Telheiras (Lisboa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
I Festival de Telheiras

Telheiras é um bairro das freguesias do Lumiar e Carnide, portanto na parte Norte do concelho de Lisboa. Não existe um limite geográfico consensual para o bairro, especialmente devido às diversas fases de urbanização que se verificaram.

História[editar | editar código-fonte]

Até aos anos 60, nos arredores de Lisboa, existia ainda a Aldeia de Telheiras, um aglomerado de casas em torno da Estrada de Telheiras, que ligava o Lumiar a Carnide. Possuía uma igreja (Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Porta do Céu, construída no século XVI) e um convento, rodeados de quintas cultivadas.

Nos anos 70, a EPUL (Empresa Pública de Urbanização de Lisboa) planeou a urbanização de Telheiras, pelo que, assim, nasceu o bairro urbano. O bairro prima pela qualidade do planeamento, que previu a construção de ruas largas, arborizadas, edifícios com harmonia geométrica, espaços verdes, espaços livres para equipamentos, etc. Assim, o bairro inicial, hoje chamado de "Telheiras Sul", estava circunscrito por três vias rápidas: 2ª Circular, Eixo Norte-Sul e avenida Padre Cruz. O bairro atraiu essencialmente jovens licenciados, com boas perspectivas de carreira, que rapidamente constituíram numerosas famílias. O bairro rapidamente ganhou a fama de "Bairro de Doutores" e verificou-se, desde então, uma especulação imobiliária incrível, com uma expansão crescente de Telheiras essencialmente para Oeste (em direcção a Carnide) e para Norte (em direcção ao Paço do Lumiar), verificando-se a criação dos "núcleos" urbanos do Parque dos Príncipes, Quinta dos Inglesinhos, Alto da Faia I, II e III. Infelizmente a expansão de Telheiras não foi urbanisticamente planeada, pelo que com o tempo foram corrigidas falhas a nível do espaço público (iluminação, espaços verdes, estacionamento).

Actualmente, a população de Telheiras, apesar de ter envelhecido desde os anos 70, é ainda uma população jovem, no quadro municipal.

Património e equipamentos públicos[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Paroquial de Nossa Senhora das Portas do Céu (neste templo, encontra-se o túmulo do Príncipe de Cândia)[1]
  • Solar da Quinta de São Vicente
  • Adega da Quinta de São Vicente
  • Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro e Auditório
  • Escola Pré-Primária
  • Escola Primária nº57
  • Escola Primária do Alto da Faia
  • Escola E.B. 2+3 de Telheiras nº1
  • Escola E.B. 2+3 São Vicente
  • Escola Profissional de Animação Cultural de Lisboa
  • Escola Alemã de Lisboa
  • Colégio Planalto
  • Colégio Mira Rio
  • Campo Desportivo Multiusos do Alto da Faia
  • Agrupamento de Escuteiros de Telheiras
  • Escola de Condução de Telheiras

Acessibilidades[editar | editar código-fonte]

As acessibilidades de Telheiras são, de facto, uma das mais-valias desta área do bairro, sendo que Telheiras Sul benificia das melhores acessibilidades. Encontra-se rodeado de vias rápidas (2ª Circular, Eixo Norte-Sul, avenida Padre Cruz) que facilmente encaminham os moradores para qualquer área de Lisboa e mesmo para as Auto-Estradas fora da cidade. A nível interno, Telheiras Sul beneficia da estação de metro (linha verde) e da passagem de três carreiras da Carris (47, 767 e 78). A primeira liga o Lumiar à Pontinha e atravessa Telheiras; a segunda vem das Avenidas Novas, atravessa Telheiras e o Parque dos Príncipes e segue para a Damaia; a terceira vem do Campo Grande, atravessa Telheiras e dirige-se para o Alto da Faia. Existe igualmente uma praça de Táxis em Telheiras Sul, numa das ruas centrais. Enquanto Telheiras Sul beneficia desta confluência de acessibilidades, o Alto da Faia I apenas beneficia da carreira 78 e o Alto da Faia II e III beneficiam da carreira 3, que vem do Colégio Militar/Luz e segue para a Ameixoeira.

Comércio e serviços[editar | editar código-fonte]

Distribuídos um pouco por todo o bairro, os estabelecimentos comerciais constituem uma outra mais-valia do bairro. O "comércio de rua" anima e movimenta as ruas de Telheiras. A diversidade satisfaz as necessidades básicas, pela existência de mercearias, padarias, papelarias, etc. e de dois supermercados de grande superficie. Os serviços estendem-se da restauração às empresas imobiliárias, das agências bancárias, aos serviços estéticos. Destaca-se, pela quantidade de movimento, a "Rua dos Cafés", também conhecida como "Docas Secas". São muitas as pessoas de fora do bairro que frequentam os cafés de Telheiras, especialmente em horário nocturno e aos fins-de-semana.

Agrupamento de Escuteiros de Telheiras[editar | editar código-fonte]

A 15 de Janeiro de 1978, entra em funcionamento o Agrupamento em formação de Telheiras, apadrinhado pelo Agrupamento 66 do Lumiar. Mas, só em 1983, a 30 de Novembro foi oficialmente filiado no Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português recebendo o número 683. Nessa altura o seu efectivo era de: 6 Lobitos, 16 exploradores, 10 Caminheiros e 5 Dirigentes. O agrupamento 683 de Telheiras conta actualmente com mais de 100 elementos, e é a maior e a mais antiga associação juvenil de Telheiras com actividade ininterrupta desde 1978. A sede do agrupamento 683 de Telheiras é contígua à actual igreja paroquial de Telheiras.

Associação de Residentes de Telheiras (ART)[editar | editar código-fonte]

Em 1988, numa fase em que ainda se procedia à construção do bairro por parte da EPUL, nasceu a Associação de Residentes de Telheiras (ART), com objetivos urbanísticos e ambientais. Contabiliza quase 30 anos de existência, tem sede própria e, para além de tentar defender os interesses dos moradores, oferece um considerável leque de atividades à população, de âmbito cultural, desportivo, recreativo e informativo.

Viver Telheiras[editar | editar código-fonte]

O Viver Telheiras é uma plataforma de comunicação e informação desenvolvida em articulação com a Parceria Local de Telheiras, cujas instituições integrantes são a sua principal fonte de informação. O Viver Telheiras divulga toda a riqueza e diversidade de Telheiras, para criar novas relações entre todos os intervenientes locais: os que vivem, os que trabalham, as instituições e o comércio local.

Referências

  1. Revista Municipal da Câmara Municipal de Lisboa n.º7, 1.º Trimestre de 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Lugares e Bairros, integrado no Projecto Grande Lisboa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.