Toledo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Toledo (Espanha))
Ir para: navegação, pesquisa
Espanha Toledo

Toledo

 
—  Município  —
Toledo.png
Bandeira de Toledo
Bandeira
Brasão de armas de Toledo
Brasão de armas
Toledo está localizado em: Espanha
Toledo
Localização de Toledo na Espanha
Coordenadas 39° 51' N 4° 01' O
Comunidade autónoma Castilla-La Mancha
Província Toledo
Fundação Celtíberos
 - Alcaide Emiliano García-Page (PSOE) (2007)
Área
 - Total 232,1 km²
Altitude 529 m (1 736 pés)
População (2014)
 - Total 83 334 habitantes
    • Densidade Erro de expressão: Número inesperado/km2 
Gentílico: Toledano, na
Toletano, na
Toletense, sa
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Horário de verão CEST (UTC+2)
Código postal 45001-45009
Sítio www.ayto-toledo.org
Pix.gif Cidade Histórica de Toledo *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Toledo alcazar bridge flickr.jpg
Ponte do Alcazar
País Flag of Spain.svg Espanha
Tipo Cultural
Critérios i, ii, iii, iv UNIQ--nowiki-00000001-QINU1UNIQ--nowiki-00000002-QINU
Referência 379
Região** Europa e América do Norte
Coordenadas 39° 52′ N 04° 01′ W
Histórico de inscrição
Inscrição 1986  (10ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Toledo (em latim Toletum; em castelhano Toledo) é um município da Espanha na província de Toledo, comunidade autónoma de Castilla-La Mancha, de área 232,1 km² com população de 83 334 habitantes (2014) e densidade populacional de 359,04 hab./km².

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro assentamento permanente conhecido na cidade de Toledo é uma série de fortes (muralhas) celtibéricos. Um dos primeiros assentamentos estava localizado no Cerro del bu ( em uma colina na margem esquerda do rio Tejo ), onde foram obtidos inúmeros vestígios nas escavações, o que pode ser visto no atual Museu - Hospital de Santa Cruz em Toledo.

O aço de Toledo, conhecido por ser incrivelmente duro e tecnologicamente avançado na época, era trabalhado tradicionalmente desde cerca de 500 a.C. e chamou a atenção dos romanos quando foi usado por Hannibal nas Guerras Púnicas no século III a.C. Logo, tornou-se uma fonte padrão de armamento para as legiões romanas.

O aço toledano era famoso por sua liga de alta qualidade, a Hispânia era conhecida desde o século IV a.C, por causa da alta qualidade de espadas de todos os tamanhos e armaduras provenientes desta região (além de outros utensílios), em design e ergonomia. Modelos como a Falcata Ibérica (uma espada curta) ou a Gladius Hispanensis (uma espada curta romana) foram usados ​​por cartagineses e romanos desde os tempos da Segunda Guerra Púnica (séculos II e III a.C.).

Em 193 a.C., depois de grande resistência, Marco Fulvio Nobilior conquistou a cidade. Os romanos a reconstruíram e a renomearam como Toletum na província de Carpetania. A cidade desenvolveu uma importante indústria de ferro e passou a exportar para todo o Império Romano e, também, passaram a cunhar moedas. A área onde a cidade foi colonizada sofreu um profundo processo de romanização, como evidenciado pelos inúmeros restos de vilas romanas, especialmente nas margens do Tejo.

Os romanos deixaram muitos vestígios em Toledo, principalmente na arquitetura e infraestrutura da cidade como um imponente aqueduto, dos quais apenas as fundações foram preservadas em ambos os lados do Tejo, estradas e pontes que existem até hoje, um circo, templos, teatros, um anfiteatro, igrejas antigas, moradias e muitos outros. Há muitos outros vestígios, apesar de ter sido dado como desaparecido.

Após as primeiras incursões germânicas no século III, as antigas muralhas foram reconstruídas para fins defensivos; no entanto, em 411 a cidade foi conquistada pelos alanos, graças à sua impressionante arte da guerra, que por sua vez foram derrotados pelos visigodos em 418. Depois de ter derrotado o seu adversário Agila, Atanagildo estabeleceu sua corte na cidade e mais tarde com Leovigildo, tornou-se capital do reino e arcebispado hispano-visigodo, que adquiriu grande importância religiosa e civil (como evidenciado pelos Conselhos de Toledo) e cultural. Muito perto de Toledo, na cidade de Guadamur, Tesouros, conjunto excepcional de coroas dos reis visigodos foram encontrados.

Toledo foi a capital da Hispânia visigótica, desde o reinado de Leovigildo, até a conquista moura da península Ibérica no século VIII.

Entre 714 e 715 foi conquistada por Tariq ibn Ziyad e submetidos ao domínio muçulmano. Os árabes chamaram-na de Tulaytula (árabe طليطلة ). Durante o Califado de Córdoba (797 - 1035), Toledo foi centro de tensão étnica e religiosa, além de muitas revoltas que envolviam todo o centro-sul da península ibérica. A esmagadora maioria de população católica (cerca de 95% - 99% da população da região) em Toledo tornou-se fonte de preocupação constante para os governantes islâmicos, os mais temidos eram os camponeses de fé cristã ou pagã e, durante o emirado de Al-Hakam, explodiu uma grande revolta em toda região em volta de Toledo. O emir enviou o oscense Muladi Amrús ben Yusuf (chamado Amorroz em crônicas Cristãs) para subjugar a região incluindo partes onde hoje são as modernas províncias espanholas de Ciudad Real, Cuenca e Albacete, usando um truque cruel. Este é o caso conhecido como o dia do poço. Amrús organizou um banquete no palácio do governador e convidou para comer na principal cidade. Às portas da residência, fez uma aposta de carrascos, quando os convidados chegaram, eles cortaram o pescoço, os corpos foram jogados em uma vala (daí o nome pelo qual é conhecido episódio). No entanto, houve novas rebeliões em 811 e em 829, depois de sua morte. Outra grande revolta estourou em Julho de 932 e se estendeu até 939 durante o governo de Abd al-Rahman III, exatamente na mesma região onde hoje é a comunidade autônoma de Castilla La-Mancha, de Cuenca a Ciudad Real modernos, e foi necessário um cerco de três ou quatro anos para recuperar.

Após a decomposição do Califado de Córdoba em 1035, tornou-se capital do Taifa de Toledo, no entanto, seu taifa teve que pagar párias aos reis de Castela para manter o moribundo domínio maometano.

Finalmente em 25 de maio de 1085, Afonso VI de Castela reocupou Toledo e estabeleceu controle direto sobre a cidade e também região majoritariamente cristã e nativa que havia se rebelado contra o governo islâmico. Este foi o primeiro passo concreto do reino de Leão e Castela na chamada Reconquista. Toledo também passou a ser a capital do Reino de Castela para enfrentar melhor os sarracenos oriundos do norte de Africa e extremo sul da Península, substituindo Burgos que até então era capital desde 1031. Foram construídas nova muralhas, mais sofisticadas do que as antigas.

Entre 1085 e 1100, a população de Toledo se tornou homogênea etnicamente e culturalmente, antes, cerca de 5% da população toledana era composto de muçulmanos e judeus. As populações indígenas de religião cristã e pagã foram bastante maltratadas pelo governo islâmico, com impostos abusivos, tentativas de conversão forçada, servidão (em alguns casos escravidão), e privilegiando muçulmanos e judeus, mas quando Castela reconquistou a região, esses dois grupos passaram a ser perseguidos. Por volta do ano 1300, um grupo de judeus chegou à cidade, mas foram expulsos novamente em 1492.

Em 1162 a cidade foi conquistada pelo rei Fernando II de Leão, durante o período turbulento de Alfonso VIII de Castela. O Rei Leonês nomeado Fernando Rodríguez de Castro "o castelhano " , membro da Casa de Castro, governador da cidade. A cidade de Toledo permaneceu na posse de Leão até 1166, quando foi recuperada pelos castelhanos.

Durante a guerra civil castelhana, Toledo lutou ao lado de Pedro I, e depois de sofrer um longo cerco, foi tomada em janeiro de 1369. Ao longo da Idade Média, a cidade foi crescendo, especialmente a partir do século XIV.

Desde tempos pre-romanos, Toledo era famosa por sua produção de aço, especialmente espadas e armaduras, e a cidade ainda é um centro de manufatura de facas e pequenas ferramentas de aço. Após Filipe II de Espanha mudar a corte de Toledo para Madrid em 1561, a cidade entrou em lento declínio, do qual nunca se recuperou.

Nos últimos anos da Idade Média, a Rainha Isabel I de Castela (1451 - 1504) ampliou a cidade, e na Catedral de Toledo os reis católicos proclamaram Joana como herdeira à coroa espanhola em 1502, a Espanha se tornava o primeiro Estado oficialmente unificado. A participação ativa na unificação do primeiro Estado moderno da Europa e do Mundo foi na presença dos nobres castelhanos, especialmente os aristocratas da família Álvarez de Toledo,. Isabel tinha construído em Toledo o Mosteiro de San Juan de los Reyes, para comemorar a batalha de Toro e ser enterrada lá com o marido, mas, depois decidiu enterrar-se na segunda cidade, onde seus restos mortais hoje descansam.

Foi uma das primeiras cidades que aderiram à revolta das Comunidades em 1520, com líderes comunitários como Pedro Laso de la Vega e Juan de Padilla. Após a derrota na Batalha de Villalar, plebeus Toledanos liderados por Maria Pacheco, viúva de Padilla, foram os mais resistentes aos projetos de Charles I, até a sua rendição em 1522. Toledo se tornou uma das sede do Tribunal do Império.

Toledo perdeu muito de seu peso político e social na segunda metade do século XVI. A ruína da indústria têxtil acentuou o declínio da cidade, embora mantivesse a sua importância como centro de poder eclesiástico.


Artes e cultura[editar | editar código-fonte]

Cervantes descreveu Toledo como a "glória da Espanha". A parte antiga da cidade está situada no topo de uma montanha, cercada em três lados por uma curva no rio Tejo, e tem muitos sítios históricos, incluindo o Alcázar, a catedral (a igreja primaz da Espanha), e o Zocodover, seu mercado central. Do século V ao XVI cerca de trinta sínodos aconteceram em Toledo. O primeiro foi no ano 400. No sínodo de 589 o rei visigótico Recaredo declarou sua conversão; no sínodo de 633, conduzido pelo enciclopedista Isidoro de Sevilha, decretou a uniformidade da liturgia em todo o reino visigótico e tomou medidas restritivas contra judeus batizados que recaíssem em sua antiga . O concílio de 681 assegurou ao arcebispo de Toledo a primazia no reino da Espanha. O último concílio que ocorreu em Toledo, entre 1582 e 1583, foi conduzido em detalhes por Filipe II de Espanha.

A parte do século XIV, Toledo tinha uma considerável comunidade judia, até que eles foram expulsos da Espanha em 1492; a cidade tem importantes monumentos religiosos, como a Sinagoga de Santa María la Blanca, a sinagoga de El Tránsito, e a mesquita de Cristo de la Luz.

No século XIII Toledo era um importante centro cultural sob o domínio de Afonso X, cuja alcunha era "El Sabio" ("O Sábio") por seu amor ao conhecimento. A escola de tradutores de Toledo tornou disponíveis grandes trabalhos acadêmicos e filosóficos produzidos em árabe e hebraico (que eram originalmente do grego) ao traduzi-los para o latim.

A catedral é notável por sua incorporação de luz, e nada é mais notável que as imagens por trás do altar, bastante altas, com figuras fantásticas em estuque, pinturas, peças em bronze, e múltiplas tonalidades de mármore, uma obra-prima medieval. A cidade foi local de residência de El Greco no final de sua vida, e é tema de muitas de suas pinturas, incluindo O Enterro do Conde de Orgaz, exibido na Igreja de Santo Tomé. É uma das três catedrais góticas (estilo francês) espanholas do século XIII, sede da Arquidiocese de Toledo, sendo considerada a obra magna desse estilo no país.

Nas artes culinárias, destacam-se as chamadas carcamusas, que consistem em carne de porco estufada com tomate.[2] [3]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Panorama de Toledo
Variação demográfica de Toledo entre 1991 e 2004
1991 1996 2001 2004
59 000 66 006 68 382 73 485

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Toledo

Espanha | Castilla-La Mancha | Toledo

Lista de municípios de Toledo