Taifa de Arcos de la Frontera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Reis taifas de Arcos

Dinastia zenata (1012-1069)

A taifa de Arcos (Arcos de la Frontera) foi um reino independente muçulmano que surgiu em 1012 no Al-Andalus, com a desintegração que, desde 1008, vinha sofrendo o Califado de Córdova. Desapareceu em 1069 quando se integrou na Taifa de Sevilha.

Origem[editar | editar código-fonte]

A família berbere dos Banu Jizrun, pertencente à dinastia dos zenatas, encabeçada por Muhammad I ficou com o poder da Cora de Sidônia e, após expulsar o governador omíada que a regia, proclamou a sua independência, originando o reino taifa de Arcos em 1012, com capital na atual cidade de Arcos de la Frontera.

Os reinos de taifas em 1031.

Taifa[editar | editar código-fonte]

Considerada uma taifa menor, bem como as de Algarve, Algeciras, Carmona, Huelva, Mertola, Morón, Niebla, Ronda, e Silves terminariam sendo conquistadas e integradas na grande taifa de Sevilha.

A taifa de Arcos esteve a ponto de desaparecer como entidade independente em 1053 quando Al-Mutadid fez encarcerar em Sevilha a Abdun ben Muhammad junto aos reis das taifas de Ronda e Morón, circunstância que aproveitou Muhammad II para ficar com o poder que exerceria até Al-Mutadid, o rei da taifa sevilhana, conquistar a taifa de Arcos em 1069.[1]

Referências

  1. Historia de España Menéndez Pidal (1999). Tomo VIII-I: Los Reinos de Taifas, pag. 51-52