladas, e estava artilhada com 70 canhões.

O seu primeiro grande feito foi a participação vitoriosa na batalha do Cabo de Matapão (atual cabo Tenaro), na Grécia, em Abril de 1717. D. João V, atendendo a um pedido do Papa Clemente XI, enviou em socorro da Santa Sé, ameaçada pelos Turcos, uma poderosa esquadra comandada pelo conde de Rio Grande. Nesta batalha, confrontaram-se a esquadra formada a pedido do Papa (sete embarcações portuguesas e 30 galeras de Malta, Veneza e dos Estados Pontífices) e a do sultão Ahmed de Constantinopla (54 galeras), que tentava expandir os seus domínios no Mediterrâneo. Após quase um dia de batalha, os turcos foram derrotados, tendo perdido diversas embarcações e mais de 2000 homens, enquanto que a frota católica perdeu apenas 300 homens.

Após o retorno a Portugal, a Santa Rosa passou a realizar diversas missões de escolta e combate à pirataria, até ser destacada para proteger as frotas anuais do Brasil.

O naufrágio[editar | editar código-fonte]

Em 20 de Março de 1726, uma frota de 18 embarcações partiu de Portugal com destino ao Brasil. Dela faziam parte duas embarcações de guerra, a Nossa Senhora de Nazareth e a Santa Rosa, esta última sob o comando do capitão Bartolomeu Freire de Araújo.

A frota chegou a Salvador após dois meses e quatro dias de navegação.

Durante dois meses e meio, foram procedidas as operações de descarga e carga. Nesse ínterim, além das embarcações chegadas do Reino, juntaram-se à frota, para retorno, mais 37 embarcações. O volume de géneros transportados para a Metrópole era considerável: cerca de 27 mil rolos de tabaco, 13 mil caixas de açúcar, além de 20 mil couros, milhares de cocos e, um grande número de arcas e baús de jacarandá com cerca de 10 toneladas de moedas de ouro, além de ouro em pó e em barras, diamantes e pedras semi-preciosas. Esta fortuna foi dividida entre as duas embarcações de guerra, cabendo ao Santa Rosa cerca de 6,5 toneladas que faziam parte do Quinto da Coroa Portuguesa.

A frota foi organizada e partiu de Salvador a 24 de Agosto de 1726, exatamente 3 meses após a sua chegada.

No dia seguinte, um forte temporal atingiu a frota que acabou por se separar em dois grupos. Tendo o mau tempo perdurado por mais alguns dias, a Santa Rosa, escoltando um grupo de navios, tentou prosseguir e voltar para a rota normal, mantendo-se a cerca de 6 léguas ao largo da costa. Duas semanas após zarpar, a 6 de Setembro, registrou-se uma violenta explosão na Santa Rosa, que levou ao seu naufrágio.

Até hoje não são claros os reais motivos da explosão.[1] A hipótese mais aceita é a de que o capitão Bartolomeu Freire manteve acirrada discussão com o comandante do regimento de soldados que se encontrava a bordo, e após as Ave Marias, alguém desceu até o paiol de pólvora, nele tendo ateado fogo. Acredita-se que, para as necessidades de 70 bocas de fogo, o paiol armazenasse na ocasião mais de 200 barris de pólvora.

Como resultado, dos mais de 700 homens a bordo, não mais do que 2 ou 3 dezenas devem ter sobrevivido à explosão e ao rápido naufrágio. Desse pequeno grupo, somente 7 homens, agarrados a tábuas, foram recolhidos no dia seguinte. Os outros pereceram vencidos pela fadiga, pelos ferimentos ou pelo ataque dos tubarões.

As demais embarcações chegaram a Lisboa a 17 de Novembro; dos 7 náufragos resgatados, apenas 3 concluíram a viagem com vida.


Referências

  1. Em 1648, o comandante da Nossa Senhora do Rosário, navio português menor que o Santa Rosa, vendo-se subjugado pela nau neerlandesa Utrecht, ateou fogo em seu próprio paiol de pólvora, no momento em que estava prestes a ser abordado. Com a explosão ambas as embarcações naufragaram.

Ver também[editar | editar código-fonte]