Sidney Fox

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sidney Fox
Conhecido(a) por Microesfera
Nascimento Sidney Walter Fox
24 de março de 1912 (105 anos)
Los Angeles, Califórnia
Morte 10 de agosto de 1998
Mobile, Alabama
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Campo(s) bioquímico

Sidney Walter Fox (Los Angeles, 24 de Março de 1912 - 10 de Agosto de 1998) foi um bioquímico estadunidense. Dedicou seus estudos à química das proteínas e à origem da vida[1] . Conquistou notoriedade na grande imprensa ao pretender que os agregados esféricos (microesferas) que obteve ao suspender em água o material obtido pela desidratação térmica de aminoácidos (proteinóides) poderiam ser equiparados às formas primitivas de vida.

Sidney Fox, em 1957, demonstrou que aminoácidos aquecidos ligavam-se e formavam compostos semelhantes às proteínas.

O resultado de Fox reforça as ideias atuais, ou seja, os aminoácidos trazidos pela chuva, ao entrar em contato com as rochas quentes, se combinariam formando as proteínas.

Nos mares, as proteínas se agregariam formando os coacervados.

A evolução do coacervado até o primeiro ser vivo é muito grande.deve ter sido um processo lento e gradativo nos mares primitivo, a chamada "sopa primordial".

Acreditamos que um coloide, para se tornar um ser vivo, teria de adquirir varias propriedade, tais como:

  • Capacidade de metabolismo, isto é, deveria ser capaz de realizar varias reações próprias dos seres vivos.
  • Capacidade de autoduplicação com transmissão das características hereditárias; todos os seres vivos possuem essas características codificadas em ácidos nucleicos.

Acredita-se que a sequência evolutiva deve ter sido:

  1. O primeiro ser vivo deveria ser heterótrofo, pois é o mais simples e havia bastante alimento disponível.
  2. O primeiro processo de respiração deveria ser anaeróbio (fermentação) porque é o processo mais simples e não havia oxigênio.
  3. A multiplicação desses organismos deve ter provocado a escassez do alimento e uma grande mortandade.
  4. Deve ter evoluído, desses seres, algum organismo primitivo autótrofo que produzia seu próprio alimento e servia de alimento para os outros.
  5. O ser autótrofo começou a liberar O para a atmosfera.
  6. Nessas condições foi possível evoluir um ser com respiração aeróbica, que utilizava o O² da atmosfera. O processo de respiração aeróbica produz maior quantidade de energia que a fermentação.

A maioria dos seres vivos atuais, seja autótrofo ou heterótrofo, utiliza o O² na respiração por ser um processo de maior rendimento energético.

Os seres vivos que conhecemos hoje possivelmente evoluíram dessas formas iniciais através de bilhões de anos . A ciência que estuda essas transformações é a Evolução.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.