Tannhäuser und der Sängerkrieg aus Wartburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tannhäuser
(personagem-título)
Idioma original Alemão
Compositor Richard Wagner
Libretista Richard Wagner
Tipo do enredo Religioso
Número de atos 3
Número de cenas 4
Ano de estreia 1845
Local de estreia Dresden

Tannhäuser und der Sängerkrieg aus Wartburg (Tannhäuser e o torneio de trovadores de Wartburg, em alemão) é uma ópera em três atos com a música de Richard Wagner, e com o libreto do próprio compositor. Estreou no ano de 1845 na cidade Dresden, na Alemanha, e tinha como título original "Der Venusberg".[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Baseada numa lenda medieval, conta a história de Tannhäuser, um menestrel que se deixa seduzir pela deusa Vênus e vai viver com ela nas colinas de Vênus, onde permanece durante um ano. Sentindo falta da vida na Terra, ele pede a ela que o liberte. Depois de uma discussão, ela o faz. Assim que retorna à Terra, Tannhäuser encontra seus antigos amigos, que o levam a um torneio de trovadores. Para esses poetas, o ideal de amor deve ser sublime e elevado. Quando Tannhäuser defende deliberadamente o amor carnal de Vênus, é reprimido pelos trovadores e consolado apenas por Elisabeth, uma virgem que o ama muito. É-lhe dito que sua única chance de perdão é dirigir-se ao Vaticano e rogar o perdão do Papa.

Tannhäuser segue, então, com o torneio até Roma, mas de maneira autopunitiva: dormindo sobre a neve, enquanto os demais estão no alojamento; caminhando descalço sobre o chão quente, passando fome - tudo isso com os olhos vendados, para não ver as belas paisagens da Itália. Ao chegar diante do papa, em vez de obter o perdão, ouve o papa dizer que é mais fácil o cajado que ele segura florescer do que ele obter o perdão dos pecados, tanto no céu quanto na terra.

Odiando a igreja, Tannhäuser volta à Alemanha, e Elisabeth sobe aos céus, rogando a Deus que interceda por ele. Os trovadores voltam com a notícia de que o cajado do papa floresceu, simbolizando que um pecador obteve no céu o perdão que não obteve na terra.

Passagens musicais famosas[editar | editar código-fonte]

Tannhäuser é uma das poucas óperas convencionais de Wagner (com árias, recitativos, duetos, coros, etc.). Podem ser citadas como famosas as seguintes passagens:

  • Abertura
  • Dueto de Venus e Tanhäuser - "Geliebter, sag…"
  • Entrada dos Convidados - "Freudig begrüssen…"
  • Coro dos Peregrinos - "Beglückt darf nun dich…"
  • Ária de Wolfram - "Wie Todes Ahnung…"
  • Ária de Elisabeth - "Dich, teure Halle"
  • Finale da Ópera - "Heil! Der Gnade wünder Heil!..."

Referências

  1. Grabbe, Paul (1940). «Overture to "Tannhäuser"». The Story of One Hundred Symphonic Favorites (em inglês) (Nova Iorque: Grosset & Dunlap). pp. 227–228. ISBN 9781299204102. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]