Garcilaso de la Vega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Garcilaso de la Vega

Garcilaso de la Vega foi um poeta espanhol (Toledo, c. 1503 _ Nice, 14-X-1536).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu pai ocupava importante cargo na corte dos Reis Católicos. Esteve a serviço de Carlos V, como cortesão e militar, tendo tomado parte em várias guerras imperiais. Em sua vida fundiu os ideais do bom cortesão: armas e letras, a espada e a pena, o saber e o combate.

Garcilaso reúne diversas correntes: a poesia lírica tradicional de Teócrito, Virgílio, Horácio e Petrarca, a cultura humanística e a estética platonizante. Compôs sonetos, elegias, canções, epístolas.

É considerado o mais insigne, o príncipe dos poetas castelhanos. O tema central de seu lirismo é o amor, que ele exprime sob uma forma dolorida e dentro da mais aguda solidão.

Sua grande mestria técnica sente-se na suavidade dos versos, na harmonia e combinação das estrofes e na seleção de imagens e conceitos. O tom, a qualidade e medida de sua linguagem poética dão fisionomia especial à sua poesia, na qual não existem os exageros apaixonados, mas ao contrário, a ponderação, a pureza, a claridade, o decoro, a sobriedade. Coube ainda a Garcilaso introduzir, em língua espanhola, as formas poéticas italianas.

Sua morte vem cercada de uma série de circunstâncias trágicas: após acompanhar o imperador D. Pedro de Toledo numa expedição a Túnis, em 1535, tomou parte na invasão da Provença, sendo mortalmente ferido quando atacava um forte em Muy, próximo a Fréjus.

Seus poemas incluem três pastorais, 37 sonetos, cinco canções, duas elegias e uma epístola em versos brancos.

Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.