Terrorismo no Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O terrorismo no Paquistão tornou-se um fenômeno altamente destrutivo nos últimos anos. O número anual de mortes por ataques terroristas aumentou de 164 em 2003 para 3318 em 2009,[1][2][3] com um total de 35.000 paquistaneses mortos entre 11 de setembro de 2001 e maio de 2011.[4] De acordo com o governo do Paquistão, os custos econômicos diretos e indiretos do terrorismo de 2000-2010 totalizam US $ 68 bilhões.[5] O presidente Asif Ali Zardari, juntamente com o ex-presidente e ex-chefe do Exército paquistanês, Pervez Musharraf, admitiram que os trajes terroristas foram “deliberadamente criados e nutridos” por governos passados “como uma política para alcançar alguns objetivos táticos de curto prazo”. A tendência começou com as polêmicas políticas de "islamização" de Muhammad Zia-ul-Haq da década de 1980, sob as quais os conflitos foram iniciados contra o envolvimento soviético no Afeganistão. O mandato de Zia como presidente viu o envolvimento do Paquistão na Guerra soviético-afegã, o que levou a um maior influxo de muçulmanos com uma certa base ideológica (mujahideen) para as áreas tribais e maior disponibilidade de armas como a AK-47 e drogas do Crescente Dourado.

O Estado e seu Inter-Serviço de Inteligência, em aliança com a CIA, encorajaram os "mujahideen" a lutarem uma guerra por procuração contra as forças soviéticas presentes no Afeganistão. A maioria dos mujahideen nunca foi desarmada depois que a guerra terminou no Afeganistão.

Desde o verão de 2007 até o final de 2009, mais de 1.500 pessoas foram mortas em suicídio e outros ataques contra civis[6] por razões atribuídas a uma série de causas - violência sectária entre muçulmanos sunitas e xiitas; fácil disponibilidade de armas e explosivos; a existência de uma "cultura Kalashnikov"; um afluxo de muçulmanos orientados ideologicamente baseados no Paquistão ou perto dele, que se originaram de várias nações ao redor do mundo e a guerra subsequente contra os afegãos pró-soviéticos nos anos 1980 que voltou ao Paquistão; a presença de grupos insurgentes islâmicos e forças como o Talibã e Lashkar-e-Taiba.

Causas[editar | editar código-fonte]

Depois da imposição da lei marcial em 1958, a situação política do Paquistão mudou de repente e depois vivenciou um comportamento ditatorial em diferentes níveis que apareceram na função pública, no exército e nas forças políticas ou Zamindars (proprietários criados pelos britânicos) que reivindicavam poder, provavelmente porque os britânicos originalmente não consideravam o Paquistão um Estado independente, mas não queriam intervir; essa tendência continuou até o século 21, quando, finalmente, os EUA persuadiram o general Pervez Musharraf a realizar eleições. Outras causas, como a rivalidade política e as disputas comerciais, também se contribuíram. Estima-se em 2005 que mais de 4.000 pessoas haviam morrido no Paquistão nos últimos 25 anos devido a conflitos sectários. [7] O terrorismo no Paquistão se originou com o apoio à guerra soviética no Afeganistão e a subseqüente guerra civil que continuou por pelo menos uma década. O conflito trouxe numerosos combatentes de todo o mundo para o sul da Ásia em nome da jihad. Os combatentes mujahideen foram treinados por forças armadas do Paquistão, pela CIA americana e por outras agências de inteligência ocidentais que realizaram atividades insurgentes dentro do Afeganistão bem depois que a guerra terminou oficialmente.

Guerra ao terrorismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra no Noroeste do Paquistão

A Guerra ao Terror no Paquistão, no pós 11 de setembro, teve dois principais elementos: as batalhas do governo com frupos jihadistas banidas após os ataques em Nova Iorque, e a perseguição dos EUA à Al-Qaeda, geralmente (mas nem sempre) em cooperação com as forças paquistanesas. Outro importante fator para o terrorismo é o extremismo religioso que os chamados mullahs e molvees injetam na mente de pessoas inocentes e também nas políticas do Gen. Musharaf, por exemplo. O assassinato de Akbar Bugdi por lal Masjid também é também uma das razões que explicam o terrorismo no Paquistão. Em 2004, a armada paquistanesa lançou a perseguição de membros da Al-Qaeda na montanhosa área de Waziristan, na fronteira afegã, embora céticos questionem a sinceridade desta perseguição. Confrontos irromperam em um conflito de baixo nível entre militantes islâmicos e tribos locais, provocando a Guerra de Waziristan. Uma trégua de curta duração conhecida como o acordo de Waziristan foi negociado em setembro de 2006. Esta trégua foi quebrada pelo Taliban. Eles desvirtuaram as condições de trégua que levaram ao aborrecimento do governo paquistanês e das forças armadas, os quais lançaram uma operação militar conhecida como operação "Rah-e-rast" contra o Talibã, com o propósito de limpar a área do Taliban.

Em 2012, a liderança paquistanesa procurou soluções para lidar com a ameaça do terrorismo e, em 2013, os partidos políticos chegaram por unanimidade a uma resolução, na segunda-feira dia 9 de setembro de 2013, na Conferência de Todos os Partidos (APC), afirmando que a negociação com os militantes deveria prosseguir como sua primeira opção no combate ao terrorismo.[7]

No entanto, todas as tentativas de colocar os militantes na mesa pareciam fracassar enquanto os ataques terroristas continuavam. No final de 2013, portanto, a liderança política no Paquistão deu sinal verde para uma operação militar contra os terroristas, a qual foi nomeada Operação Zarb-e-Azb. A Operação Zarb-e-Azb é uma ofensiva militar conjunta conduzida pelas Forças Armadas do Paquistão contra vários grupos militantes, incluindo o Tehrik-i-Taliban Paquistão (TTP), Lashkar-e-Jhangvi, Jundallah, Al-Qaeda, o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (ETIM), o Movimento Islâmico do Uzbequistão (IMU) e a rede Haqqani [carece de fontes?]. A operação foi lançada pelas Forças Armadas do Paquistão, em 15 de junho de 2014, no Waziristão do Norte (parte das Áreas Tribais Administradas Federalmente ao longo da fronteira com o Afeganistão), em esforço renovado contra a militância na vigília do ataque de 8 de junho no Aeroporto Internacional de Jinnah, em Karachi, para o qual o TTP e o IMU reivindicaram a responsabilidade [carece de fontes?]. Parte da guerra em curso na região noroeste do Paquistão, até 30.000 Soldados paquistaneses estão envolvidos em Zarb-e-Azb, descrita como uma "operação abrangente" para expulsar todos os militantes estrangeiros e locais que se escondem no norte do Waziristão [carece de fontes?]. A operação recebeu apoio generalizado dos setores político, de defesa e civil do Paquistão.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hassan Abbas. Pakistan's Drift Into Extremism: Allah, The Army, And America's War On Terror, M.E. Sharpe, 2004. ISBN 0-7656-1497-9
  • Tariq Ali. Can Pakistan Survive? The Death of a State, Penguin Books Ltd, 1983. ISBN 0-14-022401-7
  • Zahid Hussain. Frontline Pakistan: The Struggle with Militant Islam, New York: Columbia University Press, 2007. ISBN 0-231-14224-2