Superávite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Superavit)
Ir para: navegação, pesquisa

Superávite [1][2] (do latim superavit, cujo significado literal é "sobrou"[3], com o significado de "excedente") é um termo econômico com aplicações em diversas ciências e áreas. Em contabilidade, superávite é o termo genérico que se dá a uma conta de balanço de entidades com finalidades econômicas (direito privado) ou da administração pública que, em geral, corresponde à conta "lucro do exercício" dos balanços empresariais privados.

Em administração, superávite é o resultado derivado da execução orçamental que aferiu mais ganhos do que gastos. Nesse caso, o orçamento é chamado de superavitário. O resultado oposto denomina-se "deficit" (ou défice).

Em economia ou contabilidade nacional, quando há uma diferença positiva entre receita e despesa na balança comercial de um país, esta passa a ser superavitária, sobrando, ao país, capital para ser reinvestido no seu sistema financeiro.

Aplicação econômica do superavit[editar | editar código-fonte]

O controle monetário há que ser executado de forma que não haja deflação, que é tão maléfica para o sistema financeiro quanto a inflação, pois ambas causam recessão. Como John Maynard Keynes declara, em sua obra A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936):

Assim, Keynes propunha que o estado se transformasse num motor do desenvolvimento, intervindo de forma cíclica e positiva, criando ora superavit, ora déficit, na macroeconomia e na microeconomia.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «O superávite, os superávites: o correto aportuguesamento de superavit e superavits». DicionarioeGramatica.com. Consultado em 2015-11-29. 
  2. «Significado / definição de superávite no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 2015-11-29. 
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 629.