Teleprompter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A imagem do monitor é refletida em um espelho prateado montado num ângulo de 45° com relação à lente da câmera.

Um teleponto ou teleprompter[1][2][3][4] (anglicismo) é um equipamento acoplado às câmaras de vídeo que exibe o texto a ser lido pelo apresentador.[4] É a forma mais eficiente de exibir textos para apresentadores, especialmente em segmentos longos. Existem dois tipos de telepontos de câmara: Hard copy e Soft copy.

Descrição[editar | editar código-fonte]

As pessoas que trabalham frente às câmaras de TV utilizam diferentes tipos de pontos, para auxiliar a leitura de seus textos. A maioria dos telepontos, prompters ou teleprompters[nota 1] (assim conhecidos devido ao fabricante original) apresentam na frente da câmara uma imagem dos textos refletidos em um espelho. A imagem do texto no teleponto é eletronicamente invertida da esquerda para a direita para que a imagem no espelho apareça corretamente.

Sendo apenas meio espelhado, o espelho funciona de duas maneiras. Primeiro reflete a imagem gerada na tela do teleponto, permitindo que o apresentador leia o texto. Segundo, devido a sua semitransparência o espelho permite que quase toda a luz da cena passe através de sua superfície e seja captada pela lente da câmara. Quando o apresentador está lendo no teleponto, temos a impressão de que ele está olhando directamente para a lente da câmara e consequentemente para a audiência. Para evitar uma aparência de rigidez, alguns repórteres desvíam o olhar da câmera periodicamente para suas anotações, especialmente quando querem dar ênfase a factos e números.

Outros preferem utilizar grandes cartões (cue cards) com o texto escrito com um pincel atómico em letras grandes. Este método no entanto é muito limitado. O uso de cartões além de requerer uma pessoa extra para segurar o cartão, obriga o apresentador a desviar constantemente o seu olhar da câmera para ler o texto. Muitos repórteres de TV simplesmente utilizam um pequeno bloco no qual anotam nomes, números e outros dados importantes. Normalmente os repórteres memorizam os textos das passagens e encerramento de suas matérias, e leem o texto do off fora de cena. Alguns repórteres aperfeiçoaram a uma técnica bastante engenhosa: após redigir a nota completa, eles gravam o texto numa fita de áudio, e na hora de gravar em frente da câmara, utilizam um pequeno fone de ouvido e vão repetindo o texto previamente gravado no audiocassete (uma espécie de ponto eletrónico). Esta técnica requer prática, concentração e uma fonte de áudio confiável.

Teleponto Hardcopy (hardcopy memo)[editar | editar código-fonte]

Este tipo de teleprompter que ficou conhecido como hard copy teleprompter utilizava grandes rolos de papel ou acetato. Primeiro o texto era datilografado em letras grandes e frases curtas (de duas a quatro palavras). O papel então era afixado em dois cilindros motorizados, a imagem era captada por uma câmera e mostrada em um monitor. O texto exibido no monitor ia subindo (como nos créditos do cinema) numa velocidade tal que permitisse a leitura fluente. O operador ou o próprio apresentador controlavam a velocidade do movimento utilizando um controle manual. Empregamos o verbo no tempo passado por que os teleprompters hard copy foram substituídos pelos teleprompters Softcopy.

Teleponto Softcopy[editar | editar código-fonte]

Teleponto em uso num programa. (Prompter Softcopy)

Este tipo de teleponto dispensa o papel, apresentando o texto no ecrã de um computador (muito similar ao monitor do seu micro). Este método possui muitas vantagens. Primeiro, sendo o texto uma imagem eletronicamente gerada no computador, o texto fica nítido e fácil de ler. Também é mais fácil fazer alterações de última hora, sem pôr em risco a legibilidade ocasionada por palavras e frases riscadas a lápis ou caneta. Uma vez digitado, o texto no computador pode ser reformatado eletronicamente e apresentado no formato padrão de teleponto (frases curtas com letras grandes e sólidas). Se o monitor do teleponto for colorido, o texto pode conter cores diferentes para marcar o script de diferentes locutores ou para enviar instruções especiais aos apresentadores (e é claro, não deverão ser lidas em voz alta).

-- -JOÃO -- - Este é um exemplo do texto que João irá ler no teleponto

-- -MARIA -- - Este é um exemplo do texto de Maria.

-- -JOÃO -- - Este é um exemplo do texto que João irá ler no teleponto.

-- -MARIA -- - Este é um exemplo do texto de Maria.

Noções de uso[editar | editar código-fonte]

Quando utilizamos qualquer tipo de teleponto devemos sempre considerar uma questão importante: a distância entre o teleponto e o apresentador. Se a câmera for colocada perto do apresentador (para facilitar a leitura), o movimento constante dos olhos, da esquerda para a direita, no ato de ler pode ser perceptível e distrair os telespectadores. Se a câmera for colocada longe, podemos utilizar um zoom in para diminuir o enquadramento e minimizar o problema do movimento ocular; no entanto, a distância extra irá dificultar a leitura. A solução passa por encontrar com o apresentador uma distância câmara/sujeito aceitável - a maior distância possível que não inviabilize a leitura - e mantê-la durante as gravações.

Notas

  1. Em se tratando de anglicismos, as palavras prompter e teleprompter seguem as regras de plural próprias do inglês.

Referências

  1. «Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 30 de junho de 2017 
  2. «Significado de teleprompter». Dicionáro Caldas Aulete. Consultado em 30 de junho de 2017 
  3. «Teleprompter®». Michaelis On-Line. Consultado em 30 de junho de 2017 
  4. a b Moura., Neves, Maria Helena de (2000). Guia de uso do português : confrontando regras e usos. [S.l.]: EDITORA UNESP. p. 742. ISBN 8539303108. OCLC 958528316