Soyuz MS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Soyuz MS
Origem
País  Rússia
Fabricante RKK Energia
Operação
Transporte humano entre a Terra e a ISS.
Tipo de missão
Versão específica para transporte espacial
Características físicas
Altura 7,48 m
Diâmetro 2,72 m Largura máxima com os painéis solares abertos em órbita:10,7 m[1]
Volume 10.5 m³ Habitável:8,5 m³[1]
Massa 7.080 kg
Tripulação 3

Soyuz MS é o novo modelo de nave espacial russa Soyuz, sucessora dos tipos TMA e TMA-M, usados para o transporte de seres humanos entre a Terra e a Estação Espacial Internacional. Seu desenho é basicamente o mesmo das anteriores – com três módulos: serviço, orbital e reentrada – sendo as modificações realizadas em sua maioria na área de computadorização e telemetria da espaçonave. A primeira delas, Soyuz MS-01, foi ao espaço em 7 de junho de 2016, levando para a ISS três membros da tripulação da Expedição 48.[2]

As principais modernizações feitas são:[3]

  • painéis solares mais eficientes na coleta de energia
  • motores de controle de altitude e de docagem modificados, para aumentar a tolerância de erro durante a acoplagem a queima de motores para a reentrada.
  • um sistema mais moderno de docagem e aproximação
  • um sistema mais moderno de telecomunicações.
  • o novo computador TsVM-101, com um peso de quase um décimo (8,3 kg vs 70 kg) e muito menor que o anterior, o Argon-16.
  • sistemas unificados de telemetria e comando (MBITS) que possibilita a espaçonave a receber telemetria via satélite e controlá-la quando estiver fora das vistas das estações de controle terrestre.
  • uso dos sistemas de localização por satélite LONASS/GPS e COSPAS-SARSAT, para as operações de busca e resgate das cápsulas após o pouco em lugares ermos.
A Progress MS-1 em sua aproximação final à ISS após seu lançamento em dezembro de 2015.

Um veículo de carga não-tripulado da mesma série, a Soyuz Progress MS-1, já foi lançado à ISS em 21 de dezembro de 2015.[4] Ele tem as seguintes modernizações com relação às naves não-tripuladas Progress anteriores:[5]

  • novo compartimento de carga exterior que o permite lançar satélites. Cada compartimento pode conter até quatro lançadores de satélites.
  • redundância reforçada graças à adição de um sistema de backup de motores elétricos para a acoplagem e mecanismo de vedação.
  • proteção contra micrometeoritos reforçada com painéis adicionais no compartimento de carga.
  • Links para satélites de comunicação em sincronia russos Luch permitindo controle e telemetria mesmo quando fora de visão dos controles ou ondas de rádio da terra.
  • navegação autônoma por satélite que permite determinação de vetor de status em tempo real e parâmetros orbitais, dispensando a necessidade de controle de terra para a determinação de órbita.
  • novo sistema de rádio digital que permite visão por câmera de tv das operações de acoplagem.
  • troca do sistema de radiotelemetria Kurs A pelo mais moderno Kurs NA, que necessita apenas de uma antena ao invés das cinco anteriores e consome menos energia.

Referências

  1. a b «Soyuz MS». Spaceflight101. Consultado em 9 de julho de 2016 
  2. «First Soyuz MS arrives at ISS». russianspaceweb.com. Consultado em 9 de julho de 2016 
  3. «Soyuz-MS 1 - 12». Gunter's Space Page. Consultado em 2 de março de 2016 
  4. «Russian Progress MS-Cargo Spacecraft to Be Launched de dezembro de 21» (em Sputniknews.com). Consultado em 2 de março de 2016 
  5. «Upgraded Progress Transport Cargo Spacecraft Getting Ready for Launch». Yuzhny Space Center. 10 de agosto de 2015. Consultado em 13 de agosto de 2015 
Precedido por
Soyuz TMA-M
Naves das Missões Soyuz
2016
Sucedido por