TON 618

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Coordenadas: Sky map 12h 28m 24.97s, +31° 28′ 37.7″

TON 618
Dados observacionais (J2000)
Constelação Canes Venatici
Ascensão reta 12h 28m 24.9s}[1]
Declinação +31° 28′ 38″[1]
Distância 3,18 Gpc (1,04×1010 ly)[1] anos-luz
Tipo Quasar[1]
Magnit. apar. -26.6
Outras denominações FBQS J122824.9+312837, B2 1225+31, B2 1225+317, 7C 1225+3145[1]
[[Imagem:|250px|]]

TON 618 é um quasar muito distante e extremamente luminoso localizado próximo ao Pólo Norte Galáctico na constelação de Canes Venatici. TON 618 é atualmente o buraco negro mais massivo já encontrado, com uma massa de 66 bilhões de massas solares.[2]

História observacional[editar | editar código-fonte]

Visto que os quasares não eram conhecidos até 1963,[3] a natureza deste objeto era desconhecida quando foi observada pela primeira vez em uma pesquisa, de 1957, sobre estrelas azuis fracas (principalmente anãs brancas) que se encontram longe do plano da Via Láctea. Em chapas fotográficas tiradas com o telescópio Schmidt no Observatório Tonantzintla, México, parecia "decididamente violeta" e foi listado como o número 618 no catálogo Tonantzintla.[4]

Em 1970, uma varredura de rádio em Bolonha descobriu uma emissão de rádio do TON 618, indicando que era um quasar.[5] Marie-Helene Ulrich então obteve espectros ópticos do buraco negro no Observatório McDonald, que mostraram linhas de emissão típicas de um quasar. Pelo redshift das linhas, Ulrich deduziu que TON 618 estava muito distante e, portanto, era um dos quasares mais luminosos conhecidos.[6]

Buraco negro supermassivo[editar | editar código-fonte]

Como um quasar, acredita-se que o TON 618 seja um disco de acreção de gás intensamente quente girando em torno de um buraco negro gigante no centro de uma galáxia . A luz proveniente do quasar é estimada em 10,4 bilhões de anos. A galáxia circundante não é visível da Terra, porque o próprio quasar a ofusca. Com uma magnitude absoluta de −30,7, ele brilha com uma luminosidade de 4 watts, ou tão brilhante quanto 140 trilhões de sóis, tornando-o um dos objetos mais brilhantes do Universo conhecido.

As linhas de emissão no espectro do TON 618 são excepcionalmente amplas,[6] indicando que o gás está viajando muito rápido; a linha beta do hidrogênio mostra que ele está se movendo a 7 mil km/s.[2] Portanto, o buraco negro central deve estar exercendo uma força gravitacional particularmente forte.

O tamanho da linha de emissão larga pode ser calculado a partir do brilho da radiação do quasar que a está iluminando.[7] Pelo tamanho dessa região e a velocidade em que orbita, a lei da gravidade revela que a massa do buraco negro TON 618 é de 66 bilhões de massas solares.[2] Com uma massa tão alta, o TON 618 é classificado como buraco negro supermassivo.[8][9] Um buraco negro desta massa tem um raio de Schwarzschild de 1 300 UA (Uma UA é a distância entre a Terra e o Sol).[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «NED results for object TON 618». NASA/IPAC EXTRAGALACTIC DATABASE 
  2. a b c «Near-infrared spectroscopy of high-redshift active galactic nuclei: I. A metallicity-accretion rate relationship». The Astrophysical Journal. 614: 547–557. Bibcode:2004ApJ...614..547S. arXiv:astro-ph/0406559Acessível livremente. doi:10.1086/423607 
  3. «1963: Maarten Schmidt Discovers Quasars | Everyday Cosmology». cosmology.carnegiescience.edu. Consultado em 26 de agosto de 2020 
  4. «Blue stars in the North Galactic Cap» (PDF). Boletín de los Observatorios de Tonantzintla y Tacubaya. 2: 3–36 
  5. «A catalogue of 3235 radio sources at 408 MHz». Astronomy & Astrophysics Supplement Series. 1. Bibcode:1970A&AS....1..281C 
  6. a b «Optical spectrum and redshifts of a quasar of extremely high intrinsice luminosity: B2 1225+31». The Astrophysical Journal. 207: L73–L74. Bibcode:1976ApJ...207L..73U. doi:10.1086/182182 
  7. «Reverberation measurements for 17 quasars and the size-mass-luminosity relations in active galactic nuclei». The Astrophysical Journal. 533: 631–649. Bibcode:2000ApJ...533..631K. arXiv:astro-ph/9911476Acessível livremente. doi:10.1086/308704 
  8. «"Ultramassive" black holes may be the biggest ever found – and they're growing fast». New Atlas (em inglês). 21 de fevereiro de 2018. Consultado em 26 de agosto de 2020 
  9. Boen, Brooke (6 de junho de 2013). «From Super to Ultra: Just How Big Can Black Holes Get?». NASA (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2020 
  10. Yonck, Richard (2020). Future Minds: The Rise of Intelligence from the Big Bang to the End of the Universe 1 ed. New York, NY: Simon and Schuster. 336 páginas. ISBN 9781948924405. OCLC 1127068635