Sistema autônomo (Internet)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Na Internet, um sistema autônomo (AS) é uma coleção de prefixos de roteamento conectados por Protocolo Internet (IP) sob o controle de um ou mais operadores de rede que apresenta uma política comum e claramente definida de roteamento para a Internet (ver RFC 1930, Seção 3).

Originalmente, essa definição exigia o controle por uma única entidade, normalmente um provedor Internet (PSI) ou uma grande organização com ligações a várias redes independentes, que façam parte de uma política única e claramente definida de roteamento, como inicialmente definido na RFC 1771.[1] A nova definição da RFC 1930 entrou em uso devido ao fato de várias organizações poderem rodar BGP usando números AS privados a um PSI que as conecte à Internet. Embora existam vários sistemas autônomos suportados pelo provedor, a Internet só visualiza a política de roteamento do provedor. Isso se ele tiver registrado um Número de Sistema Autônomo (ASN) oficialmente.

Um ASN único é atribuído a cada AS para uso em roteamento BGP. Números AS são importantes porque o ASN identifica cada rede na Internet.

Até 2007, os números de AS foram definidos como inteiros de 16 bits, o que permitia um máximo de 65536 atribuições. A Internet Assigned Numbers Authority (IANA) designou os números ASN 64512 até 65534 a serem utilizados para fins privados. O ASN 0, 56320-64511 e 65535 e são reservados pelo IANA e não devem ser usados em nenhum ambiente de roteamento. O ASN 0 pode ser usado para identificar redes não-roteadas. Todos os demais ASNs (1-54271) estão sujeitos a atribuição pela IANA, e, até 09 de setembro de 2008, somente o trecho entre 49152-54271 permanecia sem atribuição. A RFC 4893 apresentou os números AS de 32 bits, que a IANA começou a alocar. Estes números são escritos ou como inteiros simples, ou em forma x y, onde x e y são números de 16 bits. Números do formulário 0.y são exatamente os números AS antigos de 16 bits; números 1.a e 65535.65535 são reservados, e o restante do espaço está disponível para alocação. A representação textual aceita de Números de Sistema Autônomo é definida na RFC 5396.[2]

O número de redes autônomas únicas no sistema de roteamento da Internet ultrapassou 5.000 em 1999, 30.000 no final de 2008 e 35.000 no verão de 2010[3]

Atribuição[editar | editar código-fonte]

Números AS são atribuídos em blocos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) para Registros Regionais da Internet (RIR). O RIR apropriado então atribui números AS para entidades dentro de sua área designada do bloco atribuído pelo IANA. As entidades que pretendam receber um ASN devem concluir o processo de aplicação do seu respectivo RIR local e deve ser aprovado antes de ter um ASN atribuído. As atribuições de ASN atuais da IANA ASN podem ser encontradas no site da IANA.[4]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Sistemas Autônomos podem ser agrupados em três categorias, dependendo de sua conectividade e de sua política operacional.

Um Sistema Autônomo multihomed é um AS que mantém ligações com mais de um AS. Isso permite a ele manter-se conectado à Internet em caso de um colapso total de uma das suas conexões. No entanto, este tipo de AS não permitiria que o tráfego de um AS seja enviado para outro AS.

Um Sistema Autônomo stub refere-se a um AS que está ligado a apenas um outro. Isso pode aparentar como uso desnecessário de um número AS, se a política de roteamento da rede do AS acima desse for a mesma. No entanto, o stub AS pode na verdade ter peering com outros sistemas autônomos que não se aparecem em servidores Looking Glass públicos. Exemplos específicos incluem interligações privadas nos setores financeiros e de transportes.

Um Sistema Autônomo de trânsito é um AS que permite conexões através de si mesmo para outras redes. Ou seja, uma rede A pode se conectar à rede B, um AS de trânsito, para se conectar à rede C. PSIs são sempre ASs de trânsito, porque eles fornecem conexões de uma rede para outra. O PSIs são considerados serviço de trânsito de venda para a rede do cliente, por isso é utilizada a expressão AS de trânsito.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. RFC 1771, definição original (agora obsoleta) do Border Gateway Protocol (BGP)
  2. RFC 5396,Textual Representation of Autonomous System (AS) Numbers, G. Huston, G. Michaelson, The Internet Society (December 2008)
  3. Tony Bates, Philip Smith, Geoff Huston. CIDR report. Página visitada em 2010-09-17.
  4. Números de Sistemas Autônomos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]