Tia Júlia e o Escrevinhador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
La Tía Julia y el escribidor
A Tia Júlia e o Escrevedor (PT)
Tia Júlia e o Escrevinhador (BR)
Autor(es) Mario Vargas Llosa
Idioma Castelhano
País  Peru
Assunto autobiográfico
Linha temporal 1950s
Localização espacial Na cidade de Lima dos anos 1950
Lançamento 1977
Edição portuguesa
Tradução Cristina Rodriguez
Editora Bertrand
Lançamento 1988
Formato 20 cm.
Páginas 340
Edição brasileira
Tradução Remy Gorga, filho
Editora Nova Fronteira
Lançamento 1983
Formato 21 cm.
Páginas 282

La Tía Julia y el escribidor (bra: Tia Júlia e o Escrevinhador /prt: A Tia Júlia e o Escrevedor) é o sétimo livro do autor ganhador do prêmio Nobel, Mario Vargas Llosa. O livro é uma critica a hierarquia de castas sociais e raciais[1].

O escritor narra a história, mesclando humor e romance, de um jovem peruano, chamado Varguitas, que tem ambições literárias e se apaixona por uma tia com quase o dobro da sua idade. Corre em paralelo a esse romance proibido, na moralista Lima dos anos 50, o drama de Varguitas e Pedro Camacho, autor excêntrico de radionovelas cujos enredos mirabolantes fascinam os peruanos. As novelas vão muito bem, até o dia em que Pedro Camacho, sobrecarregado por "obsessões argentinas", começa a confundir enredos e personagens[2].

Referências

  1. Mario Vargas Llosa - Tia Júlia e o Escrevinhador por Paulo Werneck (Ilustríssima)
  2. Tia Júlia e o escrevinhador publicado pela Biblioteca Municipal Dr. Fritz Müller
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.