Selfridges

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Selfridges
Selfridges - geograph.org.uk - 240307.jpg
Tipo: Privada
Gênero: Loja de departamentos
Fundada: 1909
Fundador: Harry Gordon Selfridge
Localização: Londres, Inglaterra
Industria: Varejo
Produtos: Qualidade/estilo de vida
Empregados: cerca de 6000
Proprietário: Galen Weston
Website: [1]

Selfridges, também conhecida como Selfridge & Co., é uma cadeia de lojas de departamento no Reino Unido fundada por Harry Gordon Selfridge. A loja original abriu na Oxford Street em Londres em 15 de março de 1909 e era, na altura, a segunda maior loja do Reino Unido (depois do Harrods).[1]

Nos anos 1940, as lojas de província mais pequenas do grupo foram vendias à John Lewis Partnership e, em 1951, a loja original na Oxford Street foi vendida à cadeia de lojas de departamento Lewis.[2] Na década seguinte, em 1965, tanto a Selfridges como a John Lewis foram adquiridas pelo Sears Group de Charles Clore.[3] O Sears Group expandiu a Selfridges ao abrir filiais em Manchester e em Birmingham.[4] Em 2003, o empresário canadiano Galen Weston adquiriu a cadeia de lojas da Selfridges por 598 milhões de libras.[5]

Os primeiros anos da loja foram dramatizados na série Mr Selfridge.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A história de sucesso do Selfridge's deve-se, em grande parte, ao marketing inovador e implacável que foi empregado principalmente na loja original de Oxford Street. Sendo de origem americana, Harry Gordon Selfridge tentou desmistificar a ideia de que o consumismo era um fenómeno exclusivamente americano.[7] Ele tentou fazer o acto de fazer compras algo divertido e uma forma de lazer e não apenas uma tarefa, o que o levou a transformar a loja de departamento num marco social e cultural que fornecia um espaço público onde as mulheres podiam estar confortáveis e tratar delas próprias.[7] Para enfatizar a importância da criação de um ambiente acolhedor, Selfridge colocou a mercadoria à vista dos clientes para que estes a pudessem avaliar com os seus próprios olhos, mudou o balcão de perfumes (que dava grandes lucros) para a entrada da loja e criou políticas que tornavam as compras mais seguras e fáceis para o cliente. Estas técnicas foram adotadas por uma grande parte das lojas de departamento modernas um pouco por todo o mundo.

A origem da frase "o cliente tem sempre razão" é atribuída a Selfridge ou à loja de departamentos onde este trabalhou durante 25 anos, a Marshall Field em Chicago e a Selfridges utilizava-a frequentemente nas suas campanhas publicitárias.[8]

Selfridge, que se interessava pela educação e temas científicos, organizou várias exposições na sua loja uma vez que acreditava que estas eram uma forma de atrair novos clientes e constituíam um bom investimento a longo prazo.

A Selfridges de Oxford Street durante a época de Natal de 1944

Em 1909, após a primeira travessia num avião do Canal da Mancha, o monoplano utilizado por Louis Blériot foi exibido na Selfridges e visto por 12 000 pessoas.[1] John Logie Baird utilizou também a loja para fazer a primeira demonstração pública de imagens em movimento através da televisão entre 1 e 27 de abril de 1925.[9] Nas décadas de 1920 e 1930, o telhado da loja tinha jardins, cafés, um campo de mini-golfe e um clube de tiro exclusivamente feminino. O telhado, com as suas vistas espetculares de Londres, foi um local popular de passeio e foi utilizado em diversas ocasiões para desfiles de moda. Durante a Segunda Guerra Mundial, a loja foi bombardeada, mas sofreu poucos danos. No entanto, os jardins foram destruídos e só voltariam a abrir ao público em 2009.[10]

Em 1932 foi instalado um sismógrafo Mine-Shaw no terceiro andar da loja de Oxford Street. Este foi colocado num dos principais pilares do edifício e aí permaneceu despercebido ao movimento do público. Em 11 de junho de 1938 conseguiu registar um terramoto na Bélgica que também foi sentido em Londres. Em 1947 o aparelho foi doado ao British Museum. Em 1943, a loja acolheu na sua cave o enorme aparelho SIGSALY que servia para proteger as comunicações entre oficiais britânicos e norte-americanos (com destque para Winston Churchill e Franklin D. Roosevelt) durante a Segunda Guerra Mundial. O aparelho estava ligado aos escritórios do Gabinete de Guerra que ficava a cerca de 1,5 km da loja.[11]

Loja da Selfridges em Birmingham

Em 1926, a Selfridges criou a empresa Selfridge Provincial Stores para gerir as dezasseis lojas filiais que tinha aberto ao longo dos anos. No entanto, todas estas lojas foram vendidas à John Lewis Partnership em 1940. Em 1951, a cadeia de loja de departamentos Lewis comprou a loja de Oxford Street e geriu-a até o Sears Group adquirir todas as lojas em 1965.[12] Sob a gestão do Sears Group, a Selfridges expandiu-se para Ilford e Oxford, mas estas lojas mudaram de nome para Lewis em 1986. Em 1990, a Sears Holding separou a Selfridges da Lewis e fez da Lewis a gestora principal um ano depois. Em março de 1998, a marca Selfridge alcançou a sua posição atual no mercado com a abertura da sua loja no Manchester Trafford Centre e a saída do grupo Sears.

Após o sucesso da sua loja em Manchester, a Selfridges anunciou a abertura de mais uma loja na cidade em Exchange Square. Esta loja abriu em 2002 e em 2003 foi inaugurada mais uma loja, desta vez em Birmingham.[13]

Em 2003, o canadiano Galen Weston adquriu a cadeia de lojas Selfridges por 598 milhões de libras e juntou-se ao Selfridges Group que também é dono da Brown Thomas na Irlanda, da Holt Renfrew no Canadá e da Bijenkorf na Holanda. Weston é um especialista em varejo que também é dono de uma das maiores cadeias de hipermercados do Canadá e preferiu renovar a loja de Oxford Street em vez de abrir novas lojas.[14]

Em outubro de 2009, a Selfridges reabriu os famosos jardins e inaugurou o restaurante Forrest on the Roof.[15] Em julho de 2011, a Truvia, uma marca de adoçante, criou um lago verde com barcos que inclui uma cascata, um bar de cocktails e uma floresta com estévias.[16]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Our Heritage». Selfridges. Consultado em 21 de fevereiro de 2012 
  2. «Lewis's». The Liverpool Wiki. Consultado em 20 de julho de 2013 
  3. Davenport-Hines, Richard (2004). «Clore, Sir Charles (1904–1979)». Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press 
  4. «Land Securities – Retail – Birmingham, Bull Ring». PropertyMall.com. 18 de fevereiro de 2000. Consultado em 21 de fevereiro de 2012 
  5. «Selfridges UK expansion capped». BBC News. 28 de outubro de 2003. Consultado em 12 de fevereiro de 2012 
  6. Singh, Anita (24 de setembro de 2012). «From Selfridges to John Lewis, we've a treat in store». The Daily Telegraph. London: telegraph.co.uk. Consultado em 24 de setembro de 2013 
  7. a b Rappaport, Erika (1 de outubro de 2001). Shopping for Pleasure: Women in the Making of London's West End. (em English) Reprint edition ed. [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 9780691044767 
  8. «The customer is always right - meaning and origin.». www.phrases.org.uk. Consultado em 23 de março de 2016 
  9. «JOHN LOGIE BAIRD - THE INVENTOR OF TELEVISION». www.teletronic.co.uk. Consultado em 23 de março de 2016 
  10. «THE HISTORY OF THE SELFRIDGES ROOF». www.selfridges.com. Consultado em 23 de março de 2016 
  11. Weadon, P. (janeiro de 2009). "Sigsaly Story". National Security Agency Central Security Service.
  12. Davenport-Hines, Richard (2004). "Clore, Sir Charles (1904–1979)", Oxford University Press
  13. «Selfridges UK expansion capped». BBC. 28 de outubro de 2003 
  14. «Loblaw's Weston family's deal-making timeline - BNN News». www.bnn.ca. Consultado em 23 de março de 2016 
  15. «Forest on the roof». www.selfridges.com. Consultado em 23 de março de 2016 
  16. «A lake with a view: Selfridges unveils boats and a cocktail bar as it opens its roof for the first time since WWII». Mail Online. Consultado em 23 de março de 2016