Teorema de Monge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Animação do teorema de Monge, situação dentro da geometria euclidiana.
Para círculos de mesmo tamanho a terceira interseção ocorrerá no infinito (ponto impróprio), caso não euclidiano.
O teorema é válido no espaço tridimensional com esferas.

Na geometria, o teorema de Monge[nota 1] afirma que para quaisquer três círculos de um plano, os três pontos de interseção, de três pares de retas tangentes externas,[nota 2] serão colineares. Como condição de existência, nenhum dos círculos poderá estar situado por completo no interior de outro.[1]

Geometria não-euclidiana[editar | editar código-fonte]

Caso dois círculos tenham o mesmo tamanho, a terceira interseção será um ponto impróprio. O problema também pode ser resolvido através do teorema de Desargues. Para três círculos de mesmo tamanho os pontos impróprios determinam uma reta imprópria.[2]

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota 1] ^ Nome dado em homenagem a Gaspard Monge.
[nota 2] ^ Num plano, as retas tangentes internas de duas circunferências quaisquer, cujos raios sejam diferentes, interceptam-se entre elas. As tangentes externas encontram-se antes ou depois das circunferências citadas (como é ilustrado na primeira imagem).

Referências

  1. Graham I. A. (1959). Ingenious Problems and Methods. [S.l.]: Diver. p. 153-154 
  2. [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Wells D (1991). The Penguin Dictionary of Curious and Interesting Geometry. New York: Penguin Books. pp. pp. 153–154. ISBN 0-14-011813-6 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geometria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.