Telstar 14R

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Telstar 14R
Localização orbital 63° W
Lançamento 20 de maio de 2011 (2 anos)
Veículo Proton-M
Operador CanadáTelesat Canada
Vida útil 15 anos
Design Space Systems/Loral (SSL)
Cobertura Américas
Órbita Geoestacionária
Peso 5.000 kg
Designação COSPAR 2011-021A

O Telstar 14R (também conhecido como Estrela do Sul 2) é um satélite de comunicação geoestacionário, construído pela Space Systems/Loral (SSL), ele está localizado na posição orbital de 63 graus de longitude oeste e é administrado pela Telesat Canada, com sede no Canadá. O satélite foi baseado na plataforma LS-1300.

História[editar | editar código-fonte]

O Telstar 14R foi concebido para substituir o Estrela do Sul 1/Telstar 14, cujo, painel solar norte não conseguiu abrir após o seu lançamento, o que limitou a eficácia da missão. Infelizmente o Telstar 14R experimentou também o mesmo problema, pois, o seu painel solar norte não abriu totalmente, mas já está em operação apesar dessa falha.[1]

O operador provavelmente será capaz de utilizar 60% da sua capacidade e operar o mesmo durante 12 anos em órbita, apesar do problema, que que será permanente. De acordo com essas estimativas, o Telstar-14R vai oferecer 20% mais capacidade do que o original Telstar 14/Estrela do Sul 1 que se destina a substituir , o que em si foi atingido por uma semelhante disposição solar implantação anomalia em 2004.

O Estrela do Sul 1/Telstar 14 e o Estrela do Sul 2/Telstar 14R são construídos com base no modelo LS-1300, e tem massa de lançamento de cerca de 5000 kg.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O satélite foi lançado ao espaço no dia 20 de maio de 2011, abordo de um International Launch Services Proton-M a partir da Base de lançamento espacial do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. Ele tinha uma massa de lançamento de 5.000 kg. Sua vida útil estimada era de 15 anos.

Capacidade e cobertura[editar | editar código-fonte]

O Telstar 14R é equipado com 46 transponders em banda Ku ativos, dos quais 27 serão fixos e 19 comutável cobrindo o Brasil, o território continental dos Estados Unidos (incluindo o Golfo do México e o norte do Caribe), o Cone Sul da América do Sul, a região Andina (incluindo a América Central e Sul do Caribe), e o norte do Oceano Atlântico. O satélite não conseguiu implantar plenamente o seu painel solar norte e provavelmente vai ser capaz de usar apenas 60 por cento da sua capacidade e operar só por 12 anos em órbita[2] .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências