Língua castelhana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Castelhano)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelhano ou espanhol (Castellano o español)
Falado em: (veja abaixo)
Total de falantes: 406 milhões nativos[1][2][3]
Posição: 2
Família: Indo-europeia
 Itálica
  Românica
   Ítalo-ocidental
    Românica ocidental
     Galo-ibérica
      Ibero-românica
       Ibero-ocidental
        Castelhano ou espanhol
Escrita: Alfabeto latino
Estatuto oficial
Língua oficial de:
Códigos de língua
ISO 639-1: es
ISO 639-2: spa
Hispanophone global world map language 2.svg

O castelhano (castellano) ou espanhol (español) é uma língua românica ocidental do grupo ibero-românico que evoluiu a partir de vários dialetos do latim falados no centro-norte da Península Ibérica por volta do século IX.[5] Originada na Península Ibérica, tem centenas de milhões de falantes nativos nas Américas e na Espanha. É uma língua mundial e a segunda língua mais falada no mundo, depois do chinês mandarim.[6][7][8][9][10]

O espanhol faz parte do grupo de línguas ibero-românicas, que evoluiu de vários dialetos do latim vulgar na Ibéria após o colapso do Império Romano do Ocidente no século V. Os textos latinos mais antigos com vestígios de espanhol vêm do norte da Península Ibérica no século IX,[11] e o primeiro uso sistemático da língua aconteceu em Toledo, uma proeminente cidade do Reino de Castela, no Século XIII. A partir de 1492, a língua espanhola foi levada para os vice-reinados do Império Espanhol, principalmente para as Américas, além de territórios na África, Oceania e as Filipinas.[12]

Um estudo de 1949 do linguista ítalo-americano Mário Pei, analisando o grau de diferença do pai de uma língua (Latim, no caso das línguas românicas ) comparando fonologia, flexão, sintaxe, vocabulário e entonação, indicou os seguintes percentuais (quanto maior a percentagem, quanto maior a distância do latim): No caso do espanhol, é uma das línguas românicas mais próximas do latim (20% de distância), atrás apenas da Sardenha (8% de distância) e italiana (12% de distância).[13] Cerca de 75% do vocabulário moderno espanhol é derivado do latim, através do latim, grego antigo.[14][15] O vocabulário espanhol tem estado em contato com o árabe desde cedo, tendo se desenvolvido durante a era Al-Andalus na Península Ibérica.[16][17][18][19] Com cerca de 8% do seu vocabulário sendo de origem árabe, esta língua constitui a segunda maior fonte de vocabulário após o próprio latim.[16][20][21] Também foi influenciado pelo Basco, Ibérica, Celtibérica, Visigótico e pelas línguas ibero-românicas vizinhas.[22][16] Além disso, ele absorveu o vocabulário de outras línguas, particularmente outras línguas românicas - Francês, Italiano, Português, Galego, Catalão, Occitano, e Sardo- assim como de Quíchua, Náuatle e outras línguas indígenas das Américas.[23]

O espanhol é uma das seis línguas oficiais das Nações Unidas. Também é usado como língua oficial pela União Européia, a Organização dos Estados Americanos, a União de Nações Sul-Americanas, a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos, a União Africana, Mercado Comum do Sul e muitas outras organizações internacionais.[24]

Apesar do grande número de falantes, a língua espanhola não aparece com destaque na escrita científica, com exceção das humanidades.[25] 75% da produção científica em espanhol é dividida em três áreas temáticas: ciências sociais, ciências médicas e artes / humanidades. É a terceira língua mais usada na internet depois de inglês e chinês.[26]

História[editar | editar código-fonte]

Mapa cronológico mostrando o desenvolvimento das línguas da Península Ibérica, entre as quais o castelhano.

A língua castelhana é o idioma da Espanha, e da maioria dos países da América Latina (excepto Brasil, Belize, Haiti, Guianas e várias ilhas caribenhas), das Filipinas, na Ásia, e da Guiné Equatorial, na África. Conta com cerca de duzentos e cinquenta milhões de falantes. Também é chamada de "castelhano", nome da comunidade linguística (Castela) que lhe deu origem nos tempos medievais. Na Espanha, também são falados o catalão, o asturiano, o aragonês e o galego (idiomas de tronco românico), e o basco, uma língua cujas origens ainda são estudadas.

Na formação do castelhano/espanhol, podem-se distinguir três períodos: o medieval ou castelhano antigo (dos séculos X ao XV), o espanhol moderno (entre os séculos XVI e XVII) e o contemporâneo, que vai da fundação da Real Academia Espanhola até nossos dias.

Apesar de ser um idioma falado em regiões tão distantes, a ortografia e as normas gramaticais asseguram a integridade da língua, daí a colaboração entre as diversas Academias da Língua de Espanha e as dos países americanos no intuito de preservar esta unidade. Espanha elaborou o primeiro método unitário de ensino do idioma que é difundido por todo o mundo através do Instituto Cervantes.

Latim vulgar[editar | editar código-fonte]

Como disse Menéndez Pidal: "a base do idioma é o latim popular, propagado na Espanha a partir do final do século III a.C. até se impor às línguas ibéricas". Entre os séculos III e VI, a língua que evoluía em Espanha assimilou germanismos através do latim falado pelos povos bárbaros romanizados que invadiram a Península. Com o domínio muçulmano de oito séculos, a influência do árabe — idioma dos conquistadores berberes — foi decisiva na configuração das línguas ibéricas, entre as quais se incluem o castelhano/espanhol e o português.

Glosas medievais[editar | editar código-fonte]

O nome da língua procede da terra dos castelos, Castela. A esta época, pertencem as Glosas Silenses e as Emilianenses, do século X, anotações em romance dos textos latinos no Monastério de Yuso (San Millán de la Cogolla), centro medieval de cultura, mas a mais antiga referência ao idioma vem do Cartulário de Valpuesta, nos primeiros anos do século IX.

O primeiro passo para converter o castelhano em língua oficial do reino de Castela e Leão foi dado por Afonso X. Foi ele quem mandou compor em romance, e não em latim, as grandes obras históricas, astronômicas e legais. O castelhano era a língua dos documentos notários e da Bíblia traduzida sob as ordens de Afonso X. Graças ao Caminho de Santiago, entraram, na língua, escassos galicismos que foram propagados pela ação dos trovadores da poesia cortesã e provençal.

Árabe[editar | editar código-fonte]

Sob o domínio árabe, as comunidades hispânicas que conviviam com as comunidades judaica e árabe falavam moçárabe. Esta é a língua na qual foram escritos os primeiros poemas, as Jarchas, que conservam uma forma estrófica de clara origem semítica, a moasajas.

Em quase oito séculos de interação (711-1492), os povos falantes de Árabe deixaram, no castelhano, um abundante vocabulário de cerca de quatro mil termos. Com o tempo, alguns foram caindo em desuso, mas há muitas palavras de uso comum como tambor, adobe, alfombra, zanahoria, almohada e muitas outras, e a expressão ojalá, como no português "oxalá", que significa "queira Deus" (literalmente: "queira Alá"). Cabe assinalar que penetrou, na gramática castelhana, a preposição árabe hatta (حتى), que se converteu na preposição espanhola hasta e na preposição portuguesa até.

Primeira gramática moderna europeia[editar | editar código-fonte]

A publicação da primeira autodenominada "gramática castelhana", escrita por Elio Antonio de Nebrija em 1492,[27] ano do descobrimento da América pelos europeus, estabelece o marco inicial da segunda etapa de conformação e consolidação do idioma. O castelhano adquire grande quantidade de neologismos, pois o momento coincidiu com a expansão da Coroa de Castela que, pela força política, conseguiu consolidar seu dialeto como língua dominante. O castelhano é a língua dos documentos legais, da política externa e a que chega à América pela mão da grande empreitada realizada pela Coroa de Castela. Nesta mesma época, os judeus sefarditas foram expulsos de Castela e Aragão em 1492 e de Portugal em 1496,[28] levando consigo a fala que daria lugar ao ladino, uma língua que, ouvida, parece castelhano.

Num primeiro momento, os realistas não mostraram interesse em difundir a língua castelhana na América e nas Filipinas, realizando-se a evangelização nas línguas nativas.

Na França, Itália e Inglaterra são editados gramáticas e dicionários para o ensino do castelhano/espanhol, que ganha o status de língua diplomática até a primeira metade do século XVIII. O léxico incorporou palavras originárias de tantas línguas quantos contatos políticos possuía o Império: italianismos, galicismos e americanismos.

No ano 1713, fundou-se a Real Academia Espanhola. Como primeira tarefa, a Academia fixou as mudanças feitas pelos falantes do idioma, o que permitiu grande variedade de estilos literários: da liberdade das alterações sintáticas do barroco, no século XVII, às contribuições dos poetas da geração de 1927. Publica entre 1726 e 1739 os diversos tomos do "Dicionário da língua castelhana"[29] e a sua primeira "Gramática da língua castelhana" em 1771.[30]

No primeiro terço do século XX, apareceram novas modificações gramaticais que, ainda hoje, estão em processo de assentamento. Paralelamente, é contínua a criação de neologismos provenientes das inovações técnicas e dos avanços científicos.

No século XIX, os Estados Unidos adquirem a Luisiana de França e a Flórida de Espanha, e conquistam do México os territórios que actualmente formam o Arizona, Califórnia, Colorado, Nevada, Novo México, Texas, Utah e Wyoming. Desta forma, o castelhano passou a ser uma das línguas dos Estados Unidos, ainda que estas variedades primitivas só sobrevivam até o início do século XXI em Paróquia de St. Bernard e uma faixa que se estende do norte do Novo México ao sul de Colorado.

Depois da guerra hispano-americana de 1898, os Estados Unidos apoderaram-se também de Cuba, Porto Rico, Filipinas e Guam. No arquipélago asiático, os Estados Unidos impuseram um sistema de ensino para substituir o castelhano pelo inglês como veículo de comunicação dos filipinos.

No século XX, milhões de mexicanos, cubanos e porto-riquenhos emigraram para os Estados Unidos, convertendo-se na minoria mais numerosa do país: 34 207 000 pessoas, em novembro de 2001.

A Constituição espanhola de 1931 e a Constituição espanhola de 1978, as únicas que versam o tema linguístico, explicitam o idioma oficial do Estado como castelhano.[31]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Espanhol ou espanhol é a língua oficial de dezenove países da América, além da Espanha e Guiné Equatorial, e tem um certo grau de status oficial nas Filipinas, e no Saara Ocidental (país não reconhecido internacionalmente),[32] mas seus falantes são distribuídos nos cinco continentes:

América[editar | editar código-fonte]

Porcentagem de falantes de espanhol na América.
  Dark Green Arrow Up.svg 50 %
  Dark Green Arrow Up.svg 30 %
  Dark Green Arrow Up.svg 20 %
  Dark Green Arrow Up.svg 10 %
  Dark Green Arrow Up.svg 5 %
  Dark Green Arrow Up.svg 2 %

Na América, há cerca de 90% do número total de falantes de espanhol no mundo, cerca de 400 milhões de pessoas.[33] Além de 19 países na Hispano americanos, o espanhol é falado por uma parte significativa da população dos Estados Unidos, principalmente imigrantes recentes. Tanto na América Latina quanto nos Estados Unidos há um aumento significativo no número de falantes. Presidentes anteriores dos Estados Unidos conhecem bem a língua como Barack Obama que estudou e tem boa pronúncia na leitura.[34]

América Latina

A maioria dos falantes de espanhol está na América Latina, representando cerca de 375 milhões de pessoas.O México é o país com o maior número de falantes (quase um quarto do número total de falantes de espanhol no mundo), embora não seja a única língua oficial do estado, já que desde 2003 o México também reconheceu as línguas indígenas como línguas nacionais.[35]

Com uma ou outra denominação, é uma das línguas oficiais da Bolívia,[36] Colômbia,[37] Costa Rica,[38] Cuba,[39] Equador,[40] El Salvador, Guatemala,[41] Honduras,[42] Nicarágua,[43] Panamá,[44] Paraguai,[45] Peru,[46] República Dominicana[47] e Venezuela.[48] Não há reconhecimento oficial da língua em outros países americanos, onde é falada e majoritária, como é o caso da Argentina, Chile, México e Uruguai.[49] Em Porto Rico, a Constituição de 1952 estabelece o espanhol juntamente com o inglês como línguas oficiais.[50] Em setembro de 2015, o Projeto de Lei do Senado 1177 foi introduzido para estabelecer o uso do espanhol em primeiro lugar nos ramos executivo, legislativo e judiciário da Comunidade de Porto Rico.[51]

Cidade do México (à esquerda), a cidade com a maior população de falantes de espanhol do mundo. Buenos Aires (à direita), capital da Argentina, o maior país de língua espanhola do mundo por extensão territorial.

No Brasil, o espanhol sempre foi importante por causa da proximidade geográfica e crescente comércio com seus vizinhos hispano-americanos, sendo um membro do Mercosul, bem como a imigração histórica de espanhóis e hispano-americanos. Em 2005, o Congresso Nacional do Brasil aprovou o decreto, assinado pelo presidente, conhecido como a lei espanhola, que oferece essa língua como primeira língua estrangeira de ensino nas escolas e escolas secundárias do país.[52] O espanhol é uma língua significativamente fácil para os brasileiros aprenderem, porque o português é uma língua muito semelhante ao espanhol.[53] Na área de fronteira entre o Brasil e o Uruguai (principalmente no Uruguai) fala-se uma língua mista chamada portuñol.[54] A Constituição do Estado do Rio de Janeiro e uma deliberação do Governo do Estado de São Paulo incluem oficialmente o espanhol nas escolas secundárias. A Universidade Federal da Integração Latino-Americana, uma universidade pública do sul do Brasil que coordena e fornece professores de espanhol para as escolas estaduais do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, co-oficializou o espanhol. O fato de estar cercado por sete países de língua espanhola (Argentina Bolívia, Colômbia, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela) despertou grande interesse entre os brasileiros em aprendê-lo. Dentro de uma década, 50 milhões de brasileiros poderão falar com perfeição e, em vinte anos, ultrapassarão cem milhões.[55]

Na verdade, o espanhol era conhecido no Brasil, já que era a língua dos atuais estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, quando esses territórios eram espanhóis (depois se mudaram para Portugal em troca da Guiné Equatorial, conforme o Tratado de Santo Ildefonso (1777)) e no estado do Acre, quando este ainda fazia parte da Bolívia, antes de ser comprado pelo Brasil através do Tratado de Petrópolis. As cidades brasileiras onde o espanhol é ouvido com bastante frequência são: Barracão, Boa Vista, Brasileia, Chuí, Corumbá, Dionísio Cerqueira, Foz do Iguaçu, Guajará Mirim, Pacaraima, Porto Alegre, Porto Velho Rio Branco, Santana do Livramento, São Paulo, Tabatinga e Uruguaiana. Nos últimos anos, devido à crise migratória venezuelana, o estado fronteiriço brasileiro de Roraima, tornou-se o lugar com mais falantes de espanhol no Brasil. Estima-se que cerca de 50.000 venezuelanos residam atualmente em Roraima, que constitui aproximadamente 10% da população do estado.[56]

América Central e Caribe

O espanhol não tem reconhecimento oficial na antiga colônia britânica de Belize. No entanto, a maioria da população sabe falar espanhol, pois é a língua da aprendizagem obrigatória nas escolas,[57][58] é falado principalmente pelos descendentes de hispânicos que habitavam a região desde o século XVII. Na ilha caribenha de Aruba, muitas pessoas a falam. Ao contrário, uma minoria fala em Curação e em Bonaire. Devido à proximidade com a Venezuela, as três ilhas recebem mídia em espanhol, principalmente canais de televisão, devido aos estreitos laços comerciais e à importância do turismo de língua espanhola. Nos últimos anos, a educação básica obrigatória em espanhol também foi introduzida nas escolas, embora não oficial (as únicas línguas oficiais de Aruba, Bonaire e Curaçao são o holandês e o papiamento: uma mistura de espanhol e afro-português). O espanhol não é a língua oficial do Haiti. Embora sua língua oficial seja o francês, o crioulo haitiano (língua que vem do francês) é amplamente falado. Perto da fronteira com a vizinha República Dominicana, o espanhol básico é entendido e falado coloquialmente. Em estudos secundários regulamentados, o aprendizado de espanhol é obrigatório de 15 a 18 anos. Nas Ilhas Virgens Americanas, o espanhol é falado por aproximadamente 17% da população, principalmente de Porto Rico e da República Dominicana. Em Trinidad e Tobago, tem um status especial e é obrigatória em escolas públicas. Na Jamaica, é a língua estrangeira mais estudada no ensino secundário dos 12 aos 14 anos de idade. Também em outros países da área, como Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Dominica, Granada,Santa Lúcia, São Cristóvão e Névis e São Vicente e Granadinas.

Estados Unidos e Canadá
Ver artigo principal: Espanhol nos Estados Unidos
Distribuição de falantes de espanhol nos Estados Unidos segundo o Censo de 2010.
Distribuição da língua espanhola no Canadá

Os Estados Unidos são o segundo maior país em número de falantes de espanhol no mundo depois do México,[59][60] com um avanço progressivo da bilinguismo, especialmente nos estados de fronteira com o México como é o caso da Califórnia, Novo México e do Texas, onde não há programas bilíngues oficiais para residentes da América Latina. Por exemplo, na Califórnia, muitas atividades governamentais, documentos e serviços estão disponíveis em espanhol. A seção 1632 do Código Civil da Califórnia reconhece o idioma espanhol como a língua da considerável da crescente comunidade hispânica, daí a lei Dymally-Alatorre, institui o bilinguismo inglês-espanhol, sem a necessária exclusão de outras línguas. No estado do Novo México, o espanhol é usado até mesmo na administração do estado, embora esse estado não tenha uma língua oficial estabelecida em sua constituição. O espanhol neomexicano falado por hispanófonos (imigrantes não recentes) nativos remonta aos tempos da colonização espanhola no século XVI e conserva muitas arcaísmos. A Comissão de Direitos Civis dos Estados Unidos reconhece que em 1912 "os neomexicanos conseguiram proteger sua herança, inserindo disposições em sua constituição que fazem do espanhol uma língua oficial como o inglês". No Texas, o governo, através da seção 2054.116 do Código do Governo, determina que as agências estaduais forneçam as informações em seus sites em idioma espanhol. Outros estados da União também reconhecem a importância do espanhol em seu território. Na Flórida, por exemplo, seu uso é generalizado por causa da presença de uma grande comunidade de origem cubana, principalmente na área metropolitana de Miami. O espanhol tem uma longa história nos Estados Unidos; Muitos estados e formas geográficas têm o seu nome nessa língua, mas o uso da língua espanhola aumentou principalmente devido à imigração do resto da América. Uma amostra da expansão da língua no país é a numerosa presença de mídia em espanhol. O espanhol também se concentra especialmente em cidades cosmopolitas como Nova York, Los Angeles, El Paso, Miami, Houston, Dallas, San Antonio, San Diego, São Francisco, Portland e Seattle. O espanhol, além disso, é a língua mais ensinada no país, depois do inglês.[61]

Os Estados Unidos são o segundo país, depois de Israel, com o maior número de falantes de judaico-espanhol ou ladino. Especificamente, estima-se que há cerca de 300.000 pessoas que o falam.[62] O monitoramento e a contabilidade das comunidades sefarditas nos Estados Unidos[63] e no resto do mundo melhorou significativamente após a lei espanhola de 2015, que permite que os sefárdicos, que atendem a uma série de requisitos,[64] se inscrevam para a nacionalidade espanhola.

No Canadá, a população de imigrantes de língua espanhola é responsável por 1,3%,[65] e maioria como segunda língua. Aproximadamente metade está concentrada em Toronto.[66]

Europa[editar | editar código-fonte]

Conhecimento do espanhol na União Europeia (capaz de manter uma conversa) de acordo com o Eurobarometer de 2006.
  País nativo
  Mais de 9%
  Entre 4% e 8,99%
  Entre 1% e 3,99%
  Menos de 1%

O espanhol é a língua oficial da Espanha. É também falado em Gibraltar[67] e em Andorra (onde é a língua materna maioritária devido à imigração, Mas não é a língua oficial como o catalão)[68] É também utilizado em pequenas comunidades noutros países europeus, principalmente na Alemanha, Bélgica, França, Itália, Portugal, Reino Unido e Suíça (onde é a língua materna de 7% da população, representando a língua minoritária mais falada neste país por trás de três dos quatro idiomas oficiais).[69] O espanhol é uma das línguas oficiais da União Europeia (UE).[70] Quase 23 milhões de europeus com mais de 15 anos falam espanhol fora da Espanha na UE (com quem aprendeu como língua estrangeira, capaz de ter uma conversa). No total, há cerca de 70 milhões de falantes de espanhol na Europa.[71]

Ásia[editar | editar código-fonte]

Nas Filipinas, uma ex-colônia espanhola, o espanhol foi oficial de 1571 a 1987, embora desde 1973 tenha perdido muito peso representativo no nível oficial. A proclamação presidencial/155 de 15 de março de 1973 ainda em vigor declara o espanhol como a língua oficial das Filipinas para todos aqueles documentos da era colonial não traduzidos para a língua nacional. Após a guerra hispano-americana, as Filipinas se tornaram uma colônia dos Estados Unidos desde 1899. Desde então, devido à intervenção dos EUA, as autoridades seguiram uma política de desapego do país e imposição do inglês. Depois da Guerra Filipino-Americana a burguesia urbana de língua espanhola foi dizimada e, após a Segunda Guerra Mundial, em 1945 , os restos da burguesia espanhola foram virtualmente aniquilados após o bombardeio de Intramuros, em Manila. Estima-se que, em 1907, aproximadamente 70% da população filipina tinha a capacidade de falar espanhol, embora apenas 10% como língua materna. Em 1950, tornou - se 6%.[72] Atualmente é inferior a 0,5%.[73] As línguas crioulas baseadas no espanhol também sobrevivem, como o Chavacano de Zamboanga. Em 2009, a acadêmica e presidente filipina Gloria Macapagal-Arroyo recebeu o prêmio de Prêmio Internacional Don Quijote 2009[74][75] que reconhece a iniciativa educacional da República das Filipinas para introduzir a norma espanhola no currículo nacional, com o espanhol e, no ano 2012-2013, a língua estrangeira mais estudada após Inglês, ensinado em 65 centros públicos.[76]

Em Israel existe uma importante comunidade sefardita de aproximadamente 1.400.000 pessoas.[77] Os judeus sefarditas ou sefarditas falam judaico-espanhol ou ladino idioma. Esta linguagem é uma herança daqueles expulsos da Espanha em que os judeus do século XVI.[78]

Há outros países asiáticos onde o espanhol está sendo estudado com grande interesse e começa a ser importante na educação, migração e social, sendo os países mais referenciados, Rússia, China, Japão, Irã, Índia, Emirados Árabes Unidos, Bangladesh e Kuwait.

África[editar | editar código-fonte]

Língua espanhola na África e no Oriente Médio

O principal enclave de língua espanhola na África é as Ilhas Canárias (com mais de dois milhões de falantes). Também é falado nas Cidades Autônomas de Ceuta e Melilla (167 859 falantes). Fora destas regiões espanholas, a língua é falada em alguns outros lugares do continente africano.

O espanhol é uma das línguas oficiais da Guiné Equatorial. A grande maioria dos guinéu-equatorianos falam espanhol, embora sempre como segunda língua, sendo várias línguas Bantu as línguas maternas mais difundidas.

No Sahara Ocidental, o ministro saharaui para a América Latina, Hash Ahmed, declarou em nome da República Árabe Sarauí Democrática que o seu país é “simultaneamente uma nação africana e árabe que tem o privilégio de ser a única oradora espanhola devido à herança cultural do país de colonização espanhola. A língua espanhola é a língua de ensino obrigatória porque fica ao lado do árabe, a língua oficial". Lá ela é considerado a segunda língua administrativa e de comunicação da RASD.[32] Em Tinduf, Argélia, existem cerca de 200.000 refugiados sarauís, que sabem ler e escrever a língua espanhola e milhares deles receberam educação universitária oferecida por Cuba, México, Venezuela e Espanha.

No Marrocos, a língua espanhola é muito popular como segunda língua. É falado principalmente nas áreas do antigo protetorado espanhol do Marrocos: Rif, Ifni e Tarfaya.[79][80]

Além disso, é falado pelas comunidades guineenses equatoriais que fugiam durante as ditaduras de Francisco Macías Nguema e Teodoro Obiang e agora são encontradas em países como Gabão, Camarões, Nigéria e Benin. Também no Sudão do Sul existe uma importante minoria, a elite intelectual e profissional, formada em Cuba, que fala espanhol. Outros lugares onde o espanhol tem presença são Angola, principalmente na cidade de Luena e Walvis Bay, na cidade da Namíbia, devido à presença do exército cubano.

Oceania[editar | editar código-fonte]

Porcentagem de australianos que falam espanhol em suas casas, em relação ao resto da população, de acordo com o censo de 2011

Entre os países e territórios da Oceania, o espanhol é uma língua oficial na Ilha de Páscoa, na Polinésia, porque faz parte do Chile; A língua nativa é o rapanui. Nas Ilhas Marianas (Guam e nas Marianas do Norte) o chamorro é uma língua oficial e nativa das ilhas, que é uma língua austronésia que contém vocabulário de origem espanhola.[81] Algumas ilhas das Marianas do Norte (Saipan, Tinian, Rota) e dos Estados Federados da Micronésia (Yap, Pohnpei) tinham falantes nativos de espanhol, já que eram colônias espanholas até 1898-1899. No entanto, ambos em Guam como nas Marianas do Norte, boa parte de seus habitantes tem sobrenomes de origem espanhola.

Além disso, na Austrália e na Nova Zelândia, há comunidades de nativos espanhóis, resultantes da emigração de países de língua espanhola (principalmente do Cone Sul), que somam 133.000 falantes.[82] No Havaí, 2,1% da população são falantes nativos de espanhol.[83] Em 2010, havia 120.842 hispânicos, segundo o Censo dos Estados Unidos.

Antártida[editar | editar código-fonte]

Na Antártica, existem apenas dois locais civis e ambos são habitados principalmente por falantes nativos de espanhol. Um deles é o argentino Fortín Sargento Cabral, que tem 66 habitantes.[84] O outro é a cidade chilena de Villa Las Estrellas, que tem uma população de 150 habitantes no verão e 80 habitantes no inverno. Em cada um deles existe uma escola onde estudam e pesquisam em espanhol. A Base Antártica Orcadas, uma estação científica argentina, é a base mais antiga de toda a Antártica ainda em funcionamento e a mais antiga com população permanente (desde 1907).

Estimativa total de falantes por país[editar | editar código-fonte]

A tabela a seguir de falantes de espanhol foi preparada basicamente, com base no estudo "O valor econômico do espanhol", mas usando dados populacionais mais atualizados. Este estudo foi desenvolvido com base em dados populacionais do censo entre 2000 e 2005. O resultado foi um total de quase 440 milhões.[85] Cerca de 400 milhões de falantes tinham proficiência nativa em espanhol e 40 milhões com competência limitada. A média das percentagens dos países em que o espanhol é falado como língua oficial é de 96,90%.[86]

Países em número de falantes:
  Mais de 100 milhões
  Mais de 50 milhões
  Mais de 20 milhões
  Mais de 10 milhões
  Mais de 5 milhões
  Mais de 1 milhão
País Número de falantes
 México 106 682 500[87]
Flag of Spain.svg Espanha 46 063 511[88]
 Colômbia 44 500 000[89]
 Estados Unidos 37 400 000 (Census Bureau) [90]
 Argentina 39 745 613[91]
 Peru 28 750 770[92]
 Venezuela ~27 000 000
 Chile 16 763 470[93]
Equador 13 363 593[94]
 Guatemala 13 354 000[95]
 Cuba 11 286 000
 Bolívia 10 027 643[96]
República Dominicana 9 760 000[97]
Honduras 7 146 118
El Salvador 6 992 000
Nicarágua 5 603 000[98]
Costa Rica 4 468 000[98]
 Paraguai 6 127 000[98]
 Porto Rico 3 991 000[98]
Uruguai 3 341 000[98]
 Panamá 3 343 000[98]
Guiné Equatorial 1 137 143[99]
 Canadá 1 000 000[100]
 França 440 106[101]
 Brasil 409 564[102]
 Alemanha 140 000[103]
 Israel 130 000[104]
Suíça 123 000[105]
 Reino Unido 107 654[106]
 Belize 106 795[107]
 Austrália 106 517[108]
 Suécia 101 472[109]
 Itália 89 905[110]
 Bélgica 85 990[111]
 Japão 76 565[112]
 Andorra 41 644[113]
 Nova Zelândia 21 645[114]
 Marrocos 20 000[115]
 Países Baixos 19 978[116]
Ilhas Virgens Americanas 16 788
 Noruega 12 573[117]
Portugal Portugal 9 744[118]
 Jamaica 8 000
Trinidad e Tobago 4 100
 Rússia 3 320
 Luxemburgo 3 000
Filipinas 2 658[119]
 Argélia 379[120]

Um idioma em expansão[editar | editar código-fonte]

Países do mundo onde o espanhol é estudado.
  Países com a língua espanhola como oficial
  Países com mais de 1,000,000 estudantes
  Países com mais de 100 000 estudantes
  Países com mais de 20 000 estudantes

No ano 2000, a previsão era de que, somente nos Estados Unidos, o número de falantes de espanhol chegasse a 35 milhões e, naquele ano, o espanhol ultrapassou o inglês como a língua mais falada no mundo ocidental. Em 2001, os falantes de espanhol eram aproximadamente 400 milhões de pessoas.[121]

O Instituto Cervantes, uma organização para a disseminação do espanhol, relatou que entre 1986 e 1990 houve um aumento de 70% no número de estudantes espanhóis nos Estados Unidos e 80% no Japão. A língua espanhola é talvez a terceira língua estrangeira mais estudada no Japão. Atualmente, o português é a primeira língua estrangeira mais estudada, devido à grande comunidade japonesa/brasileira, com um total de 400.000 falantes. Como tal, a língua portuguesa faz atualmente parte do currículo escolar no Japão. Outros países conhecidos por sua alta aumento estudantes são Brasil,[122][123] Marrocos, Suécia,[124] Noruega,[125] Polonia,[126][127][128] Costa do Marfim, Senegal, Camarões[129] e Gabão.[130][131][132]

No entanto, nas últimas décadas também houve retrocessos. O caso mais notável é o das Filipinas, um país em que a língua espanhola deixou de ser oficial para ter um papel restrito desde 1973,[133] e, finalmente, perder seu caráter oficial em 1986; Assim, depois de um processo de substituição em favor de inglês e tagalo, ele passou em poucas décadas de dezenas de milhões de falantes no arquipélago das Filipinas. Para não mais de 20.000 em 1990. 321O número total de oradores está aumentando muito ligeiramente nos últimos anos devido às iniciativas do governo filipino para reintroduzir o idioma no ensino, mas eles não são mais falantes nativos.

Fontes acadêmicas oficiais argumentam que em 2030 o espanhol será a segunda língua mais falada no mundo, atrás do chinês mandarim , 322 e até 2045 espera-se que seja o primeiro.[134]

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Espanhol Ibérico[editar | editar código-fonte]

Mapa com os dialetos da Espanha.

A língua Espanhola tem vários dialectos. Relativamente ao Castelhano, isto é, o Espanhol Ibérico, originalmente do Reino de Castela, podemos dividir Espanha ao meio, isto é, existe um feixe de isoglossas que divide o Espanhol Peninsular em dois grupos, os dialecto centro-nortenhos e os dialectos meridionais. Os dialectos centro-nortenhos têm características mais conservadoras e os dialectos meridionais, nos quais podemos incluir um grande sub-dialecto, o andaluz, têm características mais inovadoras. Convém realçar que os dialectos centro-nortenhos peninsulares são a única variedade do Espanhol que conserva a distinção entre /s/ (grafado como <s>) e /θ/ (grafado como <c>), isto é, «ceseo». Enquanto que todas as outras variedades são ou «seseantes» ou «ceceantes». «Seseo», isto é a perda da distinção fonética entre /s/ e /θ/ a favor de /s/. «Ceceo» é a perda da distinção fonética a favor da fricativa inter-dental /θ/, sendo este estigmatizado e marginalizado pelo resto da comunidade espanhola e até mesmo pelos próprios falantes «ceceantes». Este fenómeno de «ceceo» encontra-se apenas em zonas rurais do sul da Andaluzia, sendo nos meios urbanos evitado pelos próprios «ceceantes». O «seseo» é um fenómeno do norte da Andaluzia, que é encontrado em todos os países da América Latina. Nesta região do «seseo» encontra-se Sevilha, cidade da qual saíram as pessoas destinadas à repovoação e colonização do continente americano, levando assim o «seseo» com eles para a América, onde prevalece até hoje.[135]

Mapa-mundi tentando identificar os principais dialetos do espanhol

Variedades do Espanhol[editar | editar código-fonte]

Línguas derivadas[editar | editar código-fonte]

Entre as línguas crioulas e outras línguas derivadas desta língua, se podem citar o ladino e o chabacano: este último, falado em algumas localidades das Filipinas.

Diferenças[editar | editar código-fonte]

Castelhano da Espanha Castelhano da América Latina Tradução ao Português
acera vereda (Arg.) / banqueta (Mex.) / andén (Col.) calçada, passeio
aguacate palta / aguacate abacate
alquilar, arrendar, rentar rentar (Mex.) / arrendar (Col.) alugar, arrendar
alquiler, arriendo renta (Mex.) / arriendo (Col. e Chile) aluguel, aluguer ou renda (em Portugal)
apresurar, apurar apurar apressar
arcén banquina (Arg. Parag. e Urug.) acostamento, berma da estrada
ascensor elevador / ascensor (Col.) elevador
calabaza zapallo / ayote (Nic. Cost. Rica e Guat.)[136] / calabaza (Col. e Méx.) abóbora
calabacín calabacita (Méx) / calabacín (Col.) / zapallitos (Parag. Chil. Arg. e Urug.) abobrinha, courgette
coche (automóvil) auto / carro / coche (automóvil) carro (automóvel)
coger, agarrar, sujetar, tomar tomar (Méx.) / agarrar (Arg. Chile e Urug. / sujetar / coger (Col. Per. Ec. Cuba e PR) pegar, segurar
chaval, mozo chavo (Méx.) / pibe (Arg.) / chino, niño, muchacho (Col.) rapaz, garoto, menino, moço, miúdo, chavalo (em Portugal)
chófer, conductor conductor / chofer motorista, condutor, chofer
eh / ey / oye che (Arg.) / oye / eh ei / aê / aí
judías, frejoles frijoles, porotos (Arg. e Chile.) feijão
mejilla cachete bochecha
móvil (teléfono), celular celular (teléfono) celular (telefone), telemóvel
ordenador, computadora, computador computadora / computador computador
Papá Noel, Santa Claus Santa Claus (Méx e Amér. Central) / Viejito Pascuero (Chile) / Papá Noel (Col.) Papai Noel, Pai Natal
prisa apuro pressa
puchero, olla, pote olla panela
vídeo video vídeo
zapatillas (deportivas), tenis tenis / zapatillas tênis (Brasil), ténis (calçado), sapatilhas (em Portugal)

Glossário[editar | editar código-fonte]

  • Amér. Central = América Central
  • Arg. = Argentina
  • Méx. = México
  • Urug. = Uruguai
  • Col. = Colômbia

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Tem semelhanças com o português. Contudo, existem diferenças, sendo as principais: ("letra castelhana/espanhola" = "letra portuguesa") ⟨ll⟩ = ⟨lh⟩, ⟨ñ⟩ = ⟨nh⟩, ⟨ch⟩ = ⟨tch⟩, ⟨b⟩ e ⟨v⟩ = ⟨b⟩, ⟨x⟩ = /ks/ (nem sempre, como em México, que soa como méjico). Não há, no espanhol moderno, o som da letra X como em xadrez (até o século XVII, a letra ⟨x⟩ representava o som de /ʃ/, como em Quixote, mas, depois do reajuste das consoantes silábicas, o som /ʃ/ (grafado ⟨x⟩), se transformou em /x/ (grafado ⟨j⟩). As letras ⟨k⟩ (/k/), ⟨w⟩ (/b/ em palavras de origem alemã e /(ɡ)w/ em de origem inglesa) e ⟨y⟩ (/i/) fazem parte do alfabeto castelhano/espanhol. Além disso, o i grego pode ser consoante ou vogal, quando consoante tem um som mais forte /ʝ/ ou /d͡ʒ/. O "J" é um caso à parte: tem um som inexistente em português (o som que chega mais perto é o do R forte brasileiro e dalgumas zonas de Portugal - como em carro). O som correspondente ao ⟨j⟩ português é representado por ⟨ll⟩ no espanhol pratino, e inexistente noutros dialectos. Fora isso não há acentos graves, til (Ñ não conta) ou circunflexo. Assim como no português ge = je e gi = ji, e também há o gue e gui, a letra Q segue o mesmo esquema (que = ke, qui = ki) e também há trema. Em castelhano/espanhol o costume é terminar palavra com N e não com M. O Ç apesar de ter nascido do castelhano/espanhol foi abolido no século XVIII, tal como o SS. Já RR existe no castelhano/espanhol e usa-se da mesma forma que no português. Vale ressaltar que a pronúncia é de 'dois erres', isto é, /r/,/r/, e não de /ř/ como em carro /kařo/. O Z e o C, este último antes de E ou I, em Espanha pronunciam-se de forma similar ao ⟨th⟩ /θ/ inglês em think ou something ou a θ (theta) grega.

Fonemas consonantais do espanhol general
Labial Dental Alveolar Palatal Velar
Nasal m n ɲ
Oclusiva p b t d ʝ k ɡ
Continuante f θ1 s x
Vibrante múltipla r
Vibrante simples ɾ
Lateral l ʎ2

Notas:

↑1 Falantes do norte e do centro da Espanha, incluindo a variante predominante na rádio e na televisão distinguem /θ/ e /s/ (distinción). Porém, falantes de América Latina e de algumas partes do sul da Espanha só têm /s/ (seseo) e não o /θ/ (ceceo).
↑2 O fonema /ʎ/ (distinto de /ʝ/) só é distinguido em algumas áreas do espanhol peninsular (sobre tudo no norte e em áreas rurais), e em algumas áreas de América do Sul. Este fenómeno é conhecido como yeísmo (indistinção de ll e y).

Vogais[editar | editar código-fonte]

Anterior Central Posterior
Fechada i u
Média
Aberta ä

Gramática[editar | editar código-fonte]

Verbo[editar | editar código-fonte]

Os verbos se dividem em três conjugações, que podem ser identificadas segundo as duas últimas letras do infinitivo: -ar, -er ou -ir.

Os verbos conjugam-se em quatro modos verbais: indicativo, subjuntivo, imperativo e potencial. Ainda, existem três formas impessoais: infinitivo, gerúndio e particípio, que entram na composição dos verbos compostos e perífrases verbais.

Os tempos verbais podem ser simples ou compostos. Para cada tempo simples há um que é composto, que se forma antepondo o tempo simples correspondente do verbo "haber" ao particípio do verbo que se está a conjugar.

Indicativo

tempos simples

  • Presente - por exemplo, "(yo) hablo"
  • Pretérito imperfecto - "hablaba"
  • Pretérito perfecto simple ou pretérito indefinido - "hablé"
  • Futuro - "hablaré"
  • Condicional - "hablaría"

tempos compostos:

  • Pretérito perfecto compuesto - "he hablado"
  • Pretérito pluscuamperfecto - "había hablado"
  • Pretérito anterior - "hube hablado"
  • Futuro compuesto - "habré hablado"
  • Condicional compuesto - "habría hablado"

O pretérito anterior é pouco usado.

Há situações onde se emprega o futuro para expressar dúvida, substituindo-se, assim, o tempo Presente: "serán las tres": "serão umas três [horas]". O português também apresenta esta caraterística, como mostrado na seguinte frase: "O que estará ele a fazer?", que significa "O que está ele a fazer?"

Subjuntivo / Conjuntivo

tempos simples

  • Presente - "yo hable"
  • Pretérito imperfecto - "hablara" ou "hablase"
  • Futuro - "hablare"

tempos compostos

  • Pretérito perfecto compuesto - "haya hablado"
  • Pretérito pluscuamperfecto [Pretérito mais-que-perfeito] - "hubiera hablado" ou "hubiese hablado"
  • Futuro compuesto[Futuro composto] - "hubiere hablado"

O futuro do conjuntivo é um tempo arcaico que só se emprega hoje em dia em documentos legais. Muitos hispanófonos desconhecem a existência deste tempo verbal. Na Argentina, a fala vulgar está a generalizar o uso do condicional em substituição do pretérito imperfeito nas frases condicionais ("si yo hablaría", significando "si yo hablara", ou "si yo hablase").

Imperativo: habla (tú), hablá (vos), hablad (vosotros)

Para outras pessoas ou em frases negativas, o presente do conjuntivo vale por imperativo.

Verbos regulares[editar | editar código-fonte]

Tempo Simples Primeiro Segundo Terceiro
Infinitivo: Comprar Vender Vivir
Gerúndio: Comprando Vendiendo Viviendo
Particípio passado: Comprado Vendido Vivido
Indicativo Primeiro Segundo Terceiro
Presente: Compro
Compras/Comprás
Compra
Compramos
Compráis/Compran
Compran
Vendo
Vendes/Vendés
Vende
Vendemos
Vendéis/Venden
Venden
Vivo
Vives/Vivís
Vive
Vivimos
Vivís/Viven
Viven
Pretérito: Compré
Compraste
Compró
Compramos
Comprasteis/Compraron
Compraron
Vendí
Vendiste
Vend
Vendimos
Vendisteis/Vendieron
Vendieron
Viví
Viviste
Viv
Vivimos
Vivisteis/Vivieron
Vivieron
Imperfeito: Compraba
Comprabas
Compraba
Comprábamos
Comprabais/Compraban
Compraban
Vendía
Vendías
Vendía
Vendíamos
Vendíais/Vendían
Vendían
Vivía
Vivías
Vivía
Vivíamos
Vivíais/Vivían
Vivían
Futuro: Compraré
Comprarás
Comprará
Compraremos
Compraréis/Comprarán
Comprarán
Venderé
Venderás
Venderá
Venderemos
Venderéis/Venderán
Venderán
Viviré
Vivirás
Vivirá
Viviremos
Viviréis/Vivirán
Vivirán
Potencial: Compraría
Comprarías
Compraría
Compraríamos
Compraríais/Comprarían
Comprarían
Vendería
Venderías
Vendería
Venderíamos
Venderíais/Venderían
Venderían
Viviría
Vivirías
Viviría
Viviríamos
Viviríais/Vivrían
Vivirían

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Devido às prolongadas conquistas às quais Espanha foi submetida ou que submeteu a outras nações, a língua castelhana foi invadida por uma enorme quantidade de vozes "adquiridas" de línguas de diversos grupos. É possível encontrar, no castelhano, palavras celtas, iberas, ostrogodas, visigodas, latinas, gregas, árabes, francesas, italianas, germânicas, caribes, astecas, quéchuas, guaranis e outras. A influência relativa de cada um destas "aquisições" varia de acordo com o país falante.

Os países da América, principalmente nas suas regiões rurais, conservam um grande número de arcaísmos: no extremo sul (Argentina e Uruguai), é frequente, no trato coloquial, o uso do "vos" em lugar do "" tradicional nos restantes países hispanófonos. A forma "vos" provém do trato formal da segunda pessoa do singular de antigamente, e sobrevive em Espanha na forma do trato informal para a segunda pessoa do plural (vosotros). Também sobrevive na Comarca de Fonsagrada para a segunda pessoa do singular. O trato formal actual é "Usted" para a segunda pessoa do singular e "Ustedes" para a segunda pessoa do plural (também utilizados em Espanha).

Sistema de escrita[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ortografia da língua espanhola

O castelhano/espanhol escreve-se mediante o alfabeto latino. Tem uma letra adicional, Ñ, embora, no passado, ch e ll fossem consideradas letras (ver dígrafo). As vogais podem levar um acento agudo para marcar a sílaba tónica quando esta não segue o padrão habitual, ou para distinguir palavras que, de outra forma teriam a mesma grafia (ver acento diferencial).

O u pode levar trema (ü) para indicar que este se pronuncia nos grupos "güe", "güi". Na poesia, as vogais i e u podem levar trema para romper um ditongo e ajustar convenientemente a métrica de um verso determinado (por exemplo, ruido tem duas sílabas, mas ruïdo tem três).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. «Världens 100 största språk 2010». Nationalencyklopedin. 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2014 
  2. Lewis. «Spanish» (em espanhol) 17th ed. SIL International 
  3. Instituto Cervantes (Noticias de "El País",Noticias en "Terra"), Universidad de México (uam.es, educar.org), Babel-linguistics
  4. Oliveira, Maria Iwato de; Junior, Irineu de Brito; Ribeiro, Felipe Enne Mendes (15 de novembro de 2017). «Venezuelanos em Roraima». doi:10.14488/enegep2017_tn_sto_238_376_34845 
  5. La RAE avala que Burgos acoge las primeras palabras escritas en castellano. (em castelhano)
  6. Mikael Parkvall, "Världens 100 största språk 2007" (The World's 100 Largest Languages in 2007), in Nationalencyklopedin. Asterisks mark the 2010 estimates for the top dozen languages.
  7. «Summary by language size» 
  8. «The World Factbook — Central Intelligence Agency». www.cia.gov 
  9. «Logga in på NE». www.ne.se 
  10. Según la revista Ethnology en su edición de octubre de 2009 (eldia.es Arquivado em 2010-03-23 no Wayback Machine.)
  11. La RAE avala que Burgos acoge las primeras palabras escritas en castellano (em Spanish), ES: El Mundo, consultado em 14 de setembro de 2013 
  12. «Spanish languages "Becoming the language for trade" in Spain and». sejours-linguistiques-en-espagne.com. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  13. Pei, Mario (1949). Story of Language. ISBN 03-9700-400-1.
  14. Robles, Heriberto Camacho Becerra, Juan José Comparán Rizo, Felipe Castillo (1998). Manual de etimologías grecolatinas 3. ed. México: Limusa. p. 19. ISBN 968-18-5542-6 
  15. Comparán Rizo, Juan José. Raices Griegas y latinas (em espanhol). [S.l.]: Ediciones Umbral. p. 17. ISBN 978-968-5430-01-2 
  16. a b c Dworkin, Steven N. (2012). A History of the Spanish Lexicon: A Linguistic Perspective. Oxford: Oxford University Press. p. 83. ISBN 0-19-954114-0 
  17. Versteegh, Kees (2003). The Arabic language Repr. ed. Edinburgh: Edinburgh University Press. p. 228. ISBN 0-7486-1436-2 
  18. Lapesa, Raphael (1960). Historia de la lengua española. Madrid: [s.n.] p. 97 
  19. Quintana, Lucía; Mora, Juan Pablo (2002). «Enseñanza del acervo léxico árabe de la lengua española» (PDF). ASELE. Actas XIII: 705 : "El léxico español de procedencia árabe es muy abundante: se ha señalado que constituye, aproximadamente, un 8% del vocabulario total"
  20. Macpherson, I. R. (1980). Spanish phonology. Manchester: Manchester University Press. p. 93. ISBN 0-7190-0788-7 
  21. Martínez Egido, José Joaquín (2007). Constitución del léxico español. [S.l.: s.n.] p. 15 
  22. Cervantes, Biblioteca Virtual Miguel de. «La época visigoda / Susana Rodríguez Rosique | Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes». www.cervantesvirtual.com (em espanhol) 
  23. Penny (1991):224–236
  24. «Official Languages | United Nations». www.un.org. Consultado em 14 de setembro de 2013 
  25. «El español se atasca como lengua científica». Servicio de Información y Noticias Científicas (em Spanish). Consultado em 14 de setembro de 2013 
  26. https://www.cervantes.es/sobre_instituto_cervantes/prensa/2018/noticias/np_presentacion-anuario.htm
  27. España, Biblioteca Nacional de (10 de maio de 2011). «Castellano». www.bne.es (em espanhol). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  28. Oliveira, Maria José; Oliveira, Maria José. «O dia em que os judeus foram expulsos de Portugal». Observador. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  29. «Diccionario de autoridades». www.rae.es (em espanhol). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  30. «Primera gramática». www.rae.es (em espanhol). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  31. «Sinopsis artículo 3 - Constitución Española». www.congreso.es. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  32. a b «El porvenir del español en el sahara occidental.»
  33. «Castellano - La página del idioma español = El castellano - Etimología - Lengua española mitomania». Consultado em 8 de agosto de 2019 
  34. «Hijas de Obama estudian español.» El Universal. Consultado el 16 de octubre de 2016.
  35. Artículo 4.º de la Ley General de Derechos Lingüísticos de los Pueblos Indígenas.
  36. Constitución de Bolivia de 2009, título I, capítulo 1.º, artículo 5, párrafo 1.
  37. Junto con las lenguas y dialectos de los grupos étnicos en sus territorios..
  38. Constitución política de la República de Costa Rica 1999.
  39. Constitución de la República de Cuba.
  40. Según la Constitución del 2008, título I, artículo 2
  41. Consitiución Política de la República de Guatemala.
  42. Constitución de la República de Honduras, 1982.
  43. Constitución, título II, artículo 12.
  44. Asamblea Nacional de Panamá.
  45. Constitución Política del Paraguay y Ethnologue – Paraguay(2000). El guaraní es también el idioma más hablado en Paraguay por número de hablantes nativos.
  46. Cooficial con el quechua, aimara y demás lenguas nativas, allí donde predominen.Constitución política de Perú.
  47. Constitución Política de la República Dominicana, proclamada el 26 de enero. Publicada en la Gaceta Oficial No. 10561, del 26 de enero de 2010.
  48. La «InternetArchiveBot» (PDF) 
  49. «Constitución Política de la República Oriental del Uruguay de 1967». Consultado em 14 de setembro de 2013 
  50. Constitución del Estado Libre Asociado de Puerto Rico. Consultado el 10 de abril de 2016.
  51. «Puerto Rico declara el español lengua oficial y relega el inglés a segundo idioma.» Canal de noticias RT. Consultado el 10 de abril de 2016.
  52. BrazilMag.com Arquivado em 11 de outubro de 2008, no Wayback Machine., 8 de agosto, 2005.
  53. ethnologue.com
  54. Lipski, John M. «Too close for comfort? the genesis of "portuñol/portunhol"» (PDF). ed. Timothy L. Face and Carol A. Klee, 1-22. Somerville, MA: Cascadilla Proceedings Project 
  55. «Copia archivada». Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  56. «Relatório aponta que existem mais de 54 mil venezuelanos em Roraima». Assembleia Legislativa do Estado de Roraima. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  57. «Population Census 2000, Major Findings» (PDF). Central Statistical Office, Ministry of Budget Management, Belice. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  58. «Belize Population and Housing Census 2000.»
  59. The New York Times: CNN’s Latin Sister Looks to Capture a Booming Market
  60. Instituto Cervantes, 2008 (El País: Más 'speak spanish' que en España, lavozdebarcelona.com: 45 millones de hispanohablantes en Estados Unidos, más que en España).
  61. Predefinição:Enlace PDF, MLA Fall 2002.
  62. Boletín de la comunidad sefardí en España
  63. Aumentan las peticiones de nacionacionalidad española entre la comunidad sefardí en USA
  64. BOE sobre la nacionalidad española para sefardíes
  65. Lenguas inmigrantes de Canadá (em inglês)
  66. www.terra.com.br (em português)
  67. Biblioteca de la CIA.
  68. Fuente:Gobierno de Andorra. Encuesta de usos lingüísticos en Andorra – 2004.
  69. BBC Education — Languages, Languages Across Europe — Spanish. «Switzerland's Four National Languages». Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  70. Las Lenguas Oficiales de la Unión Europea Cópia arquivada no Wayback Machine
  71. 46 698 137 en España (98,8% de 47 265 321 según el INE en 2012) + 23 203 930 en el resto de la UE (15% en la UE en total incluyendo España) + 123 000 en Suiza (el 1,7%) + 53 963 en Andorra (el 68,70%) + 36 250 en Noruega + 23 320 en Rusia. Véase tabla de hablantes de español.
  72. El idioma español en las Filipinas
  73. Real Instituto Elcano
  74. «Gloria Macapagal y Mario Vargas Llosa, premiados con los Don Quijote 2009». Agencia EFE. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  75. «Otorgan a presidenta de Filipinas premio Don Quijote de la Mancha». Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  76. e-dyario.com
  77. Boletín de la comunidad sefardí en España
  78. Demografía de la lengua española (pág. 35)
  79. El idioma español en Marruecos.
  80. Libros sobre el idioma español en Marruecos.
  81. Lipski, John (en inglés). «Spanish in the Pacific.»
  82. 111 400 en Australia + 21 645 en Nueva Zelanda
  83. Percent of people 5 years and over who speak Spanish at home - United States -- States; and Puerto Rico
  84. Primer resultado del Censo: en la Antártida viven 230 personas Arquivado em 20 de novembro de 2012, no Wayback Machine. en: Los Andes. Consultado el 25 de octubre de 2010.
  85. “El valor económico del español”, Noticias “El País”. Un análisis más detallado de estos datos se encuentra en Demografía de la lengua española
  86. Página 38 de Demografía de la lengua española. Datos del estudio “El valor económico del español”.
  87. «Estimativa do INEGI, 30 de junho de 2008.» 🔗 
  88. INE (1/1/2008) in Diario ABC Arquivado em 26 de dezembro de 2007, no Wayback Machine.
  89. «Censo DANE (Ago-2008)». Arquivado do original em 5 de setembro de 2015 
  90. U.S. Census Bureau (1/7/2006)[1] Arquivado em 25 de julho de 2008, no Wayback Machine.
  91. Censo INDEC (2008) [2] Arquivado em 18 de novembro de 2008, no Wayback Machine.
  92. «INEI (30-jun-2007)» 
  93. «Censo de 30 de junho de 2007 - Instituto Nacional de Estadisticas de Chile» 🔗 (PDF) 
  94. Censo oficial, 1 de julho de 2005
  95. Organização das Nações Unidas, 30 de junho de 2007
  96. Estimativa para 2008 do Instituto Nacional de Estadisticas de Bolivia Arquivado em 17 de maio de 2010, no Wayback Machine.
  97. Estimativa da Organização das Nações Unidas para julho de 2007
  98. a b c d e f Estimativa da Organização das Nações Unidas para julho de 2007.
  99. «Censo (2008)». Arquivado do original em 27 de setembro de 2007 
  100. PMB Statistics, citado em Media in Canada 2006. tlntv Arquivado em 9 de novembro de 2007, no Wayback Machine. (em 2006 quase 1 milhão de falantes do espanhol vivem no Canadá), broadcastdialogue.com (página 3), comunidadhispanahoy.ca[ligação inativa]
  101. 1% da população maior de 15 anos do país, que em 2005 era de 44.010.619 (Falantes do espanhol na União Europeia segundo o Eurobarómetro (2006))
  102. Página 32 de [3] (50% dos 733 000 estrangeiros são do Mercosul, e 43 064 imigrantes espanhóis).
  103. Anuário da Enciclopédia Britânica de 1997 CVC anuario del 99
  104. BBY (1997) (50 000 sefarditas)[4] + 80.000 íbero-americanos [5]
  105. Anuario da Enciclopédia Britânica de 1997 CVC anuario del 99
  106. 59 017 espanhóis (censo 2001) e 48 637 colombianos (estimativa da Open Channels e do consulado colombiano em 1999) [6]. Os colombianos são grupo mais numeroso de latino-americanos, depois dos brasileiros, no Reino Unido
  107. Pág. 32 do estudo. «Demografía de la Lengua española» (PDF) 
  108. Pág. 32 do estudo. «Demografía de la Lengua española» (PDF). , dado que se aproxima aos 104 000 dados pela Enciclopédia Britânica 
  109. Censo sueco SCB, (2002)
  110. Dos quais 14 905 são espanhóis (censo 2001) e 75 000 equatorianos [7] Arquivado em 13 de setembro de 2008, no Wayback Machine. (o maior grupo de latinoamericanos na Itália)
  111. 1% da população da Bélgica maior de 15 años, que em 2005 era de 8.598.982 (Falantes do espanhol na União Europeia segundo o Eurobarómetro (2006))
  112. https://web.archive.org/web/20081030050245/http://n.girasol.googlepages.com/dato_c.html. Consultado em 30 de outubro de 2008. Arquivado do original em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda)  Em falta ou vazio |título= (ajuda) (75 300 latino-americanos não brasileiros + 1 265 espanhóis Censo 2001)
  113. «Censo 2001 (espanhóis em Andorra]» (PDF) 
  114. «Statistics New Zealand Censo demográfico de 2006» 🔗 
  115. «Ethnologue» 
  116. Residentes espanhóis na Holanda segundo o censo de 2001
  117. «Instituto Cervantes» 
  118. Residentes espanhóis em Portugal segundo o censo de 2001.
  119. «Ethnologue» 
  120. «Registro de Matrícula de residentes de los Consulados Españoles. Ministério de Assuntos Exteriores da Espanha, 1999-2001» (PDF) 
  121. Urrutia Cárdenas, Hernán. El indigenismo Americano II: Actas de las segundas jornadas sobre indigenismo americano. [S.l.]: Universitat de València. p. 232. ISBN 8437049482 
  122. La interculturalidad en el aprendizaje de español en Brasil Arquivado em 24 de agosto de 2012, no Wayback Machine. en: FIAPE. IV Congreso internacional: La enseñanza del español en un mundo intercultural. Jornadas pedagógicas. Consultado el 20-04-2011.
  123. La Enseñanza del Español en el Sistema Educativo Brasileño en: Colección Orellana. Embajada de España en Brasília. Consultado el 31-12-2008.
  124. El español es el segundo idioma más estudiado en escuelas de Francia y Suecia Arquivado em 7 de março de 2013, no Wayback Machine.
  125. Los noruegos hablan cada vez más español
  126. Coraz więcej osób chce się uczyć hiszpańskiego (pol.)
  127. Dlaczego warto się uczyć języka hiszpańskiego (pol.)
  128. Polacy uczą się hiszpańskiego tańcząco (pol.) Arquivado em 1 de fevereiro de 2013, no Wayback Machine.
  129. «Enseñanza y Aprendizaje del Español en Camerún: El Caso de la Enseñanza Media» en: Universidad de Yaundé I. Consultado el 06-07-1995.
  130. «Enseñar y aprender español en un grupo grande de Enseñanza Secundaria en Gabón» en: Ediciones Universidad de Salamanca. Consultado en: 31-12-1997.
  131. La evaluación y/ó la autoevaluación: Un procedimiento clave para la formación de alumnos profesores de español lengua extranjera en Gabón en el dominio de la investigación pedagógica. en: Ediciones Universidad de Salamanca. Consultado en: 05-03-2010.
  132. «Aportaciones a la reflexión sobre la expresión oral del docente de español gabonés como animador de la interacción en clase.» en: Ècole normale supérieure de Libreville. Consultado en 21-08-2012.
  133. «La lengua española en Filipinas» (PDF). ACTAS XLC AEPE 
  134. «El español será el idioma más hablado del mundo» Arquivado em 2 de julho de 2013, no Wayback Machine., en infobae.com, 24 de agosto de 2010.
  135. Hualde, José Ignacio (2010). Introducción a la Lingüística Hispánica 2ª ed. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 325. 554 páginas. ISBN 978-0-521-51398-2 
  136. «Uso da palavra ayote». Arquivado do original em 4 de março de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]